Autor: “Mohsen Abdelmoumen”

Odiario

Dr. Leonid Savin: “Qualquer ataque a um aliado russo é um ataque indirecto à Rússia”

Uma em muitos aspectos interessante entrevista (incluindo a sua algo esotérica parte final) que aborda muitos aspectos da realidade internacional de um ponto de vista que se assume como “anti-ocidental” no pensamento.

Odiario
Odiario

Dr. Jacques Pauwels: “Para promover os seus objectivos de maximização de lucros, o capitalismo está disposto a usar a “cenoura” da democracia, bem como o “pau” do fascismo”

«É efectivamente um mito que o capitalismo seja uma espécie de gémeo siamês da democracia. Por outras palavras, que o ambiente político favorito do capitalismo seja a democracia. A história mostra-nos que o capitalismo floresceu em sistemas altamente autoritários e apoiou entusiasticamente esses sistemas.» Isso verifica-se de Bismark a Pinochet passando por Hitler, e não ficará por aí, se isso lhe for permitido.

Odiario
Odiario
Entrevista com Atilio Borón

“Para combater o caos criado pelo imperialismo, liderança honesta e instituições fortes devem ser acompanhadas por uma mobilização popular intensa e bem organizada”

Mohsen Abdelmoumen    30.Ene.19    Outros autores

Uma importante entrevista em que é feito o ponto da situação da ofensiva imperialista em diversas zonas do mundo – com particular destaque para a América Latina -, da resistência dos povos, da generalizada ausência de influentes forças políticas revolucionárias que assumam a vanguarda da luta de massas anti-imperialista e anticapitalista.

Odiario
Odiario
Entrevista Claudia Salerno Caldera, embaixadora da Venezuela na Bélgica

«Há 18 anos que mostramos ao mundo que um outro modelo é possível»

Mohsen Abdelmoumen    23.Dic.17    Outros autores

Uma entrevista que merece leitura atenta. Contém informação detalhada sobre aspectos importantes da situação interna e da política externa da Venezuela, nomeadamente enquanto país produtor de petróleo. E desenvolve um discurso onde são reconhecíveis algumas das idealizações do «socialismo do século XXI», o que faz recear vulnerabilidades ideológicas num processo que o imperialismo tem debaixo de fogo.

Odiario