A “Cruzada das crianças” de Greta aponta à privatização da natureza

Nazanín Armanian    09.Dic.19    Outros autores

Enquanto prossegue a grande movimentação (e encenação) “ambientalista” global cujo rosto mais visível é uma criança, importa observar que entidades e interesses a impulsionam, que objectivos procura atingir, e também a razão de procurar centrar-se na mobilização de adolescentes e crianças, a “Geração Z”. Duas coisas estão claras: não há um único problema global que não tenha no capitalismo um factor fundamental de agravamento, e não é nos termos do capitalismo que algum desses problemas terá solução.

Diz-se que, na Europa medieval, um garoto de 10 anos chamado Nicholas se apresentou como enviado de Deus, recrutando dezenas de milhares de crianças para conquistar a Palestina, a Terra Santa. Obviamente, nenhum lá chegou: morreram de fome, doença ou foram traficados pelos adultos. Os “jihadistas” também recrutam crianças, não apenas como sua carne para canhão ou para limpar campos minados antes que os adultos os cruzem, mas também para envergonhar homens que se recusam a ir matar outros.

Hoje, na era da globalização, uma tropa universal de menores, dirigida por Greta, a adolescente de rosto angelical, com o seu tom de pregador e com a segurança que dá ser apoiada por uma força sobrenatural que deixa mudos os poderosos dirigentes adultos do mundo, transmite-nos a mensagem sagrada do IPCC, o pseudónimo da nova divindade chamada Grupo Intergovernamental de Peritos em Mudanças Climáticas. O Fim do Mundo já tem data: será dentro de 11 anos (e alguns meses) se a humanidade incrédula não segue as suas instruções.

Na missão da nova super-heroína, cuja carreira meteórica a converteu na rival do próprio Trump para receber o Prémio Nobel da Paz (prémio que é um investimento em alguém para que desempenhe um papel no futuro; Donald já é passado), destacam-se duas questões: 1) o fenômeno da “Geração Z”, e 2) os interesses que ela ou Jamie Margolin, sua colega norte-americana, representam.

A Geração Z

Ser jovem, rico e bonito é uma virtude na sociedade capitalista. Na mente de Greta, “os mais velhos”, que são parte do problema do aquecimento global, não podem oferecer soluções. Mas como é que umas crianças que não terminaram a escola e que não são investigadores de nada se atrevem a dar lições ao mundo adulto e menosprezar o conhecimento e a sabedoria (que apenas se alcança com o passar dos anos) de milhões de peritos na luta de classes, do feminismo, da sociologia da pobreza ou do complexo funcionamento do poder? Se ela tivesse ouvido algo sobre a primeira cientista que falou do “efeito de estufa”, a feminista e mais velha Eunice Foote (1819-1888, EUA), por exemplo, teria feito um discurso algo humilde, além de coerente e lógico.

As “crianças digitais” ou a “Geração Z”, nome dado nos EUA aos nascidos entre 1995 e 2000, e cuja característica é o uso da tecnologia e da Internet, converteram-se em actores sociais por: serem 40% dos consumidores nas potências mundiais e 10% no resto do mundo, estando no centro das políticas de mercado das empresas; b) serem uma geração programada não para pensar mas para consumir e “seguir” alguém, e c) pela influência que exercem sobre os gastos da família, devido ao seu conhecimento digital, que também lhes confere um status de poder.

Ela equivoca-se ao afirmar que a alteração climática é o principal problema da humanidade: é apenas uma das consequências de um sistema económico-político chamado capitalismo que hoje e agora transformou num inferno a vida de metade dos habitantes da Terra, que sofrem de pobreza, morrem nas guerras de rapina ou nas minas de diamantes e coltán! As sondagens nos EUA mentem quando indicam que a alteração climática é já a principal preocupação dos cidadãos: que um país onde 45 milhões de pessoas vivem no limiar da pobreza, sofrem um profundo racismo contra a população não branca e uma violência social que é única entre os países ocidentais, onde meio milhão das suas mulheres são vítimas de agressão sexual e seqüestro, perdem o sono devido ao degelo do Ártico? A sério?

Condenar o consumismo sem o situar no lugar e no tempo é populismo: um norte-americano médio gasta quase 2.000 vezes mais água do que um residente no Senegal.

Thunberg censura aos políticos que a poluição “lhe roubou a infância”, não sabemos como, mas seu movimento elitista não fala das centenas de milhões de crianças a quem a infância é roubada ao serem exploradas nas oficinas escuras e húmidas, receber em troca apenas um prato de comida por dia; por serem vítima das guerras de rapina e suas consequências mais brutais; serem traficados pela mega indústria da pornografia num capitalismo que transforma tudo, incluindo os fetos e as crianças, numa mercadoria.

As “soluções” da pequena Greta

“Nós já temos todos os factos e soluções - afirma a jovem - e tudo o que temos que fazer é despertar e mudar”.

Os defensores de Greta podem desmontar os argumentos da direita negacionista, mas não são capazes de responder às questões do ecologismo progressista.

As crianças como ela desconhecem que o capitalismo depende do crescimento, e este é alcançado através da redução de despesas, de explorar cada vez mais os seres humanos e a natureza e da destruição de ambos, aumentando os lucros. Tão pouco sabem que a acumulação de capital é o núcleo do sistema que pretendem reformar e que as empresas privadas para crescer e até para existir devem arredar e/ou devorar os seus concorrentes gastando cada vez mais os recursos públicos. Um sistema que feminilizou a pobreza ou que força milhões de pessoas a fugir das suas terras, porque umas empresas ou Estados querem roubar os seus recursos, gera graves desequilíbrios ambientais. É impossível salvar a Terra sem reduzir a pobreza e lutar contra a desigualdade, sem o empoderamento das mulheres, a protecção dos direitos dos animais ou sem impedir que o Sul Global se converta na lixeira tecnológica dos ricos caprichosos, aqueles jovens que trocam de telemóvel como de camisa, sem se interrogar de onde vem a bateria e para onde vai o aparelho que ainda não está obsoleto.

Obviamente, nenhum movimento desta magnitude chamado “Novo Poder” é espontâneo, nem há nada de novo neste outro perigoso movimento de massas.

Quem beneficia?

• Ao “imperialismo climático“: a “Quarta revolução industrial” do complexo industrial procura um New Deal Verde. E procura-o através do Instituto de Governança de Recursos Naturais, que pretende sacar 100.000 milhões de dólares dos cofres públicos de todos os países do mundo para salvar o capitalismo, tingindo-o de verde. E tem muita pressa, daí a “emergência”: pressiona para desregular o sector, obter autorização para explorar ainda mais os recursos naturais e a maior financeirização-privatização da natureza alguma vez realizada, e assim poder atrair investidores com fins especulativos E estão a apropriar-se de mais terras arborizadas e da água de todos os continentes, produzindo biomassa para energia, destruindo as selvas e a biodiversidade daqueles espaços. Ganhariam com o endividamento dos países pobres, que se verão forçados a comprar biotecnologia verde (viaturas eléctricos, turbinas eólicas, etc.).

• A indústria nuclear: Greta deseja “alinhar a Suécia com o Acordo de Paris”, quando este acordo atribui à energia nuclear o papel de “mitigar a alteração climática” e assim reduzir “em grande escala o CO2”.

• O Instituto Global de Captura e Armazenamento de Carbono (IGCAC), que promove a biotecnologia para lançar “emissões negativas”, operação para a qual consumirá uma enorme quantidade de combustível fóssil. Tem preparados cerca de 3.800 projectos que permitirão à indústria do petróleo, por exemplo, continuar a espalhar carbono pela atmosfera. A energia fóssil é tão lucrativa para os seus empresários que, para a obter, mataram milhões de pessoas, destruíram a vida animal, devastaram florestas, contaminaram águas. Segundo o ambientalista Ernest McKibben “Um barril de petróleo, actualmente de uns 70 dólares, fornece energia equivalente a cerca de 23.000 horas de trabalho humano”. A justiça climática é incompatível com um capitalismo que se baseia na vontade de lucrar e a qualquer preço.

• As mega-fundações de aparência filantrópica, corporações que controlavam os negócios de energia e políticos hipócritas. O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, um entusiasta da jovem sueca, cujo governo comprou com dinheiro público o gasoduto Trans Mountain por 45.000 milhões de dólares, os governos europeus que continuam vendendo ilegalmente armas aos países em guerra, o Google que continua a investir nas empresas que negam a alteração climática, ou a indústria dos combustíveis fósseis, que dedica apenas 1% de seus investimentos à energia baixa em carbono, mas deposita US $ 50 milhares de milhões em novos projectos de exploração de petróleo e gás. O objectivo da MacArthur Fundation (2010) é, por exemplo, “acelerar a transição para a economia circular”. Além de doar dez milhões de dólares a Climate Nexus, é quem dirigiu, juntamente com outros lobbies do capitalismo verde (Avaaz, 350.org, Extinction Rebellion, etc.) a Popular Climate March de 21 de Setembro de 2014. Outras empresas como Ikea, promotora do “compre, deite fora e volte a comprar”, que converteu as suas lojas em local de passeio familiar, ou Avaaz, a rede que visa mudar mentes e corações em todo o mundo, ou a Johnson & Johnson - que teve de pagar mil milhões de dólares a vinte e duas mulheres pelo cancro dos ovários que os seus produtos causaram, ganham dinheiro e prestígio.

• A “ONGenização” da militância política dos jovens, neutralizando os movimentos ambientalistas autênticos e substituindo a consciência de classe por um “assunto cinzento de massas” alheio à causa comum da humanidade.

• O complexo militar-industrial, graças à omissão deste movimento que apaga o factor guerra das Marchas Verdes, nem menciona as cerca de 18.000 bombas nucleares que ameaçam a vida no planeta, nem o facto de Donald Trump depois de romper os dois históricos acordos nucleares com Irão e Rússia, não apenas ter sugerido ao Pentágono que aumentasse em até dez vezes o arsenal nuclear, mas ter também sugerido o uso destas bombas contra Irão e Afeganistão.

Essas pessoas pretendem mudar tudo, para que tudo continue na mesma: Malala Yousafzai, a garota paquistanesa, ganhou o Prémio Nobel da Paz em 2014, depois ser atingida por vários disparos dos Taliban (grupo anticomunista armado pela CIA) quando tinha quatorze anos de idade por defender a alfabetização das meninas em seu país, o Paquistão. Hoje, o seu país continua sendo um dos piores do mundo nessa área.

Como se salva o planeta, realmente?

Quando Marx chamou “ruptura metabólica” à desconexão entre a humanidade e o resto da natureza gerada pela produção capitalista, e a “ruptura irreparável no processo interdependente do metabolismo social”, estava a apontar que a destruição da natureza é inerente ao capitalismo
Apenas um sistema de produção apontado a satisfazer as necessidades humanas, sempre em conexão com os direitos do resto da natureza e não com os lucros de uns poucos, pode impedir o apocalipse. E isso consegue-se com a propriedade pública sobre a terra, a indústria, os grandes bancos, corporações e serviços, e um controlo democrático sobre o poder que, em vez de promover viaturas eléctricas privadas proporcione, por exemplo, o transporte público gratuito, o uso da energia solar e eólica, entre outras medidas.

A justiça climática ou é anticapitalista ou não é justiça.

Fonte: https://blogs.publico.es/puntoyseguido/6142/la-cruzada-de-ninos-de-greta-dirigida-a-la-privatizacion-de-la-naturaleza/

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos