Fim do mandato

Jorge Cadima    29.Jun.08    Outros autores

Neste artigo, Jorge Cadima alerta para o facto de o mandato de Bush não ter ainda terminado. «E existe o perigo real de que os meses finais do seu poder não sejam apenas datas no calendário. Nos últimos dias, parte importante da comunicação social voltou a falar na iminência de um ataque de Israel ao Irão, com a conivência de Washington. O vice-Primeiro Ministro de Israel, Shaul Mofaz declarou ser «inevitável» um ataque ao Irão, merecendo uma crítica pública do Director-Geral da Agência Internacional de Energia Atómica».

Estamos a entrar no último semestre da presidência Bush. Um pouco por toda a parte, as classes dirigentes e os meios de comunicação de massas assobiam para o ar.

Parece haver uma ânsia de que termine depressa o mandato de quem tornou patente ao mundo, não apenas que o imperialismo é uma máquina de guerra, de pilhagem, de morte e de miséria, mas também que é vulnerável; que não é invencível e está corroído por crises e contradições profundas. Parecem sonhar com caras novas e discursos de «mudança» que permitam recompor as brechas profundas que se abriram e prosseguir explorações, opressões e guerras antigas.

Mas o mandato de Bush não terminou ainda. E existe o perigo real de que os meses finais do seu poder não sejam apenas datas no calendário. Nos últimos dias, parte importante da comunicação social voltou a falar na iminência de um ataque de Israel ao Irão, com a conivência de Washington (Der Spiegel, 16.6.08; New York Times, 20.6.08). O vice-Primeiro Ministro de Israel, Shaul Mofaz declarou ser «inevitável» um ataque ao Irão, merecendo uma crítica pública do Director-Geral da Agência Internacional de Energia Atómica (Haaretz, 9.6.08).

Talvez sejam apenas ameaças ocas, mas a História aconselha a não subestimar o potencial de violência e morte do imperialismo, em particular quando corroído por crises profundas. Sobretudo quando o discurso político dá lugar ao misticismo, ao fanatismo religioso, aos conceitos de superioridade racial. Surpreende, por isso, o quase absoluto silêncio de noticiários e «comentadores» sobre o conteúdo do discurso oficial de Bush perante o Parlamento de Israel, por ocasião dos 60 anos desse país.

Repleto de referências bíblicas e parecendo mais um sermão do que um discurso político, Bush afirmou textualmente, a propósito da criação de Israel: «foi muito mais do que o estabelecimento de um novo país. Foi o pagamento de uma antiga promessa feita a Abraão, a Moisés e David – o de uma pátria para o povo eleito, Eretz Israel» (citação do texto oficial no site da Casa Branca, 15.5.08). «Povo eleito»? «Promessa» divina? Lembremos que este homem tem poderes para mandar disparar o maior arsenal nuclear existente à face da Terra. E acha que se está a «travar um combate com a tecnologia do Século XXI, mas que tem no seu cerne uma antiga batalha entre o bem e o mal». Bush não fez estas afirmações de improviso, mas numa cerimónia oficial, num discurso de Estado que foi seguramente visto à lupa por conselheiros e detentores do poder real nos EUA. Como se deve ler um discurso político com referências bíblicas? Segundo a Bíblia, Deus prometeu a Abraão: «eu darei à tua descendência esta terra, desde o rio do Egipto até ao grande rio Eufrates» (Génesis, 15). É política oficial dos EUA que Eretz Israel se estende do Nilo até à Síria e o Iraque?

Não é demais lembrar que a criação do Estado de Israel tem origens terrenas: a resolução 181 da Assembleia Geral de ONU, de 29 de Novembro de 1947. No seu discurso, Bush apenas refere a ONU para criticar o facto de aprovar moções de condenação a Israel. E apenas refere os palestinos, a quem a Resolução 181 também prometia um Estado, para dizer que talvez daqui a 60 anos (sic!) o venham a ter. Pelos vistos, são filhos de um deus menor.

É com estes EUA que a União Europeia se quer «casar». O Tratado que as classes dirigentes da União Europeia pretendem impor, contra a vontade expressa dos seus povos, institucionaliza as relações entre a NATO e a UE. Militariza a UE para participar nas cruzadas do imperialismo. É uma espécie de consagração da Cimeira das Lajes de Bush, Blair, Aznar e o então quase desconhecido Durão Barroso, que meses mais tarde recebia uma «promoção». E depois ainda se admiram que os povos lhes digam um sonoro «Não!».

Este texto foi publicado no Avante nº 1.804 de 26 de Junho de 2008

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos