Artículos de: Enero, 2010

Odiario

Contribuições para a reflexão - O capitalismo e a Natureza

Miguel Tiago*    25.Ene.10    Outros autores

Miguel Tiago“Abordar as «alterações climáticas» deve (…) ser uma tarefa de capital importância desde que desvendemos desde já as «armadilhas ideológicas» que estão montadas na tese catastrofista e da sua origem antropogénica.
A encruzilhada em que a Humanidade se encontra é a que resulta das limitações históricas do capitalismo e que serão apenas solucionadas pelo poder criativo dos homens e das mulheres, superando a forma de organização social, económica e política do capitalismo e capitalizando todos os meios já hoje disponíveis e os que mais possamos desenvolver no caminho da luta para substituir o capitalismo pelo socialismo, rumo ao comunismo”.

Odiario
Odiario

Terramoto e ocupação

Jorge Cadima*    24.Ene.10    Outros autores

Jorge Cadima
Neste bem informado artigo, Jorge Cadima diz-nos que “É cada vez mais evidente a opção dos EUA por uma solução militar de largo espectro para a profundíssima crise em que estão atolados. Do Afeganistão e Paquistão, do Iémen à América Latina, quem conseguir descobrir diferenças entre Obama e Bush que avise”.

Odiario
Odiario

Dívida externa da Argentina:
Enfrentar a Direita

Claudio Katz
Nem sempre o que parece é, como se vê na recente crise politica na Argentina em que parece haver um conflito entre a oposição de direita e o governo, a propósito da reserva de divisas para pagamento de parte da dívida externa e da chamada independência do Banco Central. “A actual disputa é basicamente política, não há divergências importantes na gestão financeira nem choques irredutíveis nos aspectos económicos”, pois nem sempre o que parece é.

Odiario
Odiario

Regresso da China
Entrevista com um Jovem Chinês

Jean Salem*    22.Ene.10    Colaboradores

Jean SalemNesta entrevista com um jovem chinês, o nosso amigo e colaborador Jean Salem, no regresso de uma visita a Xangai, chama a atenção para o renovado interesse pelo marxismo na Europa Ocidental.
“Constatamos por toda a Europa, tanto na velha Europa como em todo o mundo, uma extraordinária retoma de interesse pelo pensamento marxista ou “radical” no sentido anglo-saxónico. Em Londres, em Março de 2009, realizou-se uma conferência sobre as ideias comunistas, uma conferência paga, e houve uma assistência de mais de 10 000 pessoas, a fim de escutar intervenções de Zizek, de Alain Badiou, de Jacques Rancière… Pois é, Marx interessa a muita gente”.

Odiario
Odiario
Nota dos Editores

Haiti: Porque falham os «Estados falhados»

Os Editores    21.Ene.10    Editores
Odiario
Odiario

EUA fracassam no Haiti

Patrick Cockburn*    20.Ene.10    Outros autores

Patrick Cockburn

A história dos últimos 100 anos do Haiti é a crónica de uma ocupação norte-americana, declarada ou por interpostas pessoas. O chamado «estado falhado» é a consequência de os EUA nunca terem permitido a construção de um aparelho estatal haitiano.
“É triste ouvir jornalistas que acorreram ao Haiti no seguimento do tremor de terra darem explicações tão enganosas e mesmo racistas sobre porque são os haitianos tão pobres e vivem em bairros de lata com serviços sanitários mínimos, pouco fornecimento de electricidade, água potável insuficiente e ruas que se parecem com regatos”.

Odiario
Odiario

Haiti:
Anatomia de uma maldição

Aurelio Alonso*    20.Ene.10    Outros autores

Haiti, distribuição da ajuda...“E o mundo do capital transnacional o que é que vai dar? Quanto vão dar Carlos Slim, William Gates, Warren Buffet, Georges Soros, Álvaro Novoa, Lawrence Elliot e outros abastados personagens? Há que dirigir o esforço aos que beneficiaram das injecções formais de dinheiro que Wall Street e a City, os que receberam para enfrentar a crise financeira. Não basta o esforço da Caritas Internacional, de outras instituições de beneficência e dos países amigos latino-americanos, todos periféricos, para ajudar o povo haitiano a enfrentar uma catástrofe de tal magnitude.
E a sala oval, onde agora se senta um afro-americano – como gostam de dizer para fazer crer que a discriminação foi superada – que podia compensar toda a discriminação que o Estado da União impôs à primeira república latina a tornar-se independente na América, só pelo facto deter sido forjada por escravos negros e mulatos que decidiram não continuar oprimidos pelos colonos franceses”.

Odiario