Artículos de: Octubre, 2008

Odiario

A Luta continua

Marcos Domich*    31.Oct.08    Colaboradores

Marcos Domich

Neste texto, Marcus Domich, analisa as causas da derrota sofrida recentemente na Bolívia pela direita, representada pelos prefeitos da Meia-Lua e perspectiva os avanços do processo de mudanças em curso naquele país.

Odiario
Odiario

As FARC aceitam iniciar o diálogo sobre o Acordo Humanitário e Paz na Colômbia
Carta do Secretariado do Estado-Maior das FARC-EP

Alfonso Cano
Publicamos hoje, na íntegra, as cartas trocadas entre um numeroso grupo de intelectuais colombianos «partidários da solução política para os problemas da guerra e da paz» no seu país, e a carta de aceitação das conversações do Secretariado do Estado-Maior Central das FARC-EP, ontem divulgadas na Colômbia.

Odiario
Odiario

A crise por detrás da(s) crise(s)
– financeirização, sobreprodução e a queda das taxas de lucro

Pedro Carvalho*    29.Oct.08    Outros autores

Pedro Carvalho“A ofensiva imperialista procura aumentar, por todos os meios, a taxa de exploração do trabalho – pela intensificação dos ritmos de trabalho, pela redução dos salários reais e pelo aumento do horário de trabalho, procurando extrair mais mais-valias, relativas e absolutas, com a vista a contrariar a tendência para a redução das taxas médias de lucro. (…) Estamos a viver um momento particular da história que terá de trazer mudanças estruturais ao mundo que conhecemos. Um momento de enormes perigos para a Humanidade, mas também de imensas oportunidades, cujo pêndulo dependerá da luta, resistência e conquistas dos trabalhadores e dos povos. Da luta de classes. A Humanidade precisa do triunfo do socialismo. É cada vez mais necessário afirmar o futuro para construir o presente.”

Odiario
Odiario

DOCUMENTOS

Discurso da Secretária-Geral do Partido Comunista Grego
Na Festa do PCG e da JCG

Aleka Papariga*    28.Oct.08    Outros autores

Aleka PaparigaO Partido Comunista da Grécia comemorou em Setembro 90 anos de existência. A sua secretária-geral, Aleka Papariga, pronunciou então o discurso que hoje publicamos. Esse importante documento é uma bela síntese da história de uma organização revolucionária cuja fidelidade aos princípios e valores do marxismo leninismo tem sido exemplar. O Partido – afirma a dirigente comunista – tem actuado como «um tractor que lavra a terra para semear ideias novas, de vanguarda e incomuns para que se convertam numa enorme árvore que porá fim à exploração de classe, promoverá a igualdade social e a igualdade entre os sexos e promoverá o internacionalismo operário e o papel da ciência ao serviço do povo».

Odiario
Odiario

O Paciente americano

Elmar Altvater*    27.Oct.08    Outros autores

Bush“Há que ter condições para utilizar o poder militar. Bush não tem, deixa no Iraque, tal como no Afeganistão, uma tragédia humana e um desastre político. Em Guantánamo desceram à campa o cadáver do Estado de direito e o direito internacional público. O Azerbeijão tirou conclusões da incapacidade do poder hegemónico dos EUA para proteger os seus parceiros menores e voluntários, como a Geórgia, e começa a aquecer as gélidas relações com a Rússia. O «antinorte-americanismo» alastra como nódoa de azeite: o mundo sente uma profunda repulsão pelas políticas de força do pigmeu Bush, uma repulsa partilhada por muito cidadãos estadunidenses.”

Odiario
Odiario

Soberania alimentar e agricultura

“Passaram-se 50 anos, a produtividade física por hectare aumentou muito e a produção total quadruplicou em nível mundial. Mas as empresas transnacionais tomaram conta da agricultura com suas máquinas, venenos e fertilizantes químicos. Ganharam muito dinheiro, acumularam bastante capital e, com isso, houve uma concentração e centralização das empresas. Actualmente, não mais do que 30 conglomerados transnacionais controlam toda a produção e comércio agrícola.”

Odiario
Odiario

China critica a política financeira dos Estados Unidos

Peter Franssen*    25.Oct.08    Outros autores


Neste texto, Peter Fransen debruça-se sobre o declínio do dólar como moeda de troca internacional. Este declínio também é animado pela “China [que] deve equilibrar as suas reservas para que moedas fortes como o euro compensem as moedas mais frágeis, como o dólar.”

Odiario