Joe Biden deveria acabar com o fingimento dos EUA sobre as armas nucleares “secretas” de Israel

Desmond Tutu    10.Feb.21    Outros autores

Desmond Tutu, uma das mais destacadas referências morais da resistência sul-africana contra o regime do “apartheid”, denuncia a hipócrita política de conivência dos EUA com Israel. Conivência que viola leis dos próprios EUA, nomeadamente no que diz respeito ao financiamento a Estados responsáveis pela proliferação de armas nucleares, e Estados violadores dos direitos humanos. Tutu sabe bem do que fala quando refere a ameaça de «um arsenal de armas nucleares nas mãos de um governo de apartheid».

Todos os governos recentes dos EUA têm realizado um perverso ritual ao entrarem em funções. Todos têm concordado em minar a legalidade dos EUA, assinando cartas secretas estipulando que não reconhecerão algo que todos sabem: que Israel tem um arsenal de armas nucleares.
Parte da razão para isto é impedir que as pessoas se concentrem na capacidade de Israel de reduzir a pó dezenas de cidades. Esta incapacidade de enfrentar a ameaça representada pelo horrível arsenal de Israel dá ao seu primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, uma sensação de poder e impunidade, permitindo que Israel dite condições a outros.

Mas um outro efeito da abordagem tipo avestruz do governo norte-americano é que evita evocar as próprias leis dos EUA, que apelam ao fim da generosidade do contribuinte para com os que fazem proliferar armas nucleares.

Israel faz, de facto, uma proliferação múltipla de armas nucleares. Há provas esmagadoras de que se ofereceu para vender armas nucleares ao regime do apartheid na África do Sul nos anos 70 e conduziu mesmo um teste nuclear conjunto. O governo dos EUA tentou encobrir estes factos. Além disso, nunca assinou o tratado de não-proliferação nuclear.

Contudo, os governos dos EUA e de Israel insistiram na invasão do Iraque com base em mentiras sobre nuvens em forma de cogumelo que aí vinham. Como disse o denunciante nuclear israelita Mordechai Vanunu: as armas nucleares não estavam no Iraque - estão em Israel.

Emendas dos antigos senadores Stuart Symington e John Glenn ao Foreign Assistance Act proíbem a assistência económica e militar dos EUA aos proliferadores nucleares e aos países que adquirem armas nucleares. Enquanto presidente, Jimmy Carter invocou tais disposições contra a Índia e o Paquistão.

Mas nenhum presidente o fez em relação a Israel. Muito pelo contrário. Tem havido um acordo oral desde o Presidente Richard Nixon para aceitar a “ambiguidade nuclear” de Israel - efectivamente para permitir a Israel o poder que vem com as armas nucleares sem a respectiva responsabilidade. E desde o Presidente Bill Clinton, segundo a revista New Yorker, têm existido estas cartas secretas.

Os presidentes e políticos norte-americanos têm-se recusado a reconhecer que Israel possui armas nucleares, apesar de a lei oferecer uma isenção que permitiria a continuação do financiamento se o presidente certificasse ao Congresso que a ajuda a um proliferador seria do interesse vital dos EUA.

O produto interno bruto per capita de Israel é comparável com o do Reino Unido. No entanto, os fundos dos contribuintes norte-americanos remetidos para Israel excedem os de qualquer outro país. Ajustado à inflação, o montante publicamente conhecido ao longo dos anos está agora a aproximar-se dos 300 mil milhões de dólares.

Esta farsa deveria acabar. O governo dos EUA deveria fazer cumprir as suas leis e cortar o financiamento a Israel devido à sua aquisição e proliferação de armas nucleares.
A nova administração Biden deveria imediatamente reconhecer Israel como um relevante Estado patrocinador da proliferação nuclear no Médio Oriente e implementar devidamente a lei dos EUA. Outros governos - em particular o da África do Sul - deveriam insistir no cumprimento da lei e por um desarmamento significativo e, nos termos mais fortes possíveis, instar o governo dos EUA a agir.

O apartheid foi horrível na África do Sul e é horrível quando Israel pratica a sua própria forma de apartheid contra os palestinianos, com postos de controlo e um sistema de políticas opressivas. De facto, outro estatuto dos EUA, a lei Leahy, proíbe a ajuda militar dos EUA a governos que violem sistematicamente os direitos humanos.

É bem possível que uma das razões pelas quais a versão de Israel do apartheid tenha sobrevivido à da África do Sul seja o facto de Israel ter conseguido manter o seu sistema opressivo utilizando não só as armas dos soldados, mas ter também mantendo esta arma nuclear apontada à cabeça de milhões. A solução para isto não é que os palestinianos e outros árabes tentem obter tais armas. A solução é a paz, a justiça e o desarmamento.
A África do Sul aprendeu que apenas poderia ter paz e justiça reais tendo verdade que conduziria à reconciliação. Mas nenhuma delas virá, a menos que a verdade seja encarada com decisão - e há poucas verdades mais críticas de enfrentar do que um arsenal de armas nucleares nas mãos de um governo de apartheid.

Fonte: https://www.mppm-palestina.org/content/joe-biden-deve-acabar-com-o-fingimento-dos-eua-sobre-armas-nucleares-secretas-de-israel-por

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos