ODiario.info

Imprimir

Discurso de Vladimir Putin na parada militar que marcou o 72º aniversário da Vitória da Grande Guerra Patriótica de 1941- 45

Os Editores :: 14.05.17

O Dia da Vitória continua a ser celebrado como merece: como o culminar do maior feito político-militar do século XX, feito que está indelevelmente enraizado na memória histórica dos povos que constituíram a União Soviética. O discurso de Putin traduz esse facto e homenageia com dignidade o Regimento Imortal. Mas contém duas significativas omissões: uma, a referência à natureza e características únicas do Exército Vermelho; outra, a referência ao papel central e determinante do PCUS na resistência armada e no caminho da vitória sobre o nazi-fascismo.

Caros Cidadãos da Rússia,
Caros veteranos,

Camaradas soldados e marinheiros, sargentos, homens do mar e cabos, camaradas oficiais, generais e almirantes!

Felicito-vos pelo Dia da Vitória. Um feriado, cuja grandeza foi conquistada pelo nosso povo com o seu feito impar de libertar a nossa Pátria e a sua contribuição heroica e decisiva para a derrota do nazismo.

A vitória triunfante sobre essa força totalitária terrível ficará para sempre na história da humanidade como um triunfo supremo da vida e da razão sobre a morte e a barbárie.

É nosso dever lembrar que a vitória foi conseguida à custa de sacrifícios irreparáveis, que a guerra ceifou milhões de vidas. Foi possível essa tragédia monstruosa, primeiro devido à conivência da ideologia criminosa da superioridade racial e depois à falta de união entre as nações dirigentes do mundo. Isso permitiu aos nazis arrogarem-se o direito de decidir do destino de outros povos, de lançar a guerra mais cruel e mais sangrenta, para subjugar quase todas as nações da Europa e obrigá-las a servir os seus fins desprezíveis.

A União Soviética enfrentou os piores ataques dos nazis.

Mas não houve, não há nem haverá força que derrote o nosso povo.

Eles lutaram bravamente, a defender a pátria, e conseguiram o que parecia impossível mudando o rumo da roda de sangue da Segunda Guerra e empurraram o inimigo de volta à terra dele, já que se atreveu a invadir a nossa Pátria e esmagaram o nazismo e acabaram com as suas atrocidades.

E nós nunca esqueceremos que foram os nossos pais, avós e bisavós que conquistaram a liberdade da Europa e a paz há muito desejada.
A Grande Vitória foi ganha por oficiais e homens comuns, voluntários e trabalhadores da frente, militantes, e guerrilheiros, velhos e crianças. Pessoas de todas as etnias e ofícios. Todos passaram pelos horrores indescritíveis da Segunda Guerra com coragem e paciência infinitas.

Sem dormir ou descansar, trabalhavam nas fábricas e nos hospitais, queimavam nos tanques e gelavam nas trincheiras, afogavam-se na travessia dos rios, serviam de escudo aos companheiros de armas. Corriam para os ataques sabendo que podia ser a sua última luta. Morreram sem saber da Vitória embora fizessem tudo para consegui-la.

Hoje, inclinamos as nossas cabeças para reverenciar a memória daqueles que não voltaram da guerra, em memória dos filhos, filhas, pais, mães, avós e bisavós, maridos, mulheres, irmãs, camaradas soldados, membros de família e amigos. Sentimos o luto pelos veteranos que já partiram.
Peço um minuto de silêncio.

(Um minuto de silêncio)

Caros Amigos

Celebramos o Dia da Vitória com cada família do nosso vasto território. Nenhuma família escapou à guerra. E começamos por honrar os nossos veteranos. Fazemo-lo sem reter as nossas lágrimas e sem palavras altissonantes. Vêm do nosso coração cheio de respeito e gratidão.

Sentimos um laço e uma proximidade tocante com a geração de heróis e vencedores, e afirmamos-lhes: Nunca se envergonharão de nós.

Um soldado russo está hoje tão pronto como sempre para qualquer sacrifício pela Mãe Pátria, pelo seu povo, com coragem e heroísmo.

Militares, soldados e oficiais estão aqui, em formações da parada na Praça Vermelha de Moscovo. O país orgulha-se de vós!

Vamos sempre defender a Rússia, como vocês os Soldados da Vitória amaram e vamos manter a tradição de patriotismo e lealdade à Pátria.

As lições da última guerra ensinam-nos a estar alerta, E a nossas Forças armadas estão prontas a combater qualquer agressão.

Hoje, a vida impõe-nos que aumentemos o nosso potencial defensivo. Mas, a consolidação da comunidade global é necessária para uma luta efectiva contra o terrorismo, o extremismo, o neonazismo e outras ameaças.

Estamos abertos a essa cooperação. A Rússia estará sempre com as forças da paz, com aqueles que optarem pela união, que rejeitam guerras que são contrárias à essência da vida e à natureza humana.

Caros Amigos,

Quanto mais os acontecimentos da Grande Guerra Patriótica se diluem na história, maior é a nossa responsabilidade para com as gerações futuras. Temos de dar-lhes estabilidade e paz no planeta. Temos de passar-lhes a grave verdade heróica e a memória da Grande Guerra Patriótica, o espírito e significado da Grande Vitória.

Temos de o fazer para que os nossos descendentes continuem a amar a Rússia, e a memória do povo não esqueça a geração que lutou altruisticamente pela sua Pátria e protegeu a sua liberdade e independência com honra.

Glória ao povo vitorioso!

Feliz dia! Feliz Dia da Vitória!

Hurra!

Tradução: Manuela Antunes / Catarina Almeida


http://www.odiario.info