A quinta esfera da guerra

Valentín Katasonov    07.Nov.20    Outros autores

Há muito que os EUA (e seus aliados, com destaque para a Grã-Bretanha) clamam contra os “ataques cibernéticos russos”. A verdade é que são os EUA quem conduz uma activa guerra cibernética, cujos principais alvos têm sido o Irão e a Rússia. O espantalho da «interferência russa» foi particularmente agitado a propósito das eleições presidenciais de 2016 nos EUA (e também a propósito do “Brexit”). Seja qual for o resultado das eleições presidenciais de agora, o que é de esperar é uma forte intensificação dos ciberataques EUA contra a Rússia.

Os ciberataques norte-americanos contra a Rússia podem expandir-se dramaticamente neste outono.
Os Estados Unidos vêm travando uma guerra cibernética contra a Rússia há pelo menos dez anos. Como diz Richard A. Clarke, conselheiro de segurança da administração presidencial dos EUA durante o governo Bush Jr., disse em Cyber War (HarperCollins, 2010): “A guerra cibernética são as acções de um Estado nacional para se infiltrar nos computadores ou redes de outro estado nacional, a fim de atingir o objectivo de causar danos ou destruição”.
Há dez anos, a revista britânica The Economist chamou ao ciberespaço “a quinta esfera da guerra, depois da terra, do mar, do ar e do espaço exterior” [ ]. Pode presumir-se que uma guerra cibernética em larga escala contra a Rússia começou em 2009, quando foi criado o Comando Cibernético dos Estados Unidos (USCYBERCOM). Desde o início, a Rússia encontrou-se na shortlist de países-alvo das operações planeadas pelo US Cyber Command.
A guerra cibernética tem duas áreas principais: 1) a inteligência cibernética (espionagem cibernética); 2) os ataques cibernéticos.
A espionagem cibernética contra a Rússia foi realizada ainda antes da criação do Comando Cibernético dos EUA através da NSA, da CIA, da inteligência militar e de outros serviços especiais. Tudo isto foi bem descrito por Edward Snowden. Mas os ciberataques começaram a ocorrer desde o início desta década; a sua frequência e escala aumentam a cada ano. As principais áreas de operações activas no quadro da ciberguerra são: 1) destruição e danos às informações electrónicas do inimigo; 2) propaganda: colocação de materiais de propaganda no espaço de informações do inimigo; 3) bloqueio de serviços (interrupção do funcionamento de sites ou sistemas informáticos); 4) interferência no funcionamento dos equipamentos, seu desligamento ou avaria (ataques aos computadores que servem ao funcionamento dos referidos equipamentos).
Podem ocorrer danos em grande escala como resultado de ataques a computadores que sustentam a vida das cidades, a sua infraestrutura (sistemas de comunicação, sistemas de abastecimento de água, redes eléctricas, brigadas de bombeiros, transporte urbano, etc.). Existe a possibilidade de bloquear o funcionamento de grandes empresas industriais, instituições bancárias, empresas de transporte, centrais eléctricas, etc. Finalmente, o objecto dos ataques cibernéticos podem ser sistemas de governo, forças armadas, sistemas de armas complexas. Em 2010, deixaram claro ao mundo que os Estados Unidos podiam bloquear a operação de instalações estrategicamente importantes com a ajuda de “armas digitais”. Em seguida, os serviços de inteligência dos Estados Unidos, juntamente com os serviços de inteligência israelitas, conseguiram infligir graves danos às centrifugadoras de uma instalação nuclear iraniana Natanz usando o vírus informático Stuxnet.
Durante muito tempo, Washington ocultou cuidadosamente o facto da guerra cibernética contra a Rússia. As actividades do Comando Cibernético dos Estados Unidos e as organizações sob seu comando que realizam operações de guerra cibernética foram classificadas de maneira confiável. Ao mesmo tempo, mesmo durante a gestão do presidente Barack Obama, Washington acusou Moscovo de travar uma guerra cibernética contra os Estados Unidos. Quaisquer ataques de hackers levado a cabo nos Estados Unidos contra agências governamentais, bancos, instalações de infraestrutura, etc., foram quase sempre qualificados por Washington como “intrigas de Moscovo”. Dizem que os ataques são realizados por pessoas por trás das quais está o Kremlin e que trabalham sob as ordens do Kremlin.
Sob o presidente Obama, recorreu-se a operações cibernéticas activas contra a Rússia e outros países, mas com cautela. A inteligência cibernética prevaleceu. Os ataques cibernéticos continuavam a ser raros, temiam o “efeito bumerangue”. Por exemplo, no governo de Obama, funcionários do Departamento do Tesouro dos EUA propuseram abster-se de ataques cibernéticos contra bancos estrangeiros, acreditando que tais acções poderiam minar o sistema financeiro global.
As acusações de que Moscovo está a travar uma guerra cibernética contra os Estados Unidos aumentaram drasticamente desde a chegada de Donald Trump à Casa Branca. Moscovo foi acusada de interferir nas eleições presidenciais de 2016 com a ajuda de “tecnologias digitais”. Dizem que houve uma influência activa de Moscovo no conteúdo da Internet e nas redes sociais a favor de Trump e contra os democratas.
O Comité de Inteligência do Senado dos EUA publicou este ano um quinto de um relatório secreto de investigação sobre a “interferência russa nas eleições de 2016″ (relatório de 6 de Janeiro de 2017). Aqui está um trecho desse evento: «O governo russo, numa atitude agressiva e multidimensional, influenciou ou tentou influenciar o resultado das eleições, e o presidente russo Vladimir Putin liderou pessoalmente esforços para piratear redes informáticas e contas associadas com o Partido Democrata dos Estados Unidos». Pessoalmente!
Passaram quatro anos desde essa campanha eleitoral, mas nenhuma evidência concreta da interferência cibernética de Moscovo no processo eleitoral dos EUA foi apresentada. Em Março de 2020, um tribunal dos Estados Unidos encerrou o processo contra a empresa russa Concord Management and Consulting, que era suspeita de “interferir” nas eleições norte-americanas. Houve também outras tentativas de processo legal contra pessoas físicas e jurídicas russas, mas todas terminaram em fiasco. Além disso, tem havido casos de perjúrio contra essas pessoas por alguns cidadãos dos EUA. O advogado especial Robert Mueller, que investigava o suposto conluio entre a Rússia e a equipa de Trump, foi forçado a demitir-se.
Mas não há dúvida de que Washington está a travar uma guerra cibernética contra a Rússia. O reconhecimento desse facto saiu da boca do Presidente dos Estados Unidos. Donald Trump, durante uma entrevista com o colunista do Washington Post Mark Thyssen na Sala Oval em Julho de 2020, admitiu que em 2018 autorizou um ataque cibernético encoberto contra a Agência de Investigação da Internet da Rússia, com sede em São Petersburgo. [ ] Alguns meios de comunicação norte-americanos chamaram-lhe uma “fábrica de trolls”.
E quantas dessas operações houve contra a Rússia! Ficamos a saber que algumas delas são obra dos serviços de inteligência dos EUA de ex-funcionários do governo dos EUA. O New York Times (NYT) publicou em Junho de 2019 um artigo sobre um aumento no número de ciberataques norte-americanos contra as redes eléctricas russas. Nestes artigos, os especialistas referiram-se a fontes não identificadas entre ex-funcionários do governo que forneceram esta informação relevante durante a entrevista [ ]. Observou-se que as redes eléctricas russas foram durante a primavera de 2019 alvo de ataques cibernéticos massivos por parte dos Estados Unidos. O objectivo dos ataques era injectar códigos maliciosos no sistema cibernético que puderam paralisar o funcionamento das redes eléctricas. A fuga de informação sobre esta operação especial enfureceu Trump.
Em Setembro de 2018, John Bolton, então conselheiro de segurança nacional de Donald Trump, anunciou que o presidente havia expandido as capacidades das agências de inteligência e dos militares para conduzir operações ofensivas no ciberespaço. Os detalhes apareceram dois anos depois. O Yahoo News publicou revelações de ex-funcionários da administração Trump sobre um decreto presidencial dos EUA de dois anos antes. O decreto de 2018 foi classificado [ ]; deu à CIA maiores poderes e ferramentas para realizar ataques cibernéticos. Este decreto liberou a CIA da necessidade de justificar a escolha do alvo do ataque (estruturas empresariais, media, ONG’s) mediante uma conexão com um estado “hostil”. Um dos ex-funcionários da administração presidencial dos Estados Unidos disse, sob condição de anonimato: «Anteriormente, era necessário durante anos recolher evidências (em dezenas de páginas) de que esta organização em particular está directamente relacionada com as autoridades envolvidas. Agora, se puder demonstrar-se de forma aproximada que está a agir no interesse do governo em questão, pode receber luz verde».
Além disso, um decreto secreto de 2018 concedeu à CIA autoridade adicional para conduzir operações activas destinadas a desactivar as instalações económicas e de infraestrutura. Por fim, a CIA recebeu carta branca para o uso mais amplo de uma ferramenta de guerra cibernética como a publicação de evidências comprometedoras sobre pessoas e entidades legais que estão na lista negra de Washington. O que, claro, requer uma inteligência cibernética mais activa em relação a essas pessoas.
Segundo Yahoo News, a CIA, que recebeu poderes adicionais, conduziu mais de uma dezena de operações activas nos últimos dois anos. É mencionado um ataque cibernético a três bancos iranianos supostamente ligados ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica. Isso acabou com o facto de os dados pessoais de milhões de depositantes dessas instituições de crédito terem chegado à Internet. Também foi mencionada a empresa russa SyTech, cujo servidor foi pirateado em Julho de 2019. Os atacantes conseguiram acesso a 7,5 TB de informação. Os documentos da empresa foram postados na rede, de onde decorre que era contratada do FSB e outros serviços especiais russos. Os piratas informáticos norte-americanos da CIA enviaram informação sobre vinte projectos não públicos da SyTech para os principais meios de comunicação. Os piratas informáticos de Tsereushnye compartilharam as informações obtidas com o grupo Digital Revolution, que um ano antes pirateou o servidor do Instituto de Pesquisa “Kvant”, que estava sob o controle do FSB.
Em Outubro de 2019, o secretário do Conselho de Segurança da Federação Russa, Nikolai Patrushev, informou que haviam sido realizados vários milhões de ataques cibernéticos na rede de organismos estaduais em vários distritos federais da Rússia. Quase todos eles foram rechaçados com sucesso. Acrescentou que os serviços de inteligência dos EUA e estrangeiros estão à procura de “pontos fracos” na infraestrutura de informações da Rússia para subsequentes ataques cibernéticos em grande escala. Portanto, a tarefa de manter e fortalecer a segurança das informações e digital da Rússia é cada vez mais urgente.
No final do ano passado, os media dos Estados Unidos informaram que a CIA e outros serviços especiais, sob a liderança geral do Comando Cibernético dos Estados Unidos, estavam a desenvolver tácticas para as eleições presidenciais de 2020 nos Estados Unidos (a serem realizadas em 3 de Novembro) Em particular, estão a considerar um cenário em que Moscovo interfere nessas eleições e em que Washington retorquirá com uma série de respostas cibernéticas a Moscovo. Se, em véspera das eleições, os serviços especiais sentirem o “incentivo” de Moscou, começarão a filtrar informações confidenciais sobre cidadãos russos suspeitos de interferência no espaço de informação (a liderança do FSB, o Ministério da Defesa, outros departamentos e possivelmente alguns oligarcas; com excepção do Presidente da Federação Russa).
Os especialistas assinalam que em 2016 o Conselho de Segurança Nacional dos EUA desenvolveu tácticas para uma guerra de informação com a Rússia durante a campanha presidencial e as próprias eleições, mas as reacções cibernéticas de Washington foram extremamente lentas. Desta vez, a CIA e outras agências de inteligência dos EUA prometem que as respostas a Moscovo serão duras. Como aponta o Washington Post em 18 de Dezembro do ano passado, as medidas desenvolvidas pelo Comando Cibernético dos Estados Unidos para as actuais eleições são tão diferentes das propostas em 2016 “como o dia e a noite”.
Não há dúvida de que, seja qual for o resultado das eleições nos Estados Unidos, Moscovo será acusado de “interferência” e é provável que se siga uma série de graves ataques cibernéticos contra a Rússia. Portanto, temos que nos preparar.
PS: Já foram realizadas as primeiras acções no âmbito das tácticas desenvolvidas pelo Cyber-Comando dos Estados Unidos. Em Agosto de 2020, o Departamento de Estado dos EUA começou a enviar mensagens SMS aos russos sobre uma recompensa de US $ 10 milhões por dados sobre a interferência nas eleições americanas. As apresentações fazem parte do programa Rewards for Justice. Em 5 de Agosto de 2020, o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, anunciou o início deste programa [ ].

https://www.economist.com/leaders/2010/07/01/cyberwar?story_id=16481504&source=features_box1
https://www.washingtonpost.com/people/marc-a-thiessen/
https://www.bbc.com/news/technology-48675203
https://news.yahoo.com/secret-trump-order-gives-cia-more-powers-to-launch-cyberattacks-090015219.html
https://www.buzzfeednews.com/article/christopherm51/state-department-reward-russia-election-interference-spam

Fonte: http://www.mientrastanto.org/boletin-195/de-otras-fuentes/la-quinta-esfera-de-la-guerra

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos