Autor: “Jorge Beinstein* ”

Odiario

Ajustamento depressivo global (radicalização da crise)

Jorge Beinstein*    23.Mar.09    Outros autores

Jorge Beinstein
“Os principais indicadores económicos e sociais indicam-nos que a crise acelera e que o aumento de ritmo aponta para um grande salto qualitativo, um afundamento catastrófico da economia norte-americana que, seguramente, arrastará o conjunto do sistema global. (…) É toda a história do capitalismo (os seus grandes paradigmas científicos e tecnológicos, o seu estilo de consumo, os seus sistemas produtivos, a sua cultura imperial) que agora começa a navegar à deriva.”

Odiario
Odiario

Rostos da crise:
Reflexões sobre o colapso da civilização burguesa

Jorge Beinstein*    25.Nov.08    Outros autores

Jorge Beinstein
“A crise é mundial e será longa, a acumulação de desajustes e a sua magnitude não sugerem uma recuperação rápida dos sistemas, mas o contrário, ainda que restrinjamos a análise aos seus aspectos económicos (no início de Outubro de 2008 a crise financeira converteu-se num colapso que deitou abaixo o sinal de interrogação a todos os cenários de sobrevivência do capitalismo).”

Odiario
Odiario

O naufrágio do centro do mundo – Os EUA entre a recessão e o colapso

Jorge Beinstein*    17.May.08    Outros autores



Neste artigo, o economista argentino Jorge Beinstein reflecte sobre o agravamento da crise estrutural do capitalismo nos EUA, onde já assumiu as proporções de uma recessão. O autor define-a como «o primeiro capítulo do declínio do império norte-americano».

Odiario
Odiario

O declínio do dólar… e dos Estados Unidos - As grandes potências e o embuste global

Jorge Beinstein*    28.Ene.07    Colaboradores

Os EUA há muito entregam dólares de valor futuro incerto a troco de bens e serviços. Todos os países o sabem, mas sem este decisivo cliente mundial, “a crise de sobreprodução crónica que o capitalismo mundial sofre há mais três décadas converter-se-ia num desmoronamento imparável” (…) Qual é a solução? Nenhuma”, todos o sabem: a crise é estrutural e as guerras do Afeganistão e do Iraque, não só não deram o domínio do petróleo do Médio Oriente aos EUA, como agravaram a crise.

Odiario