Autor: “Manlio Dinucci ”

Odiario

O “Não” cidadão à reforma belicista da Constituição de Itália

Manlio Dinucci    11.Dic.16    Outros autores

As propostas anti-constitucionais de Matteo Renzi foram amplamente derrotadas e arrastaram a sua demissão de primeiro-ministro. Mas os objectivos destas reformas não eram apenas do governo. Eram de toda a classe dominante, e a suas repercussões em política interna são inseparáveis das de política externa. Contra o artigo 11º, cujo “repúdio da guerra” é violado pela integração italiana na escalada de guerra dos EUA e da NATO.

Odiario
Odiario

Como dizer “Não” às armas nucleares

Manlio Dinucci    17.Nov.16    Outros autores

A Itália é subscritora do Tratado de Não proliferação de armas nucleares. O seu actual primeiro-ministro afirmava-se comprometido com o desarmamento nuclear. Mas a Itália vota ao lado dos EUA contra uma resolução na ONU propondo negociar, em 2017, um processo vinculativo visando a eliminação total desse armamento. E não só permite que os EUA tenham armas nucleares em território italiano como aceita que as reforcem com novas bombas no quadro da escalada militar que tem a Rússia como alvo.

Odiario
Odiario

Itália, base e trampolim dos EUA em direcção a África

Manlio Dinucci    15.Oct.16    Outros autores

Existe na Itália, desde o final da II Guerra, um conjunto de importantes bases militares dos EUA. Daí vêm sendo lançadas operações da ofensiva no Médio Oriente e em África, tal como antes sucedeu em relação aos balcãs. Acompanhados pela França – cuja posição geográfica a dispensa de utilizar solo alheio – os EUA empreendem a partir daí as missões de ocupação e recolonização actualmente em curso.

Odiario
Odiario

Luz verde para a bomba

Manlio Dinucci    26.Sep.16    Outros autores

A escalada dos EUA em direcção à guerra prossegue e acelera, com a decisão de avançar com o fabrico de novas armas nucleares, boa parte das quais a instalar na Europa. Cada uma dessas bombas terá uma potência média 4 vezes superior à da que arrasou Hiroxima. Mais do que uma modernização das suas antecessoras, representam uma nova arma, que torna mais provável o início de um ataque nuclear. A principal potência imperialista pretende encurralar a humanidade inteira entre a servidão e a aniquilação.

Odiario
Odiario

NATO-Exit
Objectivo vital

Manlio Dinucci*    03.Jul.16    Outros autores

Se em Itália há preocupação com a submissão e as declarações Matteo Renzi nas provocações da NATO à Rússia, em Portugal os media encantam-se quando Marcelo Rebelo de Sousa, se põe em bicos de pés para responder que a sua participação na encenação está prevista com uma visita aos 90 militares portugueses que acompanham os 4 aviões F-16: «Em princípio está pensado, veremos quando»!
Marcelo Rebelo de Sousa terminou o curso de Direito em 1971, três anos antes de 25 de Abril. Ao contrário da quase totalidade dos jovens do seu tempo e na sua situação escolar continuou civil até ao dia, já em 2016, em que assentou praça como Comandante Supremo das Forças Armadas Portuguesas…
A viagem à Lituânia deve servir para ganhar a experiência militar que lhe falta e devia ter adquirido há mais de 40 anos.

Odiario
Odiario

TTIP: A “OTAN económica”

Manlio Dinucci*    14.May.16    Outros autores

Nesta análise, Manlio Dinucci, não limita as negociações de um hipptético TTIP a uma negociação económica. A negociação do TTIP insere-a na tentativa geoestratégica estadounidense de resistir ao declínio do seu domínio mundial.
O objetivo dos EUA, a par da atrelagem dos países da Europa com o sem União Europeia aos seus interesses e a manutenção do domínio mundial, mantendo unipolaridade dos EUA na direção mundial.

Odiario
Odiario

Petardos de fim de ano

Manlio Dinucci    06.Ene.16    Outros autores

Não é acidental a publicação agora de uma lista de alvos a atingir com bombas nucleares elaborada pelo Pentágono em 1956, que previa a destruição de cidades e outras localidades na URSS, China e Europa. Os protagonistas não são os mesmos. Mas a criminosa e demencial vontade do imperialismo norte-americano de dominar o mundo, ainda que à custa de um apocalipse nuclear, mantém-se.

Odiario