Autor: “Manuel Augusto Araújo*”

Odiario

Álvaro Cunhal no Museu do Aljube

Odiario.info publica hoje dois textos sobre dois dos mais notáveis intelectuais e revolucionários comunistas portugueses: Álvaro Cunhal e Bento de Jesus Caraça.
Ambos provaram saber que a sua integração na luta do povo e da classe operária portugueses era um processo de transformação: deles, intelectuais, e dos que com eles lutavam e integravam o Partido Comunista Português.
Álvaro Cunhal distinguiu-se como político, organizador, artista e escritor que soube colocar o seu talento, intelecto e determinação ao serviço do povo, Bento Caraça, apesar de ter morrido prematuramente aos 47 anos de idade, tinha «… uma conceção de cultura [é] alheia a todo o elitismo e [é] radicalmente democrática», tendo tido um papel determinante na criação e organização da Biblioteca Cosmos e da Universidade Popular, de que hoje, mais de 70 anos volvidos após a sua criação, ainda se sentem os efeitos.
Este texto é sobre o encontro dedicado a Álvaro Cunhal no Museu do Aljube, sob o tema Intelectuais e Artistas da Resistência.

Odiario
Odiario

Terrorismos

«Os monteiros e os tavares e outros idiotas que se julgam inteligentes e poluem os espaços mediáticos, percebem pouco do que está a acontecer e porque está a acontecer. São obtusos perante a história próxima que desagua nos cenários de guerra e terror actuais. A sua miopia nada inocente apaga a realidade para defenderem não os valores da liberdade e da civilização, mas de uma certa liberdade e de uma certa civilização que espalha a bestialidade, e dela acaba por ser tornar vitima, para garantir a sua sobrevivência ameaçada como está pela decadência. As chacinas provocadas pelos atentados terroristas desde que não aconteçam nos países ocidentais praticamente não existem, são quase naturais. Pouco lhes importa que o número de vítimas dos atentados no Médio-Oriente, em África ou na Ásia sejam mais numerosos e atinjam mais pessoas inocentes do que na Europa, exceptuando a Rússia. Que, apesar de tudo, a Europa ainda é um lugar mais seguro que os outros países.»

Odiario
Odiario

Amigalhaços…

“Claro que havia todas as razões para demitir e substituir António Lamas na direcção do CCB. Curiosamente a referida por Gabriela Canavilhas na audição parlamentar ao Ministro da Cultura é de todas a menos relevante. A participação ou a ausência da Câmara de Lisboa no projecto do Distrito Belém-Ajuda (…) é indiferente ao teor de um projecto marcadamente mercantilista (…).»
«A questão nuclear é o do centralismo implícito, no mercantilismo explícito, no total autismo em relação a uma Política Nacional do Património, participasse ou não participasse no projecto a Câmara de Lisboa.»

Odiario
Odiario

Economia e cultura na sociedade pós-moderna


«Está na ordem do dia o estreitamento das relações entre o mercado e a cultu-ra e é facilmente perceptível o afinco com que o mundo da arte persegue as deslocações da bolsa e anda atrás da moeda forte. “Em vez do antigo isola-mento das províncias e das nações, que se bastavam a si-próprias, desenvol-vem-se relações universais, uma interdependência universal das nações. E o que é verdadeiro para a produção material não o é menos para as produções do espírito. As obras intelectuais de uma nação passam a ser propriedade comum de todas elas. A estreiteza e o exclusivismo nacionais tornam-se cada vez mais impossíveis”.»

Odiario