Israel deporta os estrangeiros que viajavam no navio Marienne da Frota da Liberdade

PCB    02.Ago.15    Outros autores

Israel começou a «expulsar» os estrangeiros que viajavam no navio Marienne que foi assaltado pela marinha israelense quando tentava romper o bloqueio de Gaza. Os outros três barcos foram levados a portos gregos.

As autoridades israelenses deportaram o ex-presidente tunisiano Moncef Marzouki e a eurodeputada galega Ana Miranda após serem detidos no navio, com o qual tinham a intenção de romper o bloqueio israelense sobre Gaza junto a outras 16 pessoas. «As outras 14 pessoas estão sendo expulsas», afirmou um porta-voz da Autoridade de Imigração israelense.

A marinha israelense assaltou o navio Marienne antes de escoltá-lo até o porto israelense de Ashdod, ao norte da região palestina, enquanto os outros três navios da Frota da Liberdade III foram distribuídos por portos gregos.

Um total de 16 estrangeiros e dois israelenses estava a bordo do Marianne. Os dois israelenses eram o parlamentar Bassel Ghattas e um jornalista. Os dois foram postos em liberdade, porém Ghattas terá que enfrentar um comité parlamentar e está «sujeito a sanções».

No entanto, Ghattas se mostrava desejoso de continuar lutando para acabar com o bloqueio. «A Frota da Liberdade III cumpriu com seu objectivo principal, atrair a atenção nacional e internacional sobre a crise humanitária em Gaza, que é o resultado do assédio imposto por Israel». Também incentivou «activistas de todo o mundo a somarem-se frota após frota, até que se suspenda o bloqueio».

Deportada de Israel a espanhola Ana Miranda, que chegou a bordo da Frota da Liberdade

O membro do Parlamento europeu (actualmente sem registro de deputada) Ana Miranda foi deportada nesta madrugada de Israel, chegando a bordo de um dos barcos da Frota da Liberdade III que tentou sem sucesso romper o bloqueio à Faixa de Gaza.

Fontes diplomáticas espanholas em Tel Aviv confirmaram à Efe a deportação e assinalaram que Miranda, em atenção a sua condição (é política do BNG que ocupou um cenário europeu dividido por turnos com outros partidos), foi uma das primeiras transferidas ao aeroporto de Ben Gurión para sua deportação.

A Embaixada da Espanha em Tel Aviv acompanhou o caso muito de perto e pode falar com Miranda durante sua detenção e antes de ser expulsa.
A espanhola chegou à noite no porto israelense de Ashdod depois do barco em que viajava, o Marienne, ter sido abordado um dia antes em água internacionais por comandos da Marinha israelense para impedi-lo de chegar a Gaza.

Segundo uma das organizações promotoras da iniciativa, Rumo a Gaza, a embarcação tentava transportar à Faixa de Gaza painéis solares e medicamentos, além de fazer um ato de denúncia ao bloqueio imposto por Israel há oito anos e apoiado pelo Egipto, que impede entrar ou sair do território governado pelo grupo islâmico Hamas e destruiu sua economia.

Miranda, que viajava junto a outras 18 pessoas, aceitou a repatriação imediata. Os que não a fizerem podem permanecer em Israel mais tempo, enquanto seu caso é apresentado ante um juiz.

A política espanhola partiu de madrugada para Madrid, onde se esperava que chegasse esta manhã.

Fonte: http://www.resumenlatinoamericano.org/2015/06/30/israel-deporta-a-los-extranjeros-que-viajaban-en-el-buque-marienne-de-la-flotilla-de-la-libertad/
Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)