Comunicado das FARC-EP

FARC-EP    29.Feb.08    Outros autores


Publicamos hoje o comunicado do Estado-Maior Central das FARC-EP, de 28 de Fevereiro, onde anunciam a libertação unilateral de 4 congressistas que detinham como prisioneiros de guerra.

Comunicado das FARC-EP

1. A Libertação dos ex congressistas Luis Eladio Pérez, Gloria Polanco, Orlando Beltrán e Jorge Eduardo Gechen Turbay é uma vitória da persistência humanitária e da sincera preocupação pela paz na Colômbia do Presidente Hugo Chávez e da senadora Piedad Córdoba.

2. Esta libertação é a mais profunda manifestação de que pode mais o humanismo que a intransigência. Agora deve seguir-se a desmilitarização dos municípios de Pradera e Florida por 45 dias, com as forças guerrilheiras e a comunidade internacional como garantes, para, nesse espaço, acordar com o governo a libertação dos guerrilheiros e dos prisioneiros de guerra em poder das FARC.

3. A libertação pelas FARC destes quatro congressistas faz-se no meio de uma gigantesca operação bélica que, desprezando a vida dos prisioneiros, tenta o seu resgate a ferro e fogo. Nestas circunstâncias, um desenlace fatal será da responsabilidade do governo da Colômbia.

4. A nossa vontade para chegar a um acordo de intercâmbio com o governo esta patenteada na libertação unilateral que fizemos de 304 militares e polícias capturados em combate, de Clara Rojas e Consuelo de Perdomo, dos quatro congressistas e dos polícias de Putumayo, entre outros. Em contraste, o governo da Colômbia, exceptuando a libertação de Rodrigo Granda, não fez mais do que manipular a opinião com a libertação de supostos guerrilheiros, encabeçados pelos mesmos dois ou três agentes da inteligência, a que sempre recorre como curingas desavergonhados, de acordo com as circunstâncias.

5. Queremos agradecer ao Presidente Hugo Chávez os seus desvelos pela troca de prisioneiros de guerra e pela paz na Colômbia. A sua gestão e a da senadora Piedad Córdoba devem ser valorizadas pelos familiares dos prisioneiros de guerra e por todos. A sua valorosa posição de considerar as FARC como força beligerante está no caminho certo, porque remove o que era inamovível e dinamiza a procura de uma solução política ao longo conflito social e armado que vive a Colômbia. A essa imensa maioria que marchou, não contra as FARC mas contra a violência, pelo intercâmbio humanitário e pela paz, o nosso reconhecimento e a exortação a que prossigam com os seus esforços para a concretização de tão justa causa.

Secretariado do Estado-Maior Central das FARC
Montanhas da Colômbia, 27 Fevereiro de 2008

Tradução de José Paulo Gascão

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos