Jornalismo em ciência: mais do que uma necessidade, um dever

Bruno Carvalho    05.Feb.13    Outros autores

Para que a ciência e o jornalismo assumam de vez os seus papéis de destaque no progresso da sociedade humana será necessário eliminar as razões que as impedem de vestirem tal protagonismo. O imperialismo cultural a que se referiam Bourdieu e Wacquant impele a reprodução do pensamento dominante geração após geração. Só abalando as estruturas e os alicerces que fundam a nossa sociedade num sistema que promove a desigualdade se conseguirão devolver aos princípios éticos a consistência prática que necessitam.

A história da humanidade tem sido, desde o seu início, pautada por várias formas de conhecimento. Os servos da gleba que lavravam os feudos dos Senhores baseavam-se no conhecimento adquirido através do trato comum e espontâneo, na relação directa que estabeleciam com as coisas e os seres humanos. Essa forma de conhecimento, o senso comum, transmite-se, como na altura, de geração para geração sendo assimilada e transformada enriquecendo a compreensão da realidade. É, portanto, um conhecimento conquistado de forma empírica baseando-se na experiência quotidiana sem se deixar limitar pelo rigor ou pela objectividade, sem procurar o método ou a sistematização. Outro aspecto importante a relevar é o da subjectividade que radica na permissão da expressão de sentimentos, opiniões e valores pessoais quando observamos o mundo que nos rodeia; esta será, de resto, uma problemática a aprofundar-se mais à frente na relação entre jornalismo e ciência. De qualquer forma, e porque muitas vezes recai uma conotação negativa sobre o senso comum, este apresenta vantagens na resolução e superação de problemas no nosso dia-a-dia. Outro tipo de conhecimento que predominou em períodos da história relaciona-se com a teologia. Fortemente ligado às concepções religiosas da realidade, o conhecimento teológico teve muita influência durante a Idade Média e se hoje a ciência assume um papel preponderante a teologia, ainda assim, não perdeu toda a sua força.

De todo o modo há que compreender o contexto em que a ciência assumiu este papel de vanguarda. Perante o destapar de uma série de realidades, desconhecidas até então, através de uma panóplia de metodologias e instrumentos científicos que comprovavam as hipóteses teorizadas, a humanidade começava a olhar com confiança para esta forma de conhecimento. Segundo João Caraça, “a confiança nesta maneira de proceder (…) permitindo a «verificação universal» dos novos conhecimentos, levaram à aceitação da ciência moderna como o dispositivo cognitivo inerente à cultura da humanidade.”, no entanto, destaca que “a ciência e o movimento científico não são o impulso motor essencial, a energia fundadora da modernidade: a ciência surge, claro, no seu âmbito, mas robustece-se na medida em que consegue animar e reforçar o espírito da época, na medida em que se alinha com (e força a alinhar com ela) grandes correntes noutras áreas do saber” e “a actividade científica só surge ligada de uma forma forte e motivadora à vida económica e social em finais do século XIX”[1] desempenhando a partir daí um papel preponderante.

É portanto quando o conhecimento científico se interliga com a técnica impulsionando o progresso da produção material que a ciência se afirma como um dos eixos centrais da modernidade. Desde os alvores da sociedade humana que a produção material, como “actividade produtiva em que os homens transformam os objectos da natureza e os adaptam às suas necessidades”[2], se representa como “base da vida e do desenvolvimento da sociedade”. A. Spirkine e O. Yakhot afirmam que “a introdução da ciência na produção é uma questão extremamente complexa. (…) Por exemplo, na antiguidade sabia-se que se podia utilizar o vapor, mas passaram-se cerca de dois mil anos antes de o utilizar para pôr maquinismos em movimento.”[3] Marx e Engels, nesse sentido, relevam o papel da técnica no desenvolvimento da ciência e vice-versa. “Só depois de termos descoberto a sua utilização técnica é que ficámos a saber qualquer coisa de racional sobre electricidade.[4]”

No entanto, o sucessivo aumento da actividade científica levou à criação de mecanismos de controlo da qualidade de tal produção de conhecimento. A existência de um «monopólio» da capacidade de julgar o que é «boa» ou «má» ciência”[5] está patente nas revistas cientificas e reflecte o sistema de «apreciação de pares» de que fala João Caraça e que, segundo ele, “é o único que pode certificar a qualidade da actividade cientifica apreendida.”

Por arrastamento, no campo da ciência criaram-se padrões, rotinas, formas de comportamento e linguagens próprias que caracterizam num todo a comunidade científica. A circulação e a partilha de conhecimento foram aparecendo com uma linguagem cada vez mais própria de cada área disciplinar. A comunicação entre membros de uma dada disciplina só é apreendida de forma eficaz se cada membro estiver a participar de forma activa e só “é eficiente apenas entre pares da mesma disciplina”. Ou seja, se existe em todas estas características um fosso que divide os cientistas de vários campos do conhecimento que tamanho não terá abismo que separa a comunidade científica do resto da população?

Jornalismo em ciência: mais que uma necessidade, um dever

É na resolução do problema que resulta desta pergunta que surge a primeira preocupação do jornalismo relativamente à ciência. Tendo em conta a importância que assume na sociedade, a comunicação social tem como dever a divulgação da ciência. Cláudia Jurberg, na sua Tese “Ciência ao alcance de todos: experiências de educação e distância em jornalismo científico” destaca o facto de ser importante “que os jornalistas e os leitores compreendam o conteúdo de cada matéria” e ressalta “a importância de que jornalistas especializados nas diversas editorias traduzam a especificidade de cada área abordada para leitores nem sempre familiarizados com o assunto.”[6]

Marcelo Leite, editor de ciência da Folha de São Paulo, jornal brasileiro, revela que existem barreiras a serem derrubadas pelos profissionais da informação e escala-as em três patamares:

1. A ignorância de base – onde há que fazer um esforço para esclarecer os conceitos básicos
2. A ignorância sobre o que acontece – é tarefa do jornalismo acompanhar os ramos mais significativos da Ciência e Tecnologia, as novas descobertas e teorias, hierarquizando e noticiando com destaque somente o que de facto for importante
3. A ignorância das implicações – investigar-se e expor-se as consequências éticas, jurídicas, sociais e políticas das biotecnologias: do monopólio da produção de sementes à patente de seres vivos até à discriminação genética no emprego e por seguradoras

Um outro autor, Erbolato, destaca a relação da ciência e jornalismo no plano intelectual e no plano material. “Sem ciência não há jornalismo, do ponto de vista intelectual. E muito menos haveria a imprensa, no nível em que se encontra. Afinal não foram as ciências que permitiram fabricar impressoras, lançar satélites ao espaço e adoptar o sistema offset?”[7]

Embora ambas as realidades pareçam tão próximas numa relação quase simbiótica, a verdade é que a história desta relação tem sido pautada por muitas clivagens e atritos. Não raras vezes os cientistas evitam falar com os jornalistas e em muitas outras reclamam distorções nas publicações deste ou daquele acontecimento científico. Carlos Chaparro, a este propósito, classifica o conflito como “estúpido” “pela simples razão de que conhecimento não socializado é conhecimento perdido” e identifica alguns dos problemas. “O cientista, no seu papel de fonte, adopta normalmente procedimentos de controlo ou de filtragem da informação, para resguardar-se de entendimentos equivocados, de concessões ao sensacionalismo especulativo ou, até, de interpretações tendenciosas. Por causa das razões da ciência, ou das razões da carreira, o cientista procura minimizar os riscos de uma exposição pública realizada por modos e meios que não domina nem controla” já o jornalista “está prioritariamente interessado em apropriar-se de informações, revelações, análises e opiniões, para usá-las em função do interesse do seu leitor, de seu jornal ou do próprio interesse profissional.”[8] Em suma, Chaparro considera que as grandes diferenças se manifestam nos objectivos e no discurso.

Eduardo Meditsch, numa conferência, considerava que muitos acham o jornalismo como não produzindo conhecimento válido e como contributo para a “degradação do saber”. Estas afirmações foram produzidas no seio de uma análise sobre se o jornalismo é ou não uma forma de conhecimento. “Esta forma de conhecimento tanto pode servir para reproduzir outros saberes quanto para degradá-los, e é provável que muitas vezes faça essas duas coisas simultaneamente.”

Ainda assim é evidente a necessidade e o dever do jornalismo de se assumir como transmissor do conhecimento científico à generalidade da população. Não deve é, de forma alguma, agir passivamente em relação ao conhecimento apreendido. Deve ser um agente activo e crítico na contextualização desse mesmo produto intelectual.

Jornalismo: interesse público ou interesse privado?

Da mesma forma que a ciência é facilmente assumida como de interesse público, o interesse público do jornalismo é de uma forma geral aceite pela população, pelo poder económico e pelo poder político. Nos últimos anos, o desenvolvimento dos meios de comunicação impulsionou alterações significativas na difusão de informação. Este processo foi um dos sustentáculos do fenómeno comummente conhecido por globalização. Os media representam, assim, um dos eixos da sociedade actual.

Para além da comunicação e divulgação de informação, os media assumem, hoje em dia, um papel potencialmente progressista no desenvolvimento das sociedades. Foi com o intuito de vincar essa ideia que, já na década de 70, surgiu um documento [9] divulgado pela UNESCO em que se atribui à comunicação, as seguintes funções:

Informação
Socialização
Motivação
Discussão e diálogo
Educação
Promoção cultural
Distracção
Integração

Daqui se depreende o carácter público e democrático que devem assumir os media no sentido de fomentar o progresso social. Não como circulo fechado ou como estrutura afastada dos cidadãos mas como dinamizador da própria cidadania participada e interventiva. Perante tal reconhecimento por parte de todos, do interesse público que representa o jornalismo, porque se encontra este entre as profissões menos valorizadas pelo conjunto da população? Porque, de facto, a comunicação social não assume esse papel. Os media surgem como reflexo de uma sociedade onde os direitos, iguais à nascença, só existem nas leis. Sociedade que caminha em função do lucro, em que o poder político e económico se afasta dos cidadãos e onde coexiste a riqueza lado a lado com a pobreza.

Só assim se compreendem dados[10] assustadores como os do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD):

• Os 20% mais ricos da população mundial possuem 93% dos utilizadores da Internet e 74% das linhas telefónicas, os 20% mais pobres, por seu lado, não ultrapassam 1% e 1,5% respectivamente.
• Dos 148 milhões de utilizadores ligados à Internet, 90% viviam nos países industrializados, e metade nos EUA. Apenas uma em cada dez pessoas em todo o mundo fala inglês, mas 80% dos sites estão redigidos em inglês.
• Um Computador equivale a um salário mensal de um americano e ao rendimento de 8 anos de um cidadão do Bangladesh.

Estes dados elucidativos não demonstram apenas deficiências graves no plano dos media, demonstram deficiências graves no plano da distribuição e aplicação dos benefícios das conquistas cientificas.

A quem serve a ciência e o jornalismo?

Ciência nas mãos da classe dominante

A evolução da ciência, o desenvolvimento da técnica e a aplicação das descobertas feitas chegaram a um patamar tal que parece impossível que a maioria da população mundial viva na pobreza. A maior prova de que a ciência, na maior parte dos países, é objecto de instrumentalização por parte das classes dominantes encontra-se em Guernica, em Hiroxima, no Iraque, nos milhões de crianças desnutridas e em milhares de outros casos que se poderiam descrever como consequência da aplicação ou da não aplicação das descobertas científicas.

A investigação em ciência, como o jornalismo, só pode sobreviver sob fortes investimentos financeiros. Este é o factor que mais condiciona a acção da ciência e do jornalismo tendo em conta que ficam dependentes das vontades de um conjunto de interesses desta ou daquela classe.

No caso da ciência, entre os vários modelos de financiamento da investigação encontram-se o privado e o público e, dentro destes, podemos considerar que, no primeiro caso, o mais predominante, a ciência passa a servir a empresa que a subsidia e que, no segundo caso, servindo o Estado, serve também os interesses das classes no poder político.

No nosso país, a fraca atitude empreendedora dos empresários e pouca importância dada pelos governantes à investigação revela uma realidade bem diferente da maioria dos países. A este propósito, João Ferreira[11], ex-Presidente e actual membro da direcção da Associação de Bolseiros de Investigação Cientifica (ABIC), analisa que Portugal é ainda um caso atípico já que predomina o financiamento público. No entanto, isto não quer dizer que o investimento estatal seja muito elevado, quer antes dizer que o investimento privado é dos mais reduzidos da Europa sustentando ainda que o financiamento é muito escasso face às necessidades existentes. Relativamente, à realidade dentro da comunidade científica, considera que já se assiste ao ambiente competitivo na busca de recursos financeiros e da obtenção do reconhecimento dos seus pares.

A realidade global demonstra que não basta o investimento na ciência para que haja progresso. Como consequência da investigação científica, o progresso técnico pode ocorrer de formas distintas sob matrizes ideológicas diferentes. A ideologia não está ausente na esfera da ciência e da técnica. Spirkine e Yakhot afirmam que “o progresso técnico tem consequências sociais radicalmente diferentes sob o regime capitalista e sob o regime socialista. Em regime capitalista, a automatização conduz ao desemprego maciço e ao agravamento das crises. Sob o socialismo, o progresso técnico conduz a uma melhoria das condições de trabalho, aproxima o trabalho manual do trabalho intelectual e eleva o nível material, cultural e técnico dos trabalhadores.”[12]

A ciência em diversos momentos é manietada pelas classes dominantes não no sentido do progresso mas no sentido da manutenção do poder. A este respeito, um dos maiores génios do século XX, Albert Einstein, escreveu num polémico artigo[13] que “a ciência, não pode criar fins e, muito menos, incuti-los nos seres humanos; quando muito, a ciência pode fornecer os meios para atingir determinados fins” considerando que estes dependem em muito da ética de quem os define. O problema, lembra Einstein, está no “capital privado (que) tende a concentrar-se em poucas mãos, em parte por causa da concorrência entre os capitalistas e em parte porque o desenvolvimento tecnológico e a crescente divisão do trabalho encorajam a formação de unidades de produção maiores à custa de outras mais pequenas. O resultado destes desenvolvimentos é uma oligarquia de capital privado cujo enorme poder não pode ser eficazmente controlado mesmo por uma sociedade política democraticamente organizada.” O desenvolvimento do nuclear, que teve contributos de investigações de Einstein, é um dos maiores exemplos da manipulação da ciência ao serviço das classes dominantes. O próprio condenou fortemente a incineração de milhares de civis em Hiroxima e em Nagasaki como consequência do lançamento terrorista das bombas atómicas por parte da aviação militar norte-americana, certamente dos maiores crimes colectivos da história da humanidade.

Hiroxima e Nagasaki foram também referidas por Rui Namorado Rosa na sua intervenção no Fórum Social Português[14]. “A ciência e a técnica estiveram, desde sempre, subjacentes ao poder político. Essa realidade tornou-se mais actuante com a ascensão do capitalismo, que progressivamente as integrou na sua própria renovação e no exercício do seu poder. É aqui exemplar o Manhattan Project que nos EUA mobilizou, entre 1941 e 1945, dezenas de milhar de pessoas, sob a direcção de um general e uma equipa de cientistas eminentes, com o objectivo preciso de demonstrar a viabilidade e de produzir a bomba nuclear, antes de qualquer outra potência mundial. O lançamento das duas primeiras bombas nucleares no Japão, em Agosto de 1945, foi um acto de agressão de violência sem precedentes, de que ainda hoje a humanidade guarda viva memória e com a qual nunca poderá se reconciliar. (…) O papel da ciência como instrumento da acção política no seio social está bem ilustrado pela sua apropriação pelo poder político para fins militares durante e após a Segunda Guerra Mundial.” Desta realidade pode perceber-se que os cientistas, no âmbito de conflitos armados, agem como instrumentos dos estrategas militares mas Rui Namorado Rosa nega que seja sempre assim até porque, segundo afirma, em várias ocasiões foi a criatividade dos investigadores que imaginou novas armas e foram alguns destes que convenceram os políticos a desenvolvê-las, a testá-las e até mesmo a utilizá-las.

Instrumentalização do jornalismo

A comunicação social e, nomeadamente, o jornalismo assumem neste contexto um papel importante para o capital, enquanto agente dominante. São os grandes meios de comunicação social que fazem a ponte entre a ciência e a técnica e os públicos. Perante o processo de concentração das empresas de comunicação que se traduz em monopólio informativo, Fernando Correia denuncia que “a concentração da propriedade em poderosos grupos económicos contribui para o estreitamento do pluralismo de opiniões (no conjunto dos órgãos e dentro de cada órgão), dificulta a viabilidade das pequenas e médias empresas do sector, controla o debate no espaço público (para o qual os media são decisivos) subordinando-o aos interesses ideológicos, económicos e políticos do poder dos grandes grupos, cada vez mais dependentes do grande capital financeiro.”[15] Esta tem sido, aliás, uma preocupação patente em vários quadrantes. Noam Chomsky reforça a ideia de que a maioria dos órgãos de comunicação social vive tudo menos o pluralismo democrático, ainda que estes veiculem insistentemente a sua existência. “A forma inteligente de manter as pessoas passivas e obedientes é limitar estritamente o espectro da opinião aceitável, mas estimular muito intensamente o debate dentro daquele espectro… Isto dá às pessoas a sensação de que o livre pensamento está pujante, e ao mesmo tempo os pressupostos do sistema são reforçados através desses limites impostos à amplitude do debate”. Esta fachada pluralista configura uma forma de censura e de condicionamento muito mais apurada que as formas utilizadas pelos Estados fascistas e transmite aos públicos uma realidade construída e bem diferente da real.

Frequentemente os media abrem caminho à utilização de instrumentos técnicos desenvolvidos pela ciência que não representam o interesse público. Seja através do alarmismo social, da injecção de medo, fazendo uso da mentira e da manipulação, condicionam a reacção das pessoas a esta ou àquela situação.

Jornalismo e Ciência: armas de guerra

No plano especifico dos conflitos bélicos, Carlos Azevedo afirma que “a primeira vítima de uma guerra é a verdade. Com certeza, em época de conflitos bélicos mundiais, tal afirmação aplica-se muito bem ao papel dos media. A chamada guerra contra o terrorismo empreendida pelos Estados Unidos contra o Afeganistão traz de volta a visão dos meios de comunicação como instrumentos de busca da hegemonia e de controlo da opinião pública mundial.”[16] Tais premissas encontram verdade nas notícias veiculadas pela CNN de que a Guerra do Golfo era uma guerra “limpa” visto que, segundo afirmava a cadeia norte-americana, as bombas conduzidas por computadores e sinais de rádio tinham uma precisão cirúrgica e, como tal, havia poucas baixas.

O jornalista uruguaio José Fernandéz dizia num congresso em Havana que “a informação que é fornecida dura o instante que é preciso para ser exibida. Não há um antes e um depois como continuidade entre o passado e o futuro. O processo de meditar sobre a informação para confrontá-la com a realidade e tomar posição face a ela está assim condicionado pela realidade do fugaz. Só acontece o que as grandes cadeias de informação escolhem difundir. As guerras duram o tempo que durar a necessidade política de difundi-las, os resultados serão os que o sistema queira que sejam. Até os mortos são “mais mortos” de acordo com quem ataca quem.”

É interessante comparar o tratamento feito à guerra no Vietname e o tratamento feito à guerra que se verifica no Iraque. Os Estados Unidos souberam tirar as suas ilações e aprender com a lição, não com a derrota que o povo vietnamita lhe infligiu mas com a liberdade com que alguns órgãos televisivos passavam imagens de combates à luz do dia. Actualmente, é raro ver-se a barbaridade de uma linha da frente e nada mais sobra da peneira da censura que explosões luminosas na escuridão da noite.

É também significativo que os Estados Unidos, com larga vantagem sobre qualquer outro país no plano militar, continuem a investir milhões de dólares no desenvolvimento de novas armas. Durante a Guerra Fria, o Estado norte-americano usava a comunicação social para alimentar a ideia da permanente ameaça de guerra nuclear com a União Soviética e agora, mais de uma década após a implosão desse país, os Estados Unidos permanecem usando a comunicação social para legitimar os seus investimentos militares. Desta vez não é o comunismo, o Império do Mal, mas o terrorismo islâmico que se apresenta como a nova forma de legitimação do permanente e contínuo investimento na indústria militar.

Nada disto seria desconhecido aos dirigentes nazis. “Com voz ou sem ela, o povo pode sempre ser levado a submeter-se à vontade dos dirigentes. É fácil. Tudo o que se tem de fazer é dizer-lhe que está a ser atacado, e denunciar os pacifistas por falta de patriotismo e por exporem o país ao perigo”. Esta frase poderia ser facilmente atribuída aos responsáveis de comunicação da Casa Branca mas na realidade é propriedade de Goering, comandante da Luftwaffe, a força aérea nazi.

Em 1996 um repórter da CBS perguntou a Madeleine Albright, secretária de Estado norte-americana no Governo de Bill Clinton: “- Ouvimos dizer que meio milhão de crianças morreu (em consequência da política americana contra o Iraque). Valeu a pena pagar esse preço?”. Ao que a dirigente respondeu: “-Nós pensamos que valeu a pena.” É esta a ética de dirigentes que escolhem os fins para os quais a ciência cria meios.

Poderíamos citar dezenas de situações em que o jornalismo e a ciência remam contra a maré do progresso da sociedade humana. No silêncio perante as consequências das novas tecnologias, no alarmismo hipocondríaco que serve a indústria farmacêutica, nos casos de experiências com animais, no alarmismo securitário que abre caminho à criação de sistemas de controlo social como os satélites, as escutas telefónicas, cada vez mais aperfeiçoadas, a esse colosso orwelliano chamado Echelon[17] e à manipulação genética.

Não podemos desligar tudo isto do imperialismo cultural que se vive, com a pátria de Madeleine Albright à cabeça, onde se insere a ciência e o jornalismo como elementos constituintes. Pierre Bourdieu e Löic Wacquant qualificam-no de “imperialismo da razão neoliberal” que encontra realização intelectual em dois novos protagonistas da produção cultural. “Primeiramente o especialista que prepara, na sombra dos bastidores ministeriais ou patronais ou no segredo dos think tanks (bancos de ideias), documentos de um forte cunho técnico, e tanto quanto possível construídos em linguagem económica e matemática. De seguida, o conselheiro em comunicação do príncipe, trânsfuga do mundo universitário agora ao serviço dos dominantes, cujo serviço é dar forma académica aos projectos políticos da nova nobreza de Estado e da empresa.”[18] Ainda apontam o “culpado” do modelo utilizado à escala mundial, o sociólogo Anthony Giddens, pai da “teoria da estruturação”.

O que fazer?

Não obstante o contexto adverso aqui apresentado, que radica indubitavelmente no sistema capitalista, existem excepções. Os meios de comunicação não são apenas ferramentas das classes que dominam mas também ferramentas das classes dominadas. Na luta entre classes a comunicação assume um papel fulcral ainda que as classes dirigentes tenham acesso a estruturas mediáticas inalcançáveis às mãos dos que estão fora do poder. Para a classe trabalhadora a Internet assume-se como um instrumento essencial enquanto meio menos dispendioso e onde o equilíbrio entre classes é mais nítido. A informação alternativa prolifera e já é tida como uma das razões para o decréscimo da venda de jornais e revistas, ao que não serão alheias as leis em estudo para controlo dos conteúdos na World Wide Web. Num plano já de desequilíbrio existem jornais e revistas de contra-informação que estão desligadas dos princípios economicistas e da lógica do lucro. Os meios televisivos, que abarcam no conjunto dos meios de comunicação social a maior audiência, estão obviamente longe das possibilidades de controlo por parte da generalidade da população, exceptuando-se os casos raros em que a classe trabalhadora domina o poder político e económico.

Em todos estes casos, em que a comunicação social se assume como independente do capital, e portanto independente de quem domina a ciência, existe a denúncia da ciência que se assume contrária aos pressupostos do progresso e desmascara-se o papel dos meios de comunicação como ferramenta da burguesia capitalista na divulgação dos meios criados pela ciência para atingirem os seus fins. Há também que destacar-se o papel de muitos jornalistas que individualmente decidiram desafiar os editores denunciando as agressões contra povos, a manipulação mediática e o estreitamento da democracia. Há poucos dias foram revelados planos dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha com o intuito de se bombardear a sede da cadeia televisiva árabe; há dois anos foi assassinado, em Bagdade, José Couso, jornalista da TVE; há meses, a jornalista italiana Julia Sgrena foi alvo de uma tentativa de homicídio quando passava por um posto de controlo norte-americano no Iraque. Há também o caso de milhares de cientistas que contestam a utilização da ciência para fins bárbaros e estão na linha da frente contra a guerra. Apesar de tudo, existem jornalistas e cientistas que desafiam diariamente a vida para que a verdade nos chegue e rompa a realidade construída através de argamassa de mentiras. E é quando esta realidade se desmorona que os públicos reagem contestando o que se lhes apresenta como certo, disso são exemplo as manifestações contra a barbárie da guerra.

Para que a ciência e o jornalismo assumam de vez os seus papéis de destaque no progresso da sociedade humana será necessário eliminar as razões que as impedem de vestirem tal protagonismo. A ingenuidade permitiria crer que a humanidade por si só se renovaria nesse sentido. Ora, o imperialismo cultural a que se referiam Bourdieu e Wacquant impelem a reprodução do pensamento dominante geração após geração. Só abalando as estruturas e os alicerces que fundam a nossa sociedade num sistema que promove a desigualdade se conseguirão devolver aos princípios éticos a consistência prática que necessitam. Pierre Bourdieu preconizava um “espaço relativamente autónomo, microcosmo dotado de leis próprias” para se fugir à dualidade dos que acreditam na “ciência pura”, livre de qualquer necessidade social, e da “ciência escrava” sujeita a todas as pressões político-económicas. Albert Einstein, no seu artigo “Porquê o socialismo?” apresentava a “constituição de uma economia socialista, acompanhada por um sistema educativo orientado para objectivos sociais. Nesta economia, os meios de produção são detidos pela própria sociedade e são utilizados de forma planeada. Uma economia planeada, que adeqúe a produção às necessidades da comunidade, distribuiria o trabalho a ser feito entre aqueles que podem trabalhar e garantiria o sustento a todos os homens, mulheres e crianças. A educação do indivíduo, além de promover as suas próprias capacidades inatas, tentaria desenvolver nele um sentido de responsabilidade pelo seu semelhante em vez da glorificação do poder e do sucesso na nossa actual sociedade.”

Livros consultados:
- A. Spirkine e O. Yakhot, O materialismo histórico, Montijo, Breviários de Cultura, 1975
- Fernando Correia, Jornalismo e Sociedade, 1ª edição, Lisboa, Editorial «Avante!», 2000
- H. Lefebvre, O marxismo, 1ª edição, Lisboa, Circulo de Leitores, 1974
- Vários, O livro negro do capitalismo, 3ª edição, Famalicão, Campo das Letras, 1999
- João Cardoso da Cruz, Introdução ao estudo da comunicação, 1ª edição, Lisboa, ISCSP, 2002
- Constituição da República Portuguesa, Lisboa, Almedina, 2002
- Peter Scowen, O livro negro da América, 4ª edição, Oeiras, DIFEL, 2003
- Vladimir Ilitch “Lenine”, Propaganda e Agitação, Moscovo, Edições Progresso, 1984
- Armand Mattelart, História da sociedade da informação, 1ª edição, Lisboa, Bizâncio, 2002
- João Caraça, O que é a ciência?, 2ª edição, Coimbra, Quimera, 2001

Sítios consultados na Internet:
- Robert Fisk (2005), Al-Jazeera, en la mira de los EEUU, La Jornada, disponível em http://www.rebelion.org/noticia.php?id=23357
- Carlos Chaparro (2004), Ciência x Jornalismo, embate estúpido, disponível emhttp://www.comuniquese.com.br
- Carlos Azevedo (2001), Meios de comunicação como armas de guerra, Universidade Federal de Paraíba, disponível em http://www.bocc.ubi.pt/pag/azevedo-carlos-comunicacao-armas-guerra.pdf
- Pierre Bourdieu (1995), Combater a la tecnocracia en su próprio terreno, Libération, 14 de Dezembro de 1995
- Pierre Bourdieu, Os usos sociais da ciência – por uma sociologia clínica do campo cientifico, São Paulo, Editora Unesp, 2004, disponível parcialmente em http://cienciahoje.uol.com.br/controlPanel/matéria/view
- Carla Mary S. Oliveira (2001), O que é a ciência e o fazer ciência para Bourdieu?, texto apresentado à disciplina “Seminários Avançados em Sociologia I”, Universidade Federal de Paraíba
- Pierre Bourdieu; Löic Wacquant (2004), O imperialismo da razão neoliberal, disponível emhttp://npmueg.ubbihp.com.br/pos1-3bourdieu.htm
- Noam Chomsky (2004), El control de los medios de comunicacion, disponível em http://www.rebelion.org/autores.php?id=10
- Rui Namorado Rosa, Einstein – Cidadão e cientista, disponível em http://www.resistir.info
- Fernando Correia, Jornalismo e interesses de classe
- Rui Namorado Rosa (2003), A ciência ao serviço da guerra? A ciência e a técnica ao serviço do poder político?, intervenção no Fórum Social Português, disponível em http://resistir.info
- Cláudia Jurberg, Ciência ao alcance de todos: experiências de educação e distância em jornalismo científico, tese submetida ao corpo docente do Departamento de Bioquímica Médica do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em Ciências
- Luciano Alzaga, Meios de comunicação: ferramenta fundamental de opressores e oprimidos, intervenção no Encontro Internacional “Civilização ou Barbárie”, Serpa, Setembro de 2004, disponível em http://resistir.info
-Noam Chomsky (2005), Recurrir al miedo, disponível em http://www.rebelion.org/autores.php?id=10
-Graça Caldas, Falta visão critica ao jornalismo cientifico, disponível em http://www.jornalismocientifico.com.br/artigos.htm
- Albert Einstein, Porquê o socialismo?, artigo publicado na revista Monthly Review, nº1, Maio de 1949, original disponível em http://www.monthlyreview.org/598einst.htm
- Iñaki Gil de San Vicente (2005), Emancipación nacional y praxis científico-crítica, disponível emhttp://www.rebelion.org/autores.php?id=49
- Eduardo Meditsch (1997), O jornalismo é uma forma de conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina

[1] João Caraça, O que é a ciência?, 2ª edição, Coimbra, Quimera, 2001. p. 74.
[2] A. Spirkine e O. Yakhot, O materialismo histórico, (s.d), Montijo, Breviários de Cultura, 1975, p. 25.
[3] Idem, pp. 38-41.
[4] K.Marx e F. Engels, Correspondência, Moscovo, Edições do Progresso, 1971, p. 506.
[5] João Caraça, O que é a ciência?, 2ª edição, Coimbra, Quimera, 2001, p.81
[6] Cláudia Jurberg, tese submetida ao corpo docente do Departamento de Bioquímica Médica do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em Ciências.
[7] Mário Erbolato; Júlio César Barbosa, Comunicação e quotidiano, Editora Papirus, 1984
[8] Carlos Chaparro, Ciência x Jornalismo, embate estúpido, disponível em http://www.comuniquese.com.br(04.06.2004)
[9] Sean MacBride e outros, Voix multiples, un seul monde, UNESCO, 1980
[10] Relatório de 1999 do PNUD
[11] Entrevista do autor ao próprio
[12] A. Spirkine e O. Yakhot, O materialismo histórico, (s.d), Montijo, Breviários de Cultura, 1975, p. 41
[13] Albert Einstein, Porquê o socialismo?, 1ªedição da revista Monthly Review, Maio 1949
[14] Rui Namorado Rosa, A ciência ao serviço da guerra?, intervenção no Fórum Social Português, 7 de Junho de 2003, disponível em http://www.resistir.info
[15] Fernando Correia, Jornalismo e Sociedade, 1ª edição, Lisboa, Editoral «Avante!», 2000
[16] Carlos Azevedo, Meios de comunicação como armas de guerra, Universidade Federal de Paraíba
[17] O Echelon é um sistema complexo de satélites que controlam e filtram os conteúdos da informação trocada entre meios de comunicação
[18] Pierre Bourdieu; Löic Wacquant, O imperialismo da razão neoliberal, disponível emhttp://npmueg.ubbihp.com.br/pos1-3bourdieu.htm

Este artigo encontra-se em http://kontra-korrente.blogspot.pt/2012/12/jornalismo-em-ciencia-mais-do-que-uma.html#more

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos