Nota dos Editores

Manobras golpistas na Venezuela

Os Editores    20.May.13    Editores

Ventos golpistas sopram na Venezuela.
As forças derrotadas nas eleições de 14 de Abril não se conformam com a vitória de Nicolás Maduro. Insistem em manobras golpistas não obstante o Conselho Nacional Eleitoral ter procedido a uma recontagem dos votos que confirmou o resultado da eleição cuja democraticidade foi garantida por observadores internacionais, entre os quais Jimmy Carter, ex-presidente dos Estados Unidos.

Logo apos a proclamação de Maduro, o líder da oposição, Capriles Radonski, lançou um apelo à contestação nas ruas que desencadeou uma onda de violência. Nos distúrbios então provocados na capital e em diferentes departamentos foram assassinadas 11 pessoas.

O malogro da provocação que visava a criar uma situação caótica levou a direita a mudar de tactica. O chamado Movimento de Unidade Democrática -MUD iniciou uma campanha internacional com o objetivo de obter da OEA e de alguns governos latino-americanos uma declaração de ilegitimidade da eleição de Maduro. Dirigentes seus estiveram especialmente activos no Peru, no Panamá e no Paraguai. Mas a iniciativa também fracassou. O governo venezuelano contou aliás com o apoio da ALBA, da CELAC e da UNASUR na denúncia dessas manobras conspirativas.

Simultaneamente, Capriles, com o apoio de Washington, desenvolve uma ofensiva na frente económica tendente a desgastar o governo. Para atingir esse objetivo a oposição recorre a métodos que foram utilizados com êxito no Chile da Unidade Popular.

Nas últimas semanas alimentos essenciais e outros produtos começaram a faltar. Como as cadeias de supermercados pertencem a milionários da oposição, o desabastecimento e a escassez são provocados artificialmente. A especulação e a campanha de boatos promovida pelos media, hegemonicamente controlados pela direita, contribuem para manter no país um clima de tensão permanente.

A última iniciativa tomada no quadro dessa política desestabilizadora tem aspetos inéditos e ridículos. De súbito o papel higiénico desapareceu dos supermercados.

É significativo que o presidente Barack Obama se associe a essa estratégia desestabilizadora através de críticas ao governo de Maduro que configuram uma inadmissível e grosseira ingerência nos assuntos internos do país.

É transparente que o governo de Caracas enfrenta uma ofensiva da direita fascizante que as forças progressistas definem como tentativa de «golpe de estado permanente».
Daí a necessidade de um reforço da solidariedade com a Venezuela Bolivariana.

OS EDITORES DE ODIARIO.INFO

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos