Autor: “Filipe Diniz”

Odiario

Janeiro de 1937*

Filipe Diniz    29.Ene.17    Colaboradores

No mês de Janeiro de 1937 concentraram-se decisões de vários países europeus e dos EUA que isolaram a Espanha republicana. Apenas lhe restou a longínqua URSS e a solidariedade internacionalista dos povos. A burguesia “democrática” traiu um povo em armas, cedeu perante a ameaça nazi-fascista, e capitularia pouco depois em Munique.

Odiario
Odiario

Fidel*

Filipe Diniz    02.Dic.16    Colaboradores

Falando no encerramento do 1º Congresso do Partido Comunista Cubano, em 1975, o reiterar da tarefa de assegurar ao povo todos os meios para que assuma e conserve o poder. A comovente homenagem de Cuba inteira a Fidel é a imagem dessa ligação directa e indissolúvel entre o povo e o grande dirigente revolucionário.

Odiario
Odiario

Reescrever a História…

Filipe Diniz    28.Nov.16    Colaboradores

Já se adivinhava como a direita iria evocar a Revolução de Outubro de 1917: com a reescrita e a falsificação histórica. Nada de surpreendente. Os trabalhadores e os povos irão celebrá-la. O grande capital de hoje olhará para ela com os mesmos olhos e o mesmo temor com que a reacção mundial viu, há 100 anos, a eclosão revolucionária do árduo processo de construção de uma sociedade nova, liberta da exploração do homem pelo homem.

Odiario
Odiario

Não andará tudo ligado?*

Filipe Diniz    19.Nov.16    Colaboradores

Um acontecimento recente preencheu páginas de jornais e horas de transmissões televisivas. Mas a nenhum jornalista de serviço ocorreu colocar um elemento de contexto: a desertificação humana das zonas em causa. Pode não ser notícia, mas é um dos mais nítidos traços da devastação causada por quatro décadas de política de direita.

Odiario
Odiario

A Cultura no OE*

Filipe Diniz    28.Sep.16    Colaboradores

Os montantes destinados à Cultura no OE – e o destino que lhes é dado - dizem quase tudo sobre uma política cultural. O governo actual já vai em dois ministros, mas o discurso vem de trás: “fazer mais com menos”, “aumentar a execução orçamental”, “não é o ideal mas é o possível”, etc. etc. O peso da Cultura no OE foi em 2016 o mais baixo de sempre. Ou há em 2017 um claro sinal de mudança, ou a frustração de 2016 terá de converter-se num ainda maior movimento de Cultura em luta.

Odiario
Odiario

Sanções e dominação*

Filipe Diniz    21.Sep.16    Colaboradores

A política de sanções económicas é um instrumento privilegiado da UE. Construída de forma a estabelecer uma estrutura de economias dominantes e de países subordinados, a UE dos monopólios utiliza as sanções para assegurar que não há recalcitrantes. E conta, naturalmente, com a cumplicidade do grande capital interno e seus porta-vozes.

Odiario
Odiario

As contas trocadas de Passos Coelho

Filipe Diniz    06.Sep.16    Colaboradores

«Um dos aspectos penosos da «rentrée» é ter que se levar com sucessivos discursos de Passos Coelho. Desta vez na «tradicional festa do PSD em Boticas» manifestou preocupações face à economia, «que não está a correr bem». Expôs as suas ideias acerca do que «gera emprego e rendimento»: «os homens que no fundo investem o seu dinheiro, as suas poupanças, nas empresas, que criam emprego e rendimento para o futuro», os «investidores de fora». Uns filantropos que não estarão para pôr dinheiro num país dirigido por comunistas e bloquistas».

Odiario