As faces do sandinismo - Entrevista com Ernesto Cardenal

Carta Maior    25.Ene.07    Colaboradores

Ernesto Cardenal
“… A única maneira de poder entender os dogmas cristãos é por meio da Teologia da Libertação e também por meio do marxismo, porque muito dela também está influenciada pelo marxismo e eu me considero um cristão marxista, que acredita em alguns dogmas cristãos e também na doutrina de Marx.”

ENTREVISTA - ERNESTO CARDENAL

Ernesto Cardenal, que completa 82 anos no próximo dia 20, intitula-se cristão, marxista, poeta e militante. Desde moço, combateu as ditaduras da família Somoza. Após o fracasso da insurreição de 1954, deixou a Nicarágua para dedicar-se à vida monástica. Tornou-se sacerdote em Manágua, no ano de 1965 e, na década de 70, adotou a linha da Teologia da Libertação. Julgou, em 1976, em Roma, os crimes contra os Direitos Humanos na América Latina. Fundou a Comunidade de Solentiname, na qual se fomentou a criação de cooperativas e diversos espaços culturais. Com o triunfo da revolução de 1979, foi nomeado Ministro da Cultura.

Signatário de vultoso currículo acadêmico nas áreas de filosofia, letras e teologia, que inclui passagens por universidades no México, Nova Iorque, Columbia, Madri e Roma, Cardenal é, além de notório poeta, prosador e escultor.

Carta Maior – Por que o senhor envolveu-se na luta armada contra Somoza?

Ernesto Cardenal - Não me envolvi diretamente na luta armada, envolvi-me na revolução, apoiando-a. Fiz como todo povo da Nicarágua fez. Foi a única maneira de sair da ditadura de quase 50 anos dos Somozas. Não permitiam nenhuma outra oposição, nenhuma outra luta cívica. Todo povo da Nicarágua apoiou esta luta e eu também apoiei.

CM – Como nasceu a sua ligação com a Teologia da Libertação?

EC – Eu tenho sido um discípulo da Teologia da Libertação. Não sou teólogo, mas eu posso dizer que sou um poeta da Teologia da Libertação. Ela influenciou definitivamente as minhas poesias. Além disso, para mim, a única maneira de poder entender os dogmas cristãos é por meio da Teologia da Libertação e também por meio do marxismo, porque muito dela também está influenciada pelo marxismo e eu me considero um cristão marxista, que acredita em alguns dogmas cristãos e também na doutrina de Marx.

CM – Por que a Igreja Católica fez aquela crítica que acusava de perigosa a Teologia da Libertação e por que suspenderam o senhor em 1985?

EC – Não é a Igreja. O Papa Pio XII que era conservador e um reacionário, dizia que a Igreja não se envolve em política. O Papa, os bispos e os cardeias condenaram a Teologia da Libertação, isso porque são inimigos de toda libertação, ou seja, de toda revolução. Teologia da Libertação quer dizer teologia da revolução. Quando o Papa João Paulo II veio de viagem de avião à Nicaragua, (em 1983) os jornalistas lhe perguntaram sobre a Teologia da Libertação e ele respondeu que já não era mais um perigo porque o comunismo estava morto. Mas o bispo do Brasil, Monsenhor Casaldaliga, contestou lá do Brasil, dizendo que “enquanto no mundo houver pobres continuará existindo a Teologia da Libertação”?

CM – O senhor foi, em 1976, enviado pela FSLN a Roma para julgar as violações aos direitos humanos na América Latina. Quais foram as violações equal resultado deste julgamento?

EC – São muito conhecidas todas as violações que praticaram os somozistas: as torturas, os assassínios, as prisões por muitos anos, crianças degoladas, prisioneiros que denunciaram, por exemplo, que alguns eram levados em helicópteros e jogados lá de cima. Todos esses tipos de coisas, violações a mulheres, crianças e idosos. Todos os tipos de tortura. Já se sabe o que fizeram as ditaduras militares como a da Nicarágua, como a do Uruguai, como a do Chile, como a da Argentina, talvez um pouco pior a da Nicaragua. Foi isso que eu fui denunciar em Roma no Tribunal em que estavam julgando as ditaduras militares na América Latina, inclusive a da Nicarágua.

CM – O processo democrático na América Latina é recente. Por quê? O senhor acredita que os países no continente são realmente democráticos?

EC – Certa democracia sim. Uma democracia, digamos, eleitoral é o que tem ocorrido, a democracia verdadeira não, execeto nos países que tem revolução, como Cuba, como teve a Nicarágua e agora não tem mais. Como a que tem a Venezuela e que, agora, começa a ter a Bolívia.

CM – O que é Utopia para o senhor?

EC – Para alguns, Utopia é algo irrealizável. Para mim é realizável. O que dizem os evangélicos sobre Utopia, poderíamos contestá-los dizendo que simplesmentes eles próprios não acreditam no Evangelho. Porque Cristo veio anunciar o Reino de Deus, o reino do Céu na Terra, ou seja, um reino de justiça, de paz, fraternidade e de amor. O mesmo que o comunismo perfeito de Marx. E se isso é “Utopia”, irrealizável, então não acredito no Evangelho. O que pedimos ao nosso Pai: “que venha a nós o vosso reino”. Creio que virá.

CM – Qual foi a importância do início de um novo processo social na Nicarágua com a criação da Comuna de Solentiname?

EC – Não teve muita importância, Solentiname foi uma pequena experiência modesta, sempre disseram que foi importante, mas para mim foi algo modesto. Simplesmente o que se podia fazer naqueles tempos de ditadura na Nicarágua, e ali foi um espaço bom para os campesinos e também para todos que iam nos visitar e conhecer nosso lugar. Posso dizer que foi um exemplo de algo que foi feito na Revolução e que se poderia fazer depois dela também.

CM – Ernesto Cardenal acredita que Daniel Ortega é de esquerda?

EC – Falsamente de esquerda. Tem traído a esquerda, tem traído os princípios da Revolução, tem traído o sandinismo, tem traído o Sandino e o povo da Nicarágua. Há um sandinismo verdadeiro que está contra o sandinismo oficial imposto pelo partido de Daniel Ortega, este que ganhou a eleição. Eu pertenço ao outro sandinismo, aqule que mantém os princípios e os ideais da Revolução.

CM – O que necessita a esquerda nicaraguense hoje?

EC – O mesmo de que necessitou antes: de sermos honestos, de realizarmos o poder com o povo… porque o partido que se chama sandinista, e que na realidade não é, é constituído por aqueles que roubaram muito e hoje são milionários. Estes não podem mais construir a Revolução.

São Paulo, 12 de Janeiro de 2007

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos