:: Colaboradores

Odiario

O confronto petrolífero e as novas rotas mundiais

Rui Namorado Rosa    08.Jun.17

A tensão e conflito que se verifica no sector petrolífero só pode estar a acontecer porque os recursos de combustíveis fósseis são finitos e progressivamente menos acessíveis dos pontos de vista técnico e económico. Veja-se o declínio de grandes reservatórios e de províncias petrolíferas inteiras, e a crescente dependência da produção de recursos não convencionais. Um confronto entre estados grandes consumidores e grandes produtores, mediado através das petrolíferas. Que desaires pode este confronto comercial desencadear? Onde, quando? A evolução dessa disputa e seus desenlaces vão redesenhando as rotas comerciais da energia no futuro.

Odiario
Odiario

Sobre o 1º de Maio, dia internacional dos trabalhadores

Júlio C. Gambina*    31.May.17

Uma reflexão sobre a situação dos trabalhadores, da sua organização e dos seus objectivos de luta que, estando particularmente centrada sobre a América Latina e sobre a Argentina em especial, coloca questões que são de carácter mais geral. Não tanto no que diz respeito aos trabalhadores, cujo movimento e organização apresenta traços muito diferenciados, mas no que diz respeito ao capitalismo, que em todo o lado e do mesmo modo explora, empobrece, e desorganiza os trabalhadores e polui e devasta o ambiente e a natureza.

Odiario
Odiario

Tchinguiz Aitmatov e «O Lugar da Caveira»

Miguel Urbano Rodrigues    30.May.17

Publicamos hoje dois textos que Miguel Urbano enviara há menos de uma semana. São notas de leitura de obras de André Gide e de Chinguiz Aitmatov. Como em tudo o que escrevia, essas notas são um pretexto para ir mais longe. Uma das mais notáveis qualidades que possuía, e que o distinguia como marxista, era a profunda compreensão do carácter histórico das coisas humanas. E de descortinar em todas elas o movimento da história.

Odiario
Odiario

A sinfonia pastoral de Gide

Miguel Urbano Rodrigues    30.May.17

Publicamos hoje dois textos que Miguel Urbano enviara há menos de uma semana. São notas de leitura de obras de André Gide e de Chinguiz Aitmatov. Como em tudo o que escrevia, essas notas são um pretexto para ir mais longe. Uma das mais notáveis qualidades que possuía, e que o distinguia como marxista, era a profunda compreensão do carácter histórico das coisas humanas. E de descortinar em todas elas o movimento da história.

Odiario
Odiario

Orphan Pamuk e as duas Turquias

Miguel Urbano Rodrigues    26.May.17

O primeiro livro de Orhan Pamuk, escrito aos 30 anos, é simultaneamente uma etapa na aprendizagem do ofício de escrever, uma ambiciosa reflexão sobre o povo turco, objecto e sujeito de mudanças revolucionárias, e uma meditação sobre a aventura humana. Anuncia o grande escritor que veio a ser, o mais universal dos escritores turcos.

Odiario
Odiario

Aumenta a pirataria nos mares africanos

Carlos Lopes Pereira    16.May.17

A pirataria está a aumentar no Golfo da Guiné, no Atlântico, e no Corno de África, no Índico, em regiões flageladas por guerras e fomes. A ironia é que hoje sejam os EUA, a grande potência imperialista, quem pretende «ajudar» os africanos na luta contra a pirataria. A mesma potência que, sobretudo desde a II Guerra Mundial, é responsável pelos maiores actos de pirataria em África e em todo o mundo.

Odiario
Odiario

De Alexei Tolstoi a Zamiatin

Miguel Urbano Rodrigues    15.May.17

Da leitura decepcionada de um livro de Alexei Tolstoi à descoberta de um notável escritor de ficção científica: Evgeni Zamiatin. Um autor desconhecido entre nós cuja obra há muito merece tradução portuguesa.

Odiario