Autor: “Miguel Urbano Rodrigues”

Odiario

Istambul, cidade mágica

Feixe de contradições, a Turquia contemporânea é simultaneamente um pais moderno e uma sociedade marcada por arcaísmos chocantes. Orhan Pamuk, distinguido com o Nobel de Literatura, confia no futuro da sua gente. Tem motivos para isso.

Odiario
Odiario

Em Paris pela última vez

Quando alguém tem uma profunda consciência histórica – como é o caso de Miguel Urbano – mesmo as reflexões mais íntimas e pessoais têm o cunho não apenas de um ser humano individual, mas o de um tempo comum. A sua história pessoal nunca foi e nunca é apenas pessoal.

Odiario
Odiario

Losurdo e a atualidade da luta de classes

Uma leitura crítica da recente edição brasileira de «Luta de Classes - Uma História Política e Filosófica» de Domenico Losurdo. Obra oportuna e actualíssima numa época de confusão ideológica promovida pela intelectualidade burguesa e por um sistema mediático ao serviço do capitalismo. A sua leitura abre espaço ao debate e à controvérsia, como é próprio da obra de um verdadeiro marxista.

Odiario
Odiario

Os povos da Ex-URSS

O desaparecimento da União Soviética foi uma tragédia para a Humanidade. Foi acelerada pela traição de Gorbatchov e pela guerra não declarada do imperialismo norte-americano, mas numerosos outros factores contribuíram para ela. Para a tentarmos entender, e também a para tentarmos entender a Rússia contemporânea é imprescindível, nomeadamente, um conhecimento mínimo da história dos povos que habitam o seu gigantesco território.

Odiario
Odiario

Ieltsin e a sua luta contra a Rússia
Memórias de um contra-revolucionário

Ieltsin foi ao mesmo tempo um actor e uma consequência do processo de degeneração da URSS. As suas “memórias” dão o retrato de um período em que os elementos dessa enorme tragédia se misturam com a acção de personagens moral e pessoalmente abjectos, aspecto em que, evidentemente, se destaca.

Odiario
Odiario

De Eduard Bernstein ao novo reformismo - Revisionismo

A história do movimento operário e do movimento comunista é riquíssima em ensinamentos. Tendo, como sempre teve, que procurar soluções novas para uma sociedade nova em quadros de extrema complexidade e perante uma relação de forças em regra muito desigual, seria talvez inevitável que fossem muitos os erros cometidos, muitas as opções que, em vez de reforçar o movimento, o enfraqueceram e conduziram a derrotas. E é com os erros que mais há a aprender. Evitar repeti-los é evitar repetir derrotas.

Odiario
Odiario

Orhan Pamuk: Na fronteira da genialidade

Os livros de Orhan Pamuk estão hoje traduzidos em 60 línguas. Adversário de sucessivos governos ditatoriais ou de fachada democrática, nunca foi perseguido pelo poder. Os generais e os políticos temiam hostilizar um escritor cujas obras eram sempre best-seller na Turquia e no mundo.

Odiario