Artículos de: Agosto, 2009

Odiario

O Financiamento dos Talibãs Afegãos
Quem está a financiar os inimigos da América? Nem queiram saber

Jean MacKenzie*    26.Ago.09    Outros autores

Jean MacKenzie
Como se não bastasse os crescentes desaires dos EUA e das forças da NATO na guerra do Afeganistão, descobrem agora que são eles os principais financiadores das forças que os estão a derrotar. E quanto mais investirem mais financiam o inimigo…

Odiario
Odiario
Nota dos Editores

Derrota de Obama nas eleições Afegãs

Os Editores    25.Ago.09    Editores
Odiario
Odiario

Observatório Internacional da crise
Golpe Militar nas Honduras: Também é contra Obama?

Povo Hondurenho manifesta-se massivamente contra o golpe de estado
Apesar das cândidas declarações do presidente Obama, está hoje muito clara a participação dos EUA no golpe de Estado das Honduras. A não ser assim, então a participação dos EUA na preparação e apoio aos golpistas e ao governo de facto das Honduras prefiguraria um golpe de Estado no coração do império, onde Obama cumpriria o papel do inocente útil.

Odiario
Odiario

Morrer como bichos

Correia da Fonseca*    24.Ago.09    Colaboradores

Correia da Fonseca “…Para a televisão portuguesa (e não só para ela, é certo), os Estados Unidos são uma espécie de Meca envolta num hálito de sacralidade. É de lá que vem a quase totalidade da ficção importada e que a TV nos fornece para nossa edificação. É lá que têm origem directa ou indirecta as grandessíssimas verdades que diariamente nos permitem ter uma certa ideia do que vai pelo mundo. Na verdade, quase se poderia dizer, recorrendo a uma expressão popular, que o que a televisão nos diz acerca dos Estados Unidos é uma escritura. Ainda assim, e para evitar exageros, diga-se apenas que as telenotícias acerca dos States estão acima de qualquer suspeita.

Odiario
Odiario

As Eleições Afegãs:
Farsa num País ocupado

Eleições no Afeganistão ocupado sob vigilância das armas do Exército Invasor da NatoAs eleições afegãs foram uma farsa.
Mais de 300.000 soldados e polícias (100.000 estrangeiros) foram mobilizados para garantir aquilo a que chamaram umas «eleições limpas e democráticas». O objectivo era legitimar a ocupação do país através do voto. Mas não foi atingido. Segundo a Comissão Eleitoral, a participação terá sido 40 a 50%. Mas de acordo com as crónicas dos correspondentes de grandes jornais europeus a fraude foi gigantesca. A inscrição das mulheres nos cadernos eleitorais foi feita sem a sua presença, pelos maridos. Cartões de eleitor falsos foram vendidos pelo equivalente a 10 euros no mercado negro. Hamid Karzai, o presidente, recebeu uns 800.000 votos fictícios.
O Palácio presidencial foi bombardeado na véspera das eleições e centenas de secções de voto não foram sequer instaladas.
Os dois principais candidatos apressaram-se a proclamar vitória por maioria absoluta o que dispensaria uma segunda volta. Mas os resultados oficiais somente serão anunciados em meados de Setembro. Irá a Casa Branca a decidir quem será o vencedor destas eleições fraudulentas?

Odiario
Odiario

A NATO prepara golpe

Rui Paz    22.Ago.09    Colaboradores

Rui Paz
“À medida que se aproxima a cimeira de Lisboa da NATO, os círculos do grande capital procuram preparar a opinião pública para aceitar o reforço do papel de polícia mundial daquela aliança militar. (…) Mas se o artigo 1.° da Carta da ONU diz que o primeiro objectivo das Nações Unidas é «manter a paz e a segurança internacionais» porque pretende a NATO arrebatar-lhe tais funções, aceites e aprovadas pelos 192 estados membros da ONU”?

Odiario
Odiario

As pedras de Tegucigalpa
Honduras: a revolução nacional-libertadora tardia

Ivan Pinheiro*    21.Ago.09    Outros autores

Ivan PinheiroNeste texto, Ivan Pinheiro, um revolucionário, não só analisa as manobras para a legitimação do golpe, como testemunha a resistência desarmada do povo hondurenho.
“O golpe em Honduras é parte do plano imperialista para tentar travar a ALBA e os processos de mudanças sociais na América Latina. Honduras fica entre a Nicarágua e El Salvador, vizinhos hoje governados por antigos movimentos guerrilheiros de libertação nacional, agora em versão moderada, que se desmilitarizaram nos anos 90: a Frente Sandinista e a Frente Farabundo Marti”.

Odiario