Como o FBI e a CIA vigiaram Mandela*

Carlos Lopes Pereira    09.Ago.18    Colaboradores

Documentos finalmente – e dificilmente – tornados públicos mostram que o FBI «investigou agressivamente o movimento anti-apartheid sul-africano» como uma conspiração comunista «ameaçando a segurança norte-americana». A CIA deu informações ao regime do apartheid que ajudaram à prisão de Mandela e, juntamente com o FBI, continuou a vigiá-lo mesmo depois da sua libertação.

Considerando Nelson Mandela «uma potencial ameaça comunista», os serviços secretos dos Estados Unidos continuaram a vigiá-lo mesmo depois da sua libertação, em 1990, após 28 anos nas cadeias do apartheid.

O nome do líder do ANC e primeiro presidente sul-africano eleito democraticamente manteve-se até 2008 numa lista de «vigilância de terroristas» utilizada pelas forças policiais estado-unidenses.

Estes dados são confirmados por centenas de documentos dos serviços secretos dos EUA revelados por ocasião do 100.º aniversário do nascimento de Mandela.

Os papéis foram obtidos e disponibilizados ao público pelo grupo Property of the People, baseado em Washington, depois de anos de litigância com a justiça norte-americana. Mostram que o FBI, tal como aconteceu nos anos 50 e 60 em relação ao líder afro-americano Martin Luther King e ao movimento de direitos civis nos EUA, «investigou agressivamente o movimento anti-apartheid sul-africano» como uma conspiração comunista «ameaçando a segurança norte-americana».

Segundo o presidente do grupo, Ryan Shapiro, os documentos indicam que o FBI continuou a investigar o que considerava ser a «ameaça comunista» de Mandela e do movimento anti-apartheid mesmo depois de Washington ter imposto sanções económicas contra o regime racista de Pretória e depois da saída da prisão do homem que viria a ser, de 1994 a 1999, presidente da República da África do Sul.

De acordo com a Property of the People, os documentos disponibilizados on-line, a maior parte dos quais até agora inacessíveis ao público, incluem informações das mais importantes agências de serviços secretos estado-unidenses, incluindo o FBI, a CIA e a NSA.

Já em 2013, o New York Times tinha revelado que a colaboração da CIA com a polícia política sul-africana tinha sido «decisiva» para localizar e prender Mandela, em Agosto de 1962, quando se encontrava na clandestinidade.

Cartas da prisão

Também uma obra publicada no centenário de Mandela dá a conhecer aspectos menos conhecidos da vida do líder sul-africano.

O livro As cartas de prisão de Nelson Mandela, de Sahm Venter, revela que Eduardo Mondlane, fundador em 1962 da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), e outros futuros dirigentes de movimentos anti-colonialistas da África Austral, tiveram contactos com Mandela, entre 1945 e o início da década de 50.

Numa carta escrita da prisão de Robben Island, datada de 1 de Dezembro de 1970, dirigida a Sanna Tysie, proprietário do café-restaurante Blue Lagoon, em Joanesburgo, Mandela conta que ali se reunia, após a II Guerra Mundial, com outros jovens patriotas africanos de diferentes países.

Além do moçambicano Eduardo Mondlane, assassinado pelo colonialismo em 1969, participaram nesses encontros Seretse Khama, que seria o primeiro presidente do Botswana, Oliver Tambo, que foi presidente do ANC, e Joshua Nkomo, fundador e líder da União Popular Africana do Zimbabwe (ZAPU).

O autor da obra agora editada reuniu 225 cartas escritas por Nelson Mandela das quatro prisões onde esteve encarcerado pelo regime do apartheid entre 5 de Agosto de 1962 e 11 de Fevereiro de 1990.

Numa entrevista à agência Lusa, Sahm Venter destaca que os encontros clandestinos entre Mandela e Mondlane, uma década antes da fundação da FRELIMO, apontam para uma forte ligação entre os dois combatentes da liberdade.

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº 2331, 2.08.2018

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos