ODiario.info

Imprimir

Declaração Pública

Prisioneiros :: 06.06.08

Prisioneiros de guerra e Presos políticos do cárcere de máxima segurança de Cómbita – Boyacá
Publicamos hoje uma declaração dos prisioneiros de guerra e presos políticos do regime do narcotraficante Álvaro Uribe Velez na Penitenciária de Cómbita-Boyacá, na Colômbia.

Os prisioneiros de Guerra e Presos Políticos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – FARC-EP – reclusos na Penitenciária de alta segurança de Cómbita-Boyacá, tornam pública a seguinte declaração:

1. O Governo do presidente Álvaro Uribe Velez é ilegítimo, pois a votação que o levou ao poder provém da parapolítica e dos dinheiros do narcotráfico.

2. O Congresso Nacional NÃO é idóneo para continuar os seus trabalhos: mais de sessenta parlamentares uribistas investigados pertencem à coligação urubista, incluindo a presidente do Senado, Nancy Patrícia Gutierrez.

3. Rejeitamos o Decreto 1.509, decreto regulamentar da mal chamada Lei de Justiça e Paz – e/ou o da impunidade, que convida à desmobilização dentre dos cárceres.
Convencidos que a nossa unidade de comando é o nosso Estado-Maior e o seu Secretariado, NÃO recebemos ordens nem orientações de um Estado tirano e inimigo do nosso povo, NÃO estamos dispostos a negociar princípios; Declaramos ao Presidente, à Comunidade Internacional e ao Povo que a única forma real é a troca de prisioneiros.

4. A partir desta data declaramo-nos e permaneceremos em desobediência civil pacífica denunciando como denúncia do dito anteriormente

5. Apelamos à mobilização do Povo e à luta encaminhada para que seja feita justiça às pessoas acusados de ligações com o fenómeno da parapolítica, que não é outra coisa que o terrorismo de Estado.

6. NÃO trairemos o nosso compromisso com o Povo. Desde a prisão do regime manifestamos a nossa indeclinável vontade de continuar a resistência pela conquista de uma paz justa, digna, duradoira e com justiça social para todas e todos os colombianos.

Comandante Manuel Marulanda Vélez: Presente, Presente, Presente, porque morrer pelo Povo é viver para sempre!

Por uma Colômbia engrandecida, Pelo Socialismo

Prisioneiros de guerra e Presos políticos do cárcere de máxima segurança de Cómbita – Boyacá

Maio de 2008

Tradução de José Paulo Gascão


https://www.odiario.info