A comercialização da violência nos EUA

Alberto Piris    22.Jul.20    Outros autores

A sociedade dos EUA é há muito fortemente militarizada. O papel central assumido pelo complexo militar-industrial ajuda a compreender esse fenómeno: a guerra e a violência armada são componentes nucleares do imperialismo EUA. O que vem surgindo com maior nitidez nos últimos tempos é que a grande burguesia EUA, que vem privatizando parte dos instrumentos da violência de Estado, tem montado um dispositivo de guerra contra o seu próprio povo.

O assassínio de um cidadão negro por um polícia desencadeou uma onda de protestos nos Estados Unidos que pôs em destaque uma doença mais profunda que aflige a sociedade daquele país. Alguns chamam-lhe “a comercialização da violência”.

Esse fenómeno surge, pelo menos, sob três aspectos evidentes: 1) a privatização das guerras; 2) a militarização da polícia; e 3) o negócio do sistema prisional.

A história das guerras dos EUA após os ataques terroristas de 11 de Setembro acusa uma transformação notável. O Pentágono “externaliza” progressivamente a execução da guerra nas mãos de empresas privadas de segurança que proliferaram desde então. Estas, e as empresas que subcontratam, consomem agora mais da metade do orçamento nacional da Defesa. É uma forma de esconder da população o custo humano e financeiro das novas guerras.

É por isso que, em 2019, destacavam no Médio Oriente mais de 53.000 efectivos dessas empresas, contratadas por empresas norte-americanas, enquanto o Pentágono lá tinha apenas cerca de 35.000 “soldados próprios”. Além disso, desde que em 2001 se iniciou a intervenção militar na zona, morreram no Médio Oriente cerca de 8.000 combatentes privados, mais 1.000 que o número total de baixas militares. Combatentes que em grande parte nem sequer eram cidadãos dos EUA, o que permitia “afastar” a guerra das preocupações domésticas e evitar protestos públicos como os que ocorreram durante a Guerra do Vietnam.

Todo o anteriormente referido diz respeito à violência estatal bélica, ou seja a que está englobada no âmbito da Defesa nacional. Mas não é a única violência a tomar em conta. O chamado “Programa 1033″ do Pentágono vem facilitando desde 1997 o fornecimento de equipamento militar “excedente” às várias forças policiais. Isto levou a uma militarização real da polícia, não apenas com armamento de guerra e equipamento militar, mas também nas formas de actuar e, o que é mais perigoso, na mentalidade. Isto multiplicou-se desde que Trump chegou ao poder, atingindo um máximo em 2019.

Forças policiais equipadas com armas de guerra acabam inevitavelmente adoptando a “cultura do guerreiro” e a considerar inimiga a população que deveriam proteger. Isto é também considerado natural para um povo que, em grande parte, nasceu imerso no culto das armas de fogo. Paradoxalmente, a morte de George Floyd ocorreu ante as câmaras não pelo uso de armas de guerra mas pelo primitivo procedimento policial de esmagar-lhe o pescoço com um joelho.

Quem ou quais beneficiam com tudo o anteriormente dito? A resposta é clara: o complexo militar-industrial, que fornece tudo, desde os drones que vigiam a fronteira com o México até aos veículos blindados que dispersam manifestantes pacíficos que protestam contra a violência racial da polícia, como acaba de acontecer.

O terceiro ramo desta comercialização de violência é ocupado pelo sistema penitenciário. Cerca de US $ 120.000 milhões anuais custa manter encerrados na prisão uns dois milhões de cidadãos norte-americanos, a maior população de reclusos de todo o mundo. Grande parte deles está confinada em prisões privadas, um negócio seguro que cresce ao longo do tempo, porque a taxa de encarceramento nacional cresceu 700% desde 1972, principalmente devido sobretudo à guerra contra o narcotráfico.

A reinserção social dos delinquentes passa assim a último plano e o sistema penitenciário preocupa-se em gerar benefícios económicos. O negócio das prisões é talvez a máxima expressão do capitalismo selvagem que continua a crescer.

Numerosas manifestações populares nos EUA têm nestes dias exibido o cartaz Defund the Police! (Não mais fundos para a polícia!), porque para aqueles que o sistema deixa de lado os fundos destinados a apoiar a violência policial deveriam ser aplicados em serviços sociais e nas instituições destinadas a proteger os mais fracos. Da mesma forma que investir mais em diplomacia, ajuda económica e intercâmbios culturais internacionais serviria melhor que a guerra os interesses generalizados de toda a humanidade, tanto nestes tempos de pandemia sanitária como para enfrentar os problemas que a crise climática em breve trará consigo. Avizinham-se novos modos de vida e haverá que estar dispostos a enfrentá-los.

Fonte: https://www.elviejotopo.com/topoexpress/la-comercializacion-de-la-violencia-en-ee-uu/

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos