Autor: “José Casanova ”

Odiario

Previsões macabras*

José Casanova (*)    20.Mar.12    Outros autores

José CasanovaAs causas do aumento de mortes que se vem verificando relativamente a 2011- em particular entre os mais idosos - radicam nas «medidas de austeridade» e na «pobreza» por elas provocada. Ou seja: parte grande destas mortes tem a ver com «alimentação má que deixa as pessoas mais vulneráveis ao vírus da gripe». Para a actual política o que se passa está “dentro do que fora previsto”. A política que liquida Portugal vai liquidando os portugueses.

Odiario
Odiario

O futuro de Portugal está configurado na Revolução de Abril*

José Casanova    13.Feb.12    Outros autores

josé CasanovaFalar das Conquistas da Revolução é falar do revolucionário Vasco Gonçalves, da sua acção decisiva enquanto primeiro-ministro de quatro governos provisórios – os governos dos grandes avanços revolucionários, das grandes e profundas transformações que fizeram de Portugal um pais a caminho da justiça social plena, do respeito pelos direitos dos trabalhadores e do povo, da independência e da soberania nacional, da liberdade, da democracia.

Odiario
Odiario

De braços abertos*

José Casanova    03.Feb.12    Outros autores

josé CasanovaO presidente da CIP está cheio de razão quando diz que a UGT, ao assinar o pacto dos patrões, «cumpriu o seu papel». Esse «papel» é o que lhe foi destinado quando da sua criação: servir os interesses do grande capital, apoiar a acção dos protagonistas políticos da contra-revolução de Abril, trair os trabalhadores e tentar dividi-los. Nunca, como desta vez, a corporação chefiada por João Proença tinha mostrado tão desavergonhadamente a sua verdadeira face.
Talvez muitos dos trabalhadores filiados em sindicatos da UGT tenham percebido, finalmente, onde estão metidos. Venham à luta. Serão recebidos de braços abertos.

Odiario
Odiario

O espelho do fascismo*

José Casanova    30.Dic.11    Outros autores

josé CasanovaQue a Universidade do Mindelo tenha decidido atribuir o título de doutor honoris causa a um ex-ministro do regime fascista e colonialista português já é escandaloso. Mas que a iniciativa parta de uma instituição do arquipélago onde o salazarismo instalara o Campo de Concentração do Tarrafal, que este personagem mandou reabrir para aí encerrar patriotas que lutavam pela libertação das colónias portuguesas ainda o é mais.

Odiario
Odiario

A luta é por Abril*

José Casanova    19.Dic.11    Outros autores

josé CasanovaOs níveis de exploração, com as desigualdades sociais que lhe são inerentes, acentuam-se de tal modo que só encontram paralelo nos tempos do fascismo – e o respeito pelas liberdades, direitos e garantias dos trabalhadores e dos cidadãos está cada vez mais distante de Abril e cada vez mais próximo do antigamente. Mário Soares diz-se, até, vejam bem! muito preocupado com as «desigualdades e as injustiças sociais», muito preocupado com o «futuro da democracia», e blá-blá-blá… ele que foi o pai da contra-revolução; ele que é pai da política de direita; ele que é pai da ditadura do grande capital hoje dominante…

Odiario
Odiario

No 94.º Aniversário da Revolução da Outubro
A actualidade do ideal comunista

José Casanova (*)    26.Nov.11    Outros autores

josé CasanovaTodos sabemos, mas é necessário termos sempre presente, que a Revolução de Outubro foi ponto de partida para a primeira grande tentativa, na história da humanidade, de construção de uma sociedade nova, liberta de todas as formas de opressão e de exploração. O impacto e as consequências planetárias deste acontecimento constituem uma realidade objectiva que nenhuma ofensiva ideológica conseguirá apagar.

Odiario
Odiario

Os branqueadores

José Casanova    10.Sep.11    Outros autores

José CasanovaAs operações de branqueamento do salazarismo e de falsificação do que foram os 48 anos de resistência popular e democrática contra o regime fascista prosseguem sob diversas formas e meios. Um deles é o da sua abordagem sob o ângulo da trivialidade da vida quotidiana do chefe do regime. Fontes? As mais fidedignas: as memórias e confidências dos próprios. É o fascismo revisto através do filtro dos próprios fascistas.

Odiario