Documento aprovado pela Assembleia Geral da Cidade de Nova Iorque
(NYC General Assembly ) em 29 de Setembro de 2011

NYCGA     05.Oct.11    Outros autores

“OCUPEM WALL STREET!”
Teve início há cerca de duas semanas, em Nova Iorque, a acção “Ocupem Wall Street”. O diario.info publica hoje três textos que permitem acompanhar mais de perto esta significativa acção, que se propôs intervir nem mais nem menos que num dos locais emblemáticos do capital financeiro. Esta corajosa iniciativa foi acolhida, como não podia deixar de ser, com brutal repressão policial: só no dia 1 de Outubro mais de 700 manifestantes foram detidos, espancados, algemados e levados para a prisão. Hoje mesmo realiza-se um grande comício popular de solidariedade com o movimento e de exigência de libertação imediata e sem acusação dos presos.
A maior potência capitalista é também a sociedade mais desigual do planeta. E nessa sociedade em crise começam a abrir-se significativas brechas.

Quando nos reunimos solidariamente para exprimir um sentimento massivo de injustiça, não devemos perder de vista aquilo que aqui nos reuniu. Escrevemos para afirmar a todos os que se sentem prejudicados pela força das corporações em todo o mundo que somos vossos aliados.
Como um só povo, unidos, constatamos a realidade: que o futuro da espécie humana exige a cooperação entre os seus membros; que o nosso sistema deve proteger os nossos direitos, e se esse sistema estiver corrompido, então cabe aos indivíduos proteger os seus próprios direitos, e os dos que lhes estão próximos; que um governo democrático recebe o seu justo poder do povo, mas as corporações dispensam o consentimento geral para subtraírem a riqueza ao povo e à Terra; e que nenhuma verdadeira democracia é alcançável se o processo é determinado pelo poder económico. Vimos até vós num tempo em que as corporações, que preferem o lucro ao povo, o interesse egoísta à justiça, a opressão à igualdade, dirigem os nossos governos. Reunimo-nos pacificamente neste lugar, como é nosso direito, a fim de dar a conhecer estes factos.
Eles arrebataram as nossa casas através de um processo ilegal de despejos, mesmo não sendo proprietários da hipoteca original.
Eles arrebataram impunemente fianças aos contribuintes, e continuam a atribuir prémios exorbitantes aos Executivos.
Eles perpetuaram nos locais de trabalho a desigualdade e a discriminação baseada na idade, na cor da pele, no sexo, identidade de género e orientação sexual.
Eles têm envenenado, por negligência, as reservas alimentares, e destruíram o sistema agrícola através da monopolização.
Eles têm lucrado com a tortura, o confinamento e o tratamento cruel de um número incontável de animais, e ocultam sistematicamente essas práticas.
Eles têm sistematicamente procurado retirar aos empregados o direito à negociação de melhores salários e de condições de trabalho mais seguras.
Eles têm tornado os estudantes reféns de dezenas de milhares de dólares de dívidas contraídas para a sua educação, quando a educação é em si um direito humano.
Eles têm sistematicamente deslocalizado o trabalho, e utilizado essa deslocalização como alavanca para cortar nos salários e no direito à saúde dos trabalhadores.
Eles têm influenciado os tribunais no sentido de alcançarem direitos iguais aos do povo, sem qualquer dos seus deveres e responsabilidades.
Eles têm dispendido milhões de dólares em equipas jurídicas que procuram formas de os desresponsabilizar de compromissos em relação à segurança de saúde.
Eles venderam a nossa privacidade como uma mercadoria.
Eles têm utilizado a força militar e policial para impedir a liberdade de imprensa.
Eles têm deliberadamente recusado a devolução de produtos defeituosos, pondo vidas em risco pela busca do lucro.
Eles têm doado grandes quantias a políticos, cuja responsabilidade seria a de os regular.
Eles continuam a bloquear formas alternativas de energia de modo a manter-nos dependentes do petróleo.
Eles continuam a bloquear formas genéricas de medicina que poderiam salvar vidas ou proporcionar alívio de forma a proteger investimentos que já deram um lucro mais do que substancial.
Eles têm ocultado propositadamente derramamentos de petróleo, acidentes, contabilidade fraudulenta e ingredientes inactivos, sempre na busca do lucro.
Eles mantêm propositadamente as pessoas desinformadas e temerosas através do controle dos media que possuem.
Eles têm aceitado contratos privados para assassinar prisioneiros, mesmo que a sua culpabilidade seja mais do que duvidosa.
Eles têm perpetuado o colonialismo cá dentro e lá fora. Eles têm participado na tortura e no assassínio de civis inocentes no estrangeiro.
Eles continuam a produzir armas de destruição massiva de modo a angariar contratos governamentais. *
Aos povos do mundo,
Nós, a Assembleia Geral da Cidade de Nova Iorque ocupando Wall Street em Liberty Square, incitamo-vos a afirmar o vosso poder.
Exercei o vosso poder de vos reunirdes pacificamente; de ocupar o espaço público; de criar um processo de enfrentar os problemas com que nos deparamos e gerar soluções que sejam acessíveis a todos.
A todas as comunidades que decidam agir e formem agrupamentos no espírito da democracia directa nós oferecemos apoio, documentação e todos os recursos ao nosso dispor.
Juntem-se a nós e façam ouvir a vossa voz!

* Estas reivindicações não são exaustivas.

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos