O filho de África reclama as jóias da coroa do continente

John Pilger    01.Nov.11    Outros autores

John PilgerDurante mais de uma década, os EUA tentaram estabelecer um comando no continente Africano, o AFRICOM, mas este foi recusado pelos governos receosos das tensões regionais que iria causar. A Líbia, e agora o Uganda, o Sudão do Sul e o Congo representam a grande oportunidade. Como demonstram a Wikileaks e a Estratégia Nacional Contra o Terrorismo, os planos dos EUA para África são parte de um plano global de acordo com o qual 60 000 forças especiais, incluindo esquadrões da morte, operam em 75 países. Como disse o então Secretário da Defesa Dick Cheney, os EUA querem simplesmente mandar no mundo.

Barack Obama conduz os EUA à cabeça de um grupo de países ocidentais que disputam a primazia no saq ue dos recursos de África. E qual é o seu objectivo principal? Cercar a China, que está sedenta de matérias-primas.

A 14 de Outubro, o Presidente Barack Obama anunciou o envio de forças especiais dos EUA para o Uganda para tomar parte na guerra civil neste país. Nos próximos meses, tropas de combate norte-americanas serão enviadas para o Sudão do Sul, para o Congo e para a República Centro-Africana. Vão “envolver-se” apenas “para se defenderem”, refere Obama em tom satírico. Com a Líbia segura, uma invasão norte-americana do continente africano está a ser preparada.

A imprensa refere-se à decisão de Obama como “muito invulgar”, “surpreendente”, até mesmo “bizarra”. Não é nada disto. É a lógica da política externa dos EUA desde 1945. Por exemplo, o Vietname. A prioridade era impedir a alegada influência da China, um rival imperialista, e “proteger” a Indonésia, a que o Presidente Richard Nixon chamou “o mais rico tesouro de recursos naturais da região … o maior prémio”. O Vietname meteu-se no caminho; o massacre de mais de três milhões de vietnamitas e a devastação e o envenenamento da sua terra foram o preço a pagar para os EUA atingirem o seu objectivo.

Em todas as subsequentes invasões norte-americanas, num rasto de sangue que se estende desde a América Latina até ao Iraque e ao Afeganistão, a justificação foi a de que estavam a “defender-se”, ou por razões “humanitárias”, palavras que logo perderam o significado que lhes dá o dicionário.

Guerra por procuração

Em África, afirma Obama, a “missão humanitária” consiste em ajudar o Governo do Uganda a derrotar o Exército de Resistência do Senhor (ERS), que “assassinou, violou e raptou dezenas de milhar de homens, mulheres e crianças na África Central”. Esta é uma descrição exacta do ERS, que evoca múltiplas atrocidades administradas pelos EUA, tais como o banho de sangue que se seguiu, nos anos 60, ao assassinato, orquestrado pela CIA, de Patrice Lumumba, líder independentista e o primeiro a ser legalmente eleito primeiro-ministro do Congo, e ao golpe da CIA que instalou no poder Mobutu Sese Seko, considerado o mais corrupto tirano de África.

A outra justificação de Obama é também risível. Trata-se, segundo ele, da “segurança nacional dos EUA”. O ERS vem praticando desde há 24 anos os seus actos deploráveis. Hoje, tem menos de 400 guerrilheiros e nunca esteve tão enfraquecido. Contudo, a expressão “segurança nacional dos EUA” normalmente significa comprar um regime corrupto e canalha que possui qualquer coisa que Washington pretende. O “presidente vitalício” do Uganda, Yoweri Museveni, está já a receber a maior parte dos 45 milhões de dólares em “ajuda” militar dos EUA, incluindo os drones de que Obama tanto gosta. Este foi o preço que ele pagou para combater uma guerra por procuração contra o último inimigo-fantasma islâmico dos EUA, o bando al-Shabaab, sedeado na Somália. O ERS irá desempenhar um papel de relações públicas, distraindo os jornalistas ocidentais com as suas constantes histórias de terror.

Contudo, a razão principal para os EUA invadirem África não é diferente da que deu origem à Guerra do Vietname. Trata-se da China. No mundo da paranóia auto-infligida e institucionalizada, que justifica o que o General David Petraeus, antigo Comandante do Exército dos EUA e actual Director da CIA, chama de estado de guerra perpétuo, a China substitui a al-Qaeda como “ameaça” oficial.

Quando entrevistei Bryan Whitman, secretário de estado adjunto da Defesa, no Pentágono no ano passado, perguntei-lhe quais eram os perigos actuais para os EUA. Visivelmente incomodado, repetia: “são ameaças assimétricas … ameaças assimétricas”. Estas justificam os conglomerados de armas patrocinados pelo Estado e a lavagem de dinheiro, e o mais elevado orçamento militar e de guerra na História. Com Osama Bin Laden eliminado, chegou a vez da China.

África é a história do sucesso chinês. Os norte-americanos levam drones e a desestabilização onde os chineses constroem estradas, pontes e barragens. O que estes pretendem são recursos naturais, em especial combustíveis fósseis. Com as maiores reservas de petróleo de África, a Líbia de Kadafi era um dos maiores fornecedores de petróleo à China. Quando rebentou a guerra civil e a NATO apoiou os “rebeldes” com recurso a uma história inventada sobre um “genocídio” que estaria a ser planeado por Kadafi em Bengazi, a China retirou os seus 30 000 trabalhadores da Líbia. A subsequente resolução do Concelho de Segurança da ONU que permitiu a “intervenção humanitária” das potências ocidentais foi sucintamente explicada numa proposta apresentada ao Governo Francês pelo Concelho Nacional de Transição “rebelde”, revelado no mês passado no jornal Libération, em que se ofereceu à França 35% da produção bruta de petróleo da Líbia “em troca” (foi o termo utilizado) do apoio “total e permanente” dos franceses ao Concelho Nacional de Transição. À frente dos interesses norte-americanos na “libertada” Tripoli, o embaixador dos EUA Gene Cretz reconheceu: “sabemos que o petróleo é a jóia da coroa dos recursos naturais da Líbia”.

O domínio mundial

A real conquista da Líbia pelos EUA e seus parceiros imperialistas anuncia uma versão contemporânea da “Partilha de África” dos finais do século XIX. Tal como na “vitória” a que chegaram no Iraque, também aqui os jornalistas desempenharam um papel fundamental na distinção entre vítimas válidas e não válidas. Uma primeira página recente do Guardian trazia uma fotografia de um aterrado combatente “pró-Kadafi” e dos seus captores de olhar selvagem que, de acordo com a legenda, “festejam”. De acordo com o General Petraeus, temos agora guerras “de percepção … levadas a cabo continuamente através dos média”.

Durante mais de uma década, os EUA tentaram estabelecer um comando no continente Africano, o AFRICOM, mas este foi recusado pelos governos receosos das tensões regionais que iria causar. A Líbia, e agora o Uganda, o Sudão do Sul e o Congo representam a grande oportunidade. Como demonstram a Wikileaks e a Estratégia Nacional Contra o Terrorismo, os planos dos EUA para África são parte de um plano global de acordo com o qual 60 000 forças especiais, incluindo esquadrões da morte, operam em 75 países. Como disse o então Secretário da Defesa Dick Cheney, nos anos 90, os EUA querem simplesmente mandar no mundo.

Que este seja agora o dom de Barack Obama, o “filho de África”, é de uma ironia suprema. Mas será mesmo? Como explicou Frantz Franon em Black Skins, White Masks, o que conta não é tanto a cor da pele mas o poder que se serve e os milhões de pessoas traídas.

Tradução: André Rodrigues P. Silva

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos