Artículos de: Febrero, 2011

Odiario

A subversão da Constituição ao serviço das desigualdades

Anselmo Dias*    28.Feb.11    Outros autores

“A permissividade política reinante e o oportunismo imposto pelo rotativismo governativo do PS, PSD e CDS-PP levaram à desvalorização do texto Constitucional, cujo incumprimento por parte destes partidos, incluindo os presidentes da República, formatou o País a um modelo de desenvolvimento económico e social com profundas desigualdades e assimetrias, quer pessoais, quer regionais.”
E no entanto, os sucessivos presidentes da República “na sua tomada de posse, de acordo com o Artigo 127.º declara(ram) perante a Nação: «Juro por minha honra desempenhar fielmente as funções em que fico investido e defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa».
Juraram em falso.

Odiario
Odiario

O G20 em Paris: A crise dos alimentos

Julio C. Gambina*    27.Feb.11    Colaboradores

Julio Gambina“O objectivo do G20 continua a ser a crise da economia capitalista mundial, numa semana em que o Banco Central de Portugal anunciou a recaída em recessão daquele país, e quando o Banco Mundial ratifica o menor crescimento da economia mundial . Não há recessão, mas desaceleração . Por isso as preocupações continuam concentradas em «nivelar os desequilíbrios comerciais globais», em chamar a atenção para as elevadas dívidas dos países capitalistas desenvolvidos» e o «auge dos preços dos produtos agrícolas». “

Odiario
Odiario

O direito de antena dos monopolistas

Correia da Fonseca*    26.Feb.11    Colaboradores

Correia da Fonseca“… os cidadãos que já sofrem este governo e estão ameaçados de sofrer um futuro «ministério Passos Coelho» (o homem gabou-se de até já ter escolhido ministros!) podem facilmente aperceber-se do (seu) projecto. Bastará talvez prestarem a merecida atenção às palavras de Soares dos Santos, Belmiro (de Azevedo), e outros de idêntica cepa, designadamente alguns que fazem a colheita de milhões recolhidos no terreno, para eles fértil, da gestão de grandes empresas.

Odiario
Odiario

Uma flecha contra o céu

Aurélio Santos*    25.Feb.11    Outros autores

Aurélio Santos“O que se pretende prescrever é, obviamente, a ideia de uma nova sociedade, de melhor e mais autêntica igualdade. De maiores oportunidades e com garantias delas. Para o que já se chamou, na linguagem do romantismo revolucionário, ao assalto do céu.
Desesperam-se por não conseguirem calar a nossa voz.
Porque nós confiamos na força das ideias, quando elas se tornam actuantes como movimentos.”

Odiario
Odiario

As cidades do futuro serão habitáveis?

Mihir Bholey*    24.Feb.11    Outros autores

Não existe nenhum mecanismo eficaz para deter a expansão das cidades para além de um certo tamanho, em termos de área geográfica, o que é um grande problema no nosso processo de urbanização. Por um lado, as nossas cidades muito grandes e superlotadas tornaram-se social e ambientalmente insustentáveis. Do outro, o planeamento urbano (…) parece mais preocupado com soluções rápidas que, por uma visão de longa duração de planos de desenvolvimento. A questão da urbanização e do planeamento urbano não diz respeito apenas a infra-estruturas. É também sobre a criação e concepção de uma organização social actual e futura.”

Odiario
Odiario
Entrevista com o jornalista David Cronin

Como é que a Europa ajuda o racismo sionista

Sara Irving*    23.Feb.11    Destaques

ALIANÇA ENTRE A UNIÃO EUROPEIA E ISRAELNesta entrevista de Sara Irving com David Cronin é desmascarada a íntima colaboração entre a União Europeia e Israel, particularmente no campo da investigação tecnológica e militar.
Num momento em que milhares de jovens investigadores da União Europeia são lançados no desemprego e transformados na «geração da casa dos pais» (em Portugal a sua situação é dramática), são «800 projectos de investigação em que os israelenses estão envolvidos e o seu valor chega a qualquer coisa como 4.300 milhões de euros entre 2007 e 2013».
São textos como esta entrevista que tornam impossível a partir de agora os jornalistas, nomeadamente os portugueses, dizerem «eu não sabia»…
Agora já sabem.

Odiario