Autor: “Pepe Escobar”

Odiario

Porque é que mesmo uma guerra comercial não irá fazer descarrilar Made in China: 2025

Pepe Escobar    04.Jun.18    Outros autores

A administração Trump tem tentado desencadear uma guerra comercial com a China. Mas acontece que podem ser os EUA a pagar o preço mais elevado por tal guerra. As empresas norte-americanas deslocalizaram-se para a China, transferiram tecnologia para a China, investiram na China. Mas o impetuoso crescimento chinês criou-lhe condições não só para recusar submissão e subserviência económica e tecnológica aos EUA, mas para avançar com projectos de cooperação e desenvolvimento sem precedentes na história.

Odiario
Odiario

Na Ásia, a disputa geopolítica do século

Pepe Escobar    14.Dic.17    Outros autores

As “Novas Rotas da Seda” constituem uma expressão do crescente potencial político, económico, financeiro, técnico da China em associação com outros países asiáticos e eurasiáticos. Os EUA não poderiam deixar de tentar dificultar o desenvolvimento desse enorme conjunto de iniciativas e projectos. Procuram influenciar a Índia para, em conjunto com o Japão, avançar com um projecto concorrente e alternativo e, ao mesmo tempo, introduzir uma fissura nos BRIC. Mas os possíveis aliados políticos defrontam-se com debilidades - económicas e outras - que limitam o seu campo de manobra.

Odiario
Odiario

O futuro da UE está em jogo na Catalunha

Pepe Escobar    11.Oct.17    Outros autores

Um dos aspectos menos destacados da situação na Catalunha diz respeito ao comportamento da UE, inteiramente alinhada com Rajoy e aprovando a repressão policial que este desencadeou. Seria fácil imaginar a reacção da UE se o drama na Catalunha estivesse a acontecer em terras eurasiáticas distantes e “bárbaras”. O pacífico referendo na Crimeia foi condenado como “ilegal” e ditatorial, ao passo que um ataque violento contra a liberdade de expressão de milhões de pessoas vivendo na UE é tolerado.

Odiario
Odiario

Coreia do norte: O Fogo, a Fúria e o Medo

Pepe Escobar*    23.Ago.17    Outros autores

Estará mesmo a República Popular da Coreia a desenvolver armamento que lhe permita atacar os EUA, o Japão ou a Coreia do Sul? Será Kim Jong-un o destrambelhado que o retrato que dele é dado no Ocidente pretende fazer crer?
“A atual narrativa é inquietantemente semelhante ao critério dos «suspeitos do costume». São os mesmos que atacaram o Iraque e que querem atacar o Irão porque estaria a um passo da «construção da arma nuclear».
A Coreia do Norte tem biliões de dólares de riqueza por explorar. Nas sombras destas manobras há corporações perfeitamente identificadas que esperam beneficiar com o festim depois de destruir outro país”.

Odiario
Odiario

Na dúvida, bombardear a China

Pepe Escobar    02.Ago.17    Outros autores

Militares dos EUA com altas responsabilidades – encorajados pelo Partido da Guerra em Washington - voltam a falar da utilização de armamento nuclear como se tal fosse algo de normal. Que militares dos EUA se sintam de mãos livres tem precedentes e – como o provam as iniciativas do General MacArthur na Coreia – esses precedentes mostram que há muito a recear.

Odiario
Odiario

Projeto de Hillary, a rainha da guerra

Pepe Escobar*    24.Ago.16    Destaques

Pode alguém pensar que Hillary na Casa Branca seria menos perigosa para a humanidade do que Trump? A pergunta é pertinente. Hillary atuaria na presidência como fiel servidora da aliança dos EUA com Israel e a Arábia Saudita.
Pepe Escobar comenta neste polémico artigo os contatos secretos da Arábia Saudita com Israel, e reflete sobre a complexa estratégia que envolve as relações entre a Rússia, o Irão e a Turquia.
Oxalá as suas previsões assustadoras sejam desmentidas pelo rumo da História.

Odiario
Odiario

Não vale a pena chorar pela União Europeia

Pepe Escobar*    01.Jul.16    Outros autores

Há uma receita de grande eficácia a que amiúde se recorria em Portugal nos anos negros do fascismo: «se não sabes onde te colocar olha para a posição dosfascistas: toma a posição contrária à deles e acertas».
Também hoje a Troika, a Comissão Europeia, o FMI, os jornais do dr. Balsemão, a RTP, a TVI… nos podem dizer que «as consequências geopolíticas do “Brexit” podem ser dramáticas». Mas a verdade é que para as encarar do ponto de vista da esquerda, do ponto de vista da classe trabalhadora, de todos os que não estão posicionados na estrutura de comando do capital, devemos lembrar-nos «que a UE nunca foi a “Europa dos Povos”».

Odiario