Contributo das lutas de libertação Africanas para a revolução de Abril em Portugal

John Catalinotto*    03.May.16    Outros autores

O jornal operário norte-americano Worker’s World publicou, no passado dia 25 de Abril, o texto que hoje reproduzimos.
Trata-se de uma interessante e brevíssima síntese da Revolução de Abril, onde corretamente se aponta a interpenetração das lutas do povo português e dos povos das então colónias portuguesas, que se saldaram pela independência política das colónias e a derrota do fascismo em Portugal.

Era Abril de 1974. Uma canção popular serviu de sinal secreto aos chefes do Movimento das Forças Armadas de Portugal (MFA), tocada na Rádio Renascença de Lisboa. Unidades do exército dentro e perto de Lisboa tinham sido industriadas para sair para ações comuns. Agora tudo mudava.

Estimulados pelo crescente cansaço de guerra das suas tropas, a fraqueza crescente do regime de estado policial, a incapacidade de Portugal para ganhar a guerra contra os movimentos de libertação nas suas colónias africanas e o crescente isolamento internacional de Portugal, os capitães agiram.

Eles mantiveram os seus planos em segredo aos soldados. Com as tropas já nos carros, eles dão as novas ordens: ocupar a capital, prender o governo e expulsar o bando fascista que governava Portugal. Os soldados, surpresos, mas extasiados, realizaram os novos pedidos, esperando que esta ação pudesse acabar com as guerras nas colónias africanas de Portugal.

Cada golpe desferido pelos combatentes da libertação na África havia enfraquecido o regime fascista em Lisboa. Cada greve dos trabalhadores ou deserção de soldados portugueses impulsionou as revoluções nas colónias.

Uma revolta nas forças armadas facilitou o derrubar do regime. Em 25 de Abril de 1974, o Movimento das Forças Armadas rapidamente acabou com 48 anos de Estado policial fascista. Apesar de ainda estarem influenciados por velhos hábitos de respeito pelo poder, os capitães portugueses, educadamente, prenderam o Presidente Marcelo Caetano e o resto dos principais líderes do governo e mais tarde exilaram-nos para o Brasil.

Substituíram a quadrilha de Caetano por uma Junta Militar liderada pelo General António de Spínola. Este oficial diferia de outros generais fascistas, apenas porque acreditava que não era possível vencer a guerra colonial. Spínola exortou os governantes de Portugal a trabalhar para uma relação neocolonial com as colónias africanas, tal como o imperialismo francês tinha feito na África Ocidental.

Apesar deste início enganosamente suave, o 25 de Abril não foi uma simples substituição da guarda do palácio. Encorajados pelo golpe, massas de trabalhadores tomaram as ruas, aplaudiram os soldados e durante os 18 meses seguintes pressionaram o avanço da revolução.

Noticiários da televisão nos dias seguintes ao 25 de Abril mostravam grupos de trabalhadores em movimentações e até á caça de alguns indivíduos. Trabalhadores e revolucionários reconheciam os seus ex-torturadores da PIDE, a polícia política portuguesa, e administravam justiça.

Desafiando as ordens de Spínola para deixar os presos nas prisões, as multidões, com o apoio das tropas, esvaziaram as prisões de revolucionários e antifascistas, colocando ao mesmo tempo os bandidos da PIDE atrás das grades. No dia 1º de Maio - seis dias depois - centenas de membros do Partido Comunista Português e outros grupos revolucionários estavam fora da prisão ou a voltar do exílio para organizar e agitar nas fábricas, nos campos e ruas de Portugal.

O movimento de libertação africano

As lutas armadas em Moçambique, Guiné-Bissau / Cabo Verde e Angola, em busca de libertação do colonialismo português minaram o exército e tornaram possível a revolução de 25 de Abril. As batalhas africanas tinham começado em 4 de Fevereiro de 1961, quando combatentes da liberdade de Angola invadiram uma prisão para libertar os seus companheiros. Como o Movimento Popular para a Libertação de Angola canta no seu hino, “Os heróis quebraram as correntes.”

Um dos grandes marxistas africanos, Amílcar Cabral, foi o líder da luta de libertação na Guiné-Bissau/Cabo Verde, a menor colónia africana de Portugal. Cabral organizou um exército popular para lutar pela liberdade de um milhão de pessoas; numa dúzia de anos de guerra popular, este exército tinha libertado grande parte deste pequeno território e estabelecido um novo governo.

Apesar de outras prioridades, Cabral sabia o quanto era importante organizar uma guerra popular para atingir os soldados do exército colonial. A sua organização, o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde [PAIGC), mesmo lutando de armas na mão contra os Portugueses, também fez um apelo aos recrutas. Num folheto de 1963, Cabral deixou claro que as forças de libertação iriam ganhar e aqueles que se opunham à libertação poderiam muito bem morrer, mas acrescentou:
«Tende a coragem, recusem-se a lutar contra o nosso povo! Sigam o exemplo dos vossos corajosos companheiros que se recusaram a lutar na nossa terra, que se rebelaram contra as ordens criminosas de seus líderes, que colaboram com o nosso partido ou que abandonaram o exército colonial e encontraram no nosso seio a melhor receção e ajuda fraterna» [1]

Num golpe que roubou aos povos, aos trabalhadores e aos oprimidos do mundo um grande líder, agentes da PIDE assassinaram Cabral em Conakry, Guiné, em 1973. Mas mesmo este revés não conseguiu parar a luta de libertação. Desde a pequena Guiné-Bissau/Cabo Verde, até ás muito maiores Angola e Moçambique, as lutas de libertação deixaram a sua marca no exército de Portugal. E o Movimento das Forças Armadas trouxe os militares portugueses para casa.

Aumenta a resistência dos soldados

Num relatório ao Comité Central do PCP em Abril de 1964, o Secretário-Geral Álvaro Cunhal descreveu como a guerra de libertação dos povos coloniais interagiu com a luta contra o fascismo dentro Portugal:
“A resistência dos soldados contra a guerra colonial não é apenas um dos exemplos mais brilhantes de solidariedade do povo português com os povos coloniais. É também um novo elemento na luta contra a ditadura fascista, um indicador do estado debilitado do aparelho de Estado fascista, da radicalização da política das massas populares e da disposição da juventude para o combate.

“A guerra de Angola deu novas razões para o desenvolvimento e generalização da luta dos soldados. Dada a disciplina fascista e a espionagem política que existia nas forças armadas, mesmo que apenas uma meia dúzia de ações de massas tivesse lugar contra as políticas fascistas, isso teria sido o suficiente para representar um forte sinal de resistência do povo e dos jovens contra as políticas fascistas e a guerra colonial. Mas não foi apenas uma meia dúzia. Nos últimos três anos [antes de 1964], ocorreram centenas de lutas dos soldados.

“Houve também resistência a serem enviados para as colónias, incluindo paralisações nos quartéis, em navios e hospitais militares. As deserções atingiram um volume significativo.

“Por vezes, as insubordinações foram acompanhados por pequenos atos de violência. Os soldados queimaram camas e quebraram janelas nos seus quartéis ou destruíram a móveis.

“A luta do povo português contra a guerra colonial atingiu as próprias colónias. Arriscando as suas vidas, muitos soldados recusaram-se a ir para a frente ou a participar de atrocidades. Os pilotos recusaram-se a realizar bombardeios com napalm ou fizeram-no fora do alvo. Oficiais e soldados organizavam a resistência. Outros desertavam no campo de batalha “.

A longa guerra forçou o pequeno Portugal a triplicar o tamanho de suas forças armadas para 210.000 militares e, finalmente originou o Movimento das Forças Armadas que virou as armas para o lado contrário. Isto, por sua vez desencadeou uma luta de classes nacional dos trabalhadores contra os seus exploradores dentro Portugal.

A contra-revolução apodera-se da revolução

Durante um ano a seguir a Abril de 1974, tiveram lugar dois grandes confrontos entre os trabalhadores revolucionários e o grupo de Spínola, o primeiro em Setembro de 1974, quando massas de trabalhadores mobilizados para travar uma demonstração reacionária e a outra em Março seguinte. Ambas tomaram a forma de defesa da revolução contra as ações contrarrevolucionárias.

Em 11 de março de 1975, Spínola, em conjunto com as forças reacionárias dentro e fora de Portugal, tentou um golpe militar. Mas, novamente, houve uma rebelião das tropas. O golpe fracassou quando os paraquedistas enviados para punir os soldados revolucionários, em vez disso se juntaram a eles e confraternizaram.

Spínola fugiu de Portugal para Espanha. O MFA foi purgado dos oficiais mais reacionários. Os maiores avanços para os trabalhadores foram escritos em lei nos meses após este golpe falhado.

Além mar, os movimentos de libertação continuaram as suas lutas. Em 15 de Setembro de 1974, a Guiné-Bissau e Cabo Verde tornaram-se independentes. No ano seguinte, Angola e Moçambique obtiveram a sua independência de Portugal. Mesmo Timor-Leste, metade de uma ilha no Oceano Índico, ganhou uma independência de curta duração em Novembro de 1975, pois logo foi ocupada pela Indonésia.

Em Portugal, houve o restabelecimento de direitos de sindicatos e nacionalização de fábricas, bancos e grande parte da Comunicação Social, além de uma reforma agrária de grande alcance, que deu direitos legais para ocupações de terras por trabalhadores rurais e criou unidades coletivas agrícolas. Iniciadas por ações de trabalhadores e outros coletivos, quase todas essas etapas foram consagradas sob os governos liderados pelo primeiro-ministro Vasco Gonçalves, ele próprio um coronel e líder do MFA. Gonçalves foi promovido a general em 1975.

Confrontados com a reação interna e a intervenção dos EUA-NATO, o Movimento Português ficou aquém de completar a revolução dos trabalhadores, tal como tinha acontecido na Rússia em 1917. No Outono de 1975, um agrupamento mais à direita de oficiais tomou o controlo do MFA, e elementos progressistas foram removidos do governo. Os direitistas começaram a minar as conquistas revolucionárias, um processo que continua até hoje, quando a classe trabalhadora Portuguesa enfrenta uma nova crise.

A comparação com a resistência GI

Apesar das diferenças com a situação política nos Estados Unidos, a experiência de organização nas forças armadas durante a guerra colonial dos revolucionários portugueses tinha muitas semelhanças com a da União do Recrutas Americanos e entre os soldados dissidentes em geral, durante a guerra do Vietname.

De forma análoga à experiência Portuguesa, os combatentes da libertação vietnamitas provocaram sentimentos revolucionários entre alguns soldados dos EUA, assim como no Movimento de Libertação Negra no país. A resistência das tropas norte-americanas durante a Guerra do Vietname entre 1966-1973 espelhara-se nas primeiras formas de resistência entre as tropas portuguesas durante as guerras coloniais, como Cunhal descreve.

Também os comunistas portugueses na década de 1960 e início de 1970, tiveram uma abordagem consciente de aproximação para com os soldados, com o objetivo de ganhar as tropas para a luta revolucionária, tanto para sabotar a guerra colonial como para derrubar a ditadura fascista.

Nos EUA, o objetivo do Worker’s World Party, partilhado pelos principais organizadores ASU, foi para quebrar a cadeia de comando das Forças Armadas dos EUA para que os EUA não pudessem pagar nem salários da guerra imperialista no estrangeiro, nem reprimir lutas ou rebeliões dos trabalhadores em comunidades oprimidas em casa.

Em 1969, alguns generais dos EUA pediram para elevar o número das militares de 540.000 para um milhão. Em vez disso, a administração decidiu começar a retirar as tropas, contando com o poder aéreo e a construção de um exército fantoche. Esta estratégia não poderia impedir uma vitória vietnamita, mas fez diminuir as tensões dentro dos militares dos EUA. Os governantes de Lisboa, ao tentar vencer as guerras na África, com tropas portuguesas, pelo contrário, provocaram a Revolução de Abril.

Nota:
[1] Citação de “Obras Completas de Amílcar Cabral (Vol. II) / Unidade e luta. Prática/Revolucionária,” Seara Nova, Lisboa, 1977. Esta citação e a de Cunhal, de “Rumo à Vitória”, páginas 191-193, serão reproduzidas de forma mais pormenorizada no próximo livro de Catalinotto, “Vire as armas ao contrário: motins, Soldado revoltas e revoluções.”

* John Catalinotto, novaiorquino, professor na City University é amigo e colaborador de odiario.info.

Este texto foi publicado no passado dia 25 de abril de 2016, em: http://www.workers.org/articles/2016/04/25/african-liberation-struggles-drove-portugals-april-1974-revolution/

Tradução de Guilherme Coelho

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos