Autor: “Patrick Cockburn ”

Odiario

Síria: Torna-se claro quem são os vencedores desta guerra

Patrick Cockburn*    07.Mar.16    Outros autores

«A guerra está longe de ter acabado, mas torna-se mais claro quem serão os vencedores e os vencidos. Não haverá uma mudança radical de regime em Damasco. A oposição árabe sunita não conseguiu chegar ao poder na Síria e está à defesa no Iraque. Os curdos em ambos os países são política e militarmente mais poderosos do que nunca, porque são adversários eficazes do ISIS, mas, uma vez que este seja derrotado, temem ser marginalizados.
O ISIS está confinado a um califado cada vez mais isolado e pesadamente bombardeado, mas pode bem mostrar que ainda é um poder a temer, levando a cabo atrocidades extraordinárias, como rebentar com um avião russo com uma bomba, ou o massacre em Paris no ano passado.»

Odiario
Odiario

O manual de propaganda secreto dos israelitas

Patrick Cockburn    27.Ago.14    Outros autores

O manual para os porta-vozes israelitas deveria ser mais conhecido. Diz tudo sobre a hipocrisia e dissimulação da estratégia sionista. Mas diz igualmente muito sobre o seu isolamento face à opinião pública de todo o mundo, incluindo nos EUA e na UE.

Odiario
Odiario

EUA fracassam no Haiti

Patrick Cockburn*    20.Ene.10    Outros autores

Patrick Cockburn

A história dos últimos 100 anos do Haiti é a crónica de uma ocupação norte-americana, declarada ou por interpostas pessoas. O chamado «estado falhado» é a consequência de os EUA nunca terem permitido a construção de um aparelho estatal haitiano.
“É triste ouvir jornalistas que acorreram ao Haiti no seguimento do tremor de terra darem explicações tão enganosas e mesmo racistas sobre porque são os haitianos tão pobres e vivem em bairros de lata com serviços sanitários mínimos, pouco fornecimento de electricidade, água potável insuficiente e ruas que se parecem com regatos”.

Odiario
Odiario

A nova Elite de Cabul

Patrick Cockburn*    18.Jun.09    Outros autores

Afeganistão - ódio ao invasor
A guerra de ocupação do Afeganistão, tal como aconteceu e acontece no Iraque é um negócio chorudo, não só mantém elevada taxa de lucro da indústria de guerra como constitui, neste tempos de crise, uma “oportunidade” de elevados lucros para empresas contratadas e de elevados salários para os mercenários civis e militares.

Odiario