Heróis do povo e heróis dos media*

Carlos Lopes Pereira    28.Dic.12    Colaboradores

Carlos Lopes PereiraNo recente congresso do ANC - tripla aliança que integram - os comunistas sul-africanos reafirmaram que as classes trabalhadoras, em conjunto com outras forças progressistas, devem assumir a continuidade e o aprofundamento da revolução democrática nacional na África do Sul. A tarefa é complexa, e mais tarde ou mais cedo colocará questões centrais que decidirão o rumo do desenvolvimento económico e do combate contra as desigualdades sociais.

O presidente Jacob Zuma foi reeleito por mais cinco anos à frente do Congresso Nacional Africano (ANC), que governa a África do Sul desde 1994. A eleição decorreu durante a 53.a conferência nacional do movimento, realizada em Mangaung, no centro do país.
Zuma, de 70 anos, obteve três quartos dos votos dos delegados, derrotando Kgalema Motlanthe, de 63 anos, até agora vice-presidente do ANC e da república.
Para número dois do movimento foi eleito Cyril Ramaphosa, activista anti-apartheid e antigo dirigente do Sindicato Nacional Mineiro (NUM), um dos mais influentes dirigentes da Confederação dos Sindicatos da África do Sul (Cosatu). Na última década, Ramaphosa dedicou-se aos negócios e tornou-se um empresário rico, sendo apontado como capaz de fazer a ponte entre os princípios de justiça social defendidos pelo ANC e o mundo empresarial.
Hoje próximo de Zuma e outrora “delfim” de Nelson Mandela, descrito como “carismático”, Ramaphosa poderá ser candidato à vice-presidência da África do Sul ou mesmo o substituto do actual líder nas eleições presidenciais de 2014.
A conferência do ANC ¬¬– o mais antigo movimento político africano, que este ano comemorou 100 anos de existência e tem mais de um milhão de membros ¬–, elegeu também o secretário-geral, Gwede Mantashe, a secretária-geral adjunta, Jessie Duarte, o coordenador nacional, Baleka Mbete, e a tesoureira-geral, Zweli Mkhize.
Apesar das divergências internas, o conclave de Mangaung decorreu em ambiente sereno, longe da tensão do congresso anterior, em 2007, em Polokwane, quando Jacob Zuma afastou Thabo Mbeki da liderança do ANC e do país, ajudado então por alguns dos que hoje o contestam.
Falando aos 4500 delegados, Zuma defendeu o rumo seguido pelo ANC, procurou “tranquilizar” os meios empresariais e prometeu mudanças. “Queremos atrair investidores tanto nacionais como estrangeiros”, disse, explicando que na África do Sul devem coabitar os sectores público e privado. “Queremos combater a falsa impressão de que o país está dividido. (…) Temos um plano para fazer crescer a economia e criar empregos”, assegurou, em resposta a críticas de que persistem graves problemas e desigualdades sociais. E advertiu que o caminho para a prosperidade desejada será “longo e duro” mas que o ANC “é a única esperança para os pobres e os excluídos”.
Afirmando que a situação económica mundial poderia tornar mais difíceis de atingir esses objectivos, Zuma prometeu investir mais na educação, reafirmou o empenho no combate contra a corrupção, condenou a violência entre facções do ANC registada nos meses que antecederam a conferência. E foi muito aplaudido quando prestou uma vibrante homenagem a Nelson Mandela, de 94 anos (internado entretanto num hospital de Pretória), fundador da África do Sul democrática e herói do ANC.

Aprofundar a revolução democrática e nacional

O Partido Comunista da África do Sul (SACP), um dos integrantes da tripla aliança que governa a África do Sul há 18 anos – com o ANC e a Cosatu –, fez ouvir a sua voz na 53.a conferência, em Mangaung.
Numa intervenção do seu secretário-geral, Blade Nzimande, os comunistas saudaram o ANC, a maior organização política da história da África do Sul, o que lhe traz “responsabilidades e desafios adicionais”. Como o de, ao mesmo tempo que dirige o país, ouvir sempre o povo – a governação deve ser uma combinação do poder das massas e do poder estatal, visando transformar a África do Sul em benefício acima de tudo dos trabalhadores e dos pobres.
Propondo o reforço da aliança com o ANC e os sindicatos também a nível local, os comunistas defenderam “uma transformação mais radical da economia em benefício da maioria do povo” e o aprofundamento da luta por uma África do Sul não racial, democrática, mais justa e igualitária.
Apoiando os esforços na luta contra a corrupção, o SACP garantiu a aliança com o ANC e esclareceu que, sendo organizações diferentes, haverá naturalmente aqui e ali pontos de vista e posições diferentes – que serão resolvidos nos locais próprios e não através dos media como pretexto para atacar o ANC. “Os revolucionários genuínos não são feitos pelos media comerciais mas através da luta com princípios e da defesa do movimento de libertação como um todo. Os heróis dos media não são os heróis do povo”, lembrou Nzimande.
Os comunistas reafirmaram, no essencial, que as classes trabalhadoras, em conjunto com outras forças progressistas, no quadro da tripla aliança, devem assumir a continuidade e o aprofundamento da revolução democrática nacional na África do Sul.

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº 2039, 27.12.2012

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos