Mandela foi-se, mas o apartheid está bem vivo na Austrália

John Pilger    04.Ene.14    Destaques

A discriminação racial dos aborígenes australianos não é menos desumana do que a prática do apartheid na África do Sul. Mas permanece muito mais despercebida do que este foi. E não deve ser esquecido que o clamor mundial que se levantou para denunciar o apartheid foi determinante para a derrota do regime que nele assentava.

No fim dos anos 1960 o editor-chefe do London Daily Mirror, Hugh Cudlipp, atribuiu-me uma missão habitual. Devia retornar à minha pátria, a Austrália, e “descobrir o que está por trás da sua face radiante”. O Mirror fizera uma campanha incansável contra o apartheid na África do Sul, onde havia relatado o que estava por trás da sua “face radiante”. Como australiano, fora bem recebido naquela fortaleza da supremacia branca. “Admiramos a vocês aussies “, diziam as pessoas. “Vocês sabem como tratar os seus negros”.

Eu ficava ofendido, é claro, mas também sabia que apenas o Oceano Índico separava as atitudes raciais das duas nações coloniais. Do que eu não estava consciente era de como a semelhança provocou tamanho sofrimento entre o povo original do meu próprio país. Quando crescia, meus livros escolares haviam deixado claro, para citar um historiador: “Nós somos civilizados e eles não são”. Recordo como a uns poucos talentosos jogadores da Aboriginal Rugby League foi permitido atingirem a glória, desde que nunca fizessem menção do o seu povo. Eddie Gilbert, o grande jogador aborígene de críquete, o homem que bateu Don Bratman com um resultado zero (duck), foi impedido de voltar a jogar. Isso não era atípico.

Em 1969 voei para Alice Springs no coração vermelho da Austrália e encontrei-me com Charlie Perkins. Num tempo em que o povo aborígene nem sequer era contado no recenseamento – ao contrário dos carneiros – Charlie era apenas o segundo aborígene a obter um grau universitário. Tinha feito bom uso desta distinção liderando “campanhas itinerantes” (”freedom rides”) em cidades racialmente segregadas no sertão australiano da Nova Gales do Sul. Tinha apanhado a ideia das campanhas itinerantes das que se verificaram no Sul Profundo (Deep South) dos Estados Unidos.

Alugámos um velho Ford, apanhámos a mãe de Charlie, Hetti, uma anciã do povo aranda, e fomos para o que Charlie descreveu como “inferno”. Era Jay Creek, uma “reserva nativa” onde centenas de aborígenes eram encurralados em condições que eu só tinha visto em África e na Índia. De uma torneira do lado de fora pingava um líquido castanho; não havia instalações sanitárias; a comida, ou “rações”, era fécula e açúcar. As crianças tinham pernas finas como palitos e barrigas inchadas pela desnutrição.

O que me impressionou foi o número de mães e avós enlutadas – desoladas pelo roubo de filhos pela polícia e autoridades do “bem-estar” que, durante anos, haviam levado as crianças com pele mais clara. A política era a “assimilação”. Hoje isto mudou apenas no nome e na lógica.

Os rapazes acabariam a trabalhar em fazendas dirigidas por brancos, as meninas como serviçais em casas da classe média. Isto era trabalho escravo não declarado. Eram conhecidos como a Geração Roubada. Hetti Perkins contou-me que quando Charlie era criança ela teve de mantê-lo atado às suas costas e escondia-se sempre que ouvia o tropel dos cavalos da polícia. “Eles não o levaram”, disse ela, com orgulho.

Em 2008, o primeiro-ministro Kevin Rudd pediu desculpas por este crime contra a humanidade. Os aborígenes mais velhos ficaram gratos; acreditaram que o primeiro povo da Austrália – a mais prolongada presença humana sobre a terra – podia finalmente receber a justiça e o reconhecimento que lhe fora negado durante 220 anos.

O que poucos deles ouviram foi o post-scriptum das desculpas de Rudd. “Quero ser categórico acerca disto”, disse ele. “Não haverá indemnização”. Que a 100 mil pessoas profundamente ofendidas e marcadas pelo ódio racista – resultado de uma forma de movimento eugenista com ligações ao fascismo – não fosse dada qualquer oportunidade para restabelecerem materialmente as suas vidas era chocante, embora não surpreendente. A maior parte dos governos em Canberra, conservadores ou trabalhistas, tem insinuado que os primeiros australianos são responsáveis pelo seu sofrimento e pobreza.

Quando o governo trabalhista na década de 1980 prometeu “plena reparação” e direitos à terra, o poderoso lobby mineiro lançou-se ao ataque, despendendo milhões a fazer campanha segundo a qual “os negros tomariam as nossas praias e os nossos quintais”. O governo capitulou, muito embora a mentira fosse grotesca; o povo aborígene mal chega a três por cento da população australiana.

Hoje, crianças aborígenes estão de novo a ser roubadas às suas famílias. O palavreado burocrático é que são “removidas” para “protecção da criança”. Em Julho de 2012 havia 13.299 crianças aborígenes em instituições ou entregues a famílias brancas. Hoje, o roubo destas crianças é mais elevado do que em qualquer momento no decurso do último século. Entrevistei numerosos especialistas em cuidados infantis que encaram isto como uma segunda geração roubada. “Muitos dos garotos nunca voltam e ver as suas mães e comunidades”, disse-me Olga Havnen, autora de um relatório para o governo do Território do Norte. “No Território do Norte, foram gastos $80 milhões na vigilância e remoção de crianças e menos de $500 mil no apoio a estas famílias empobrecidas. Muitas vezes não é dado qualquer aviso às famílias e elas não têm ideia de para onde os seus filhos estão a ser levados. A razão apresentada é negligência – o que quer dizer pobreza. Isto é destruir a cultura aborígene e é racista. Se o apartheid da África do Sul tivesse feito isto, teria havido um alvoroço”.

Na cidade de Wilcannia, Nova Gales do Sul, a esperança de vida dos aborígenes é de 37 anos – mais baixa do que na República Centro-Africana, talvez o país mais pobre da Terra, actualmente devastado pela guerra civil. Outra distinção de Wilcannia é que o governo cubano realiza ali um programa de alfabetização, ensinando jovens aborígenes a ler e escrever. É nisto que os cubanos são famosos – nos países mais pobres do mundo. A Austrália é um dos mais ricos do mundo.

Filmei condições semelhantes há 28 anos, quando fiz o meu primeiro filme acerca dos indígenas da Austrália, The Secret Country . Vince Forrester, um ancião aborígene que então entrevistei, aparece no meu novo filme, Utopia. . Ele levou-me a uma casa em Mutitjulu onde viviam 32 pessoas, na maior parte crianças, muitos deles a sofrerem otite média, uma doença infecciosa totalmente evitável que prejudica a audição e a fala. “Setenta por cento das crianças nesta casa está parcialmente surda”, disse ele. Voltando-se directamente para a minha câmara, disse: “Australianos, isto é o que nós chamamos um insulto aos direitos humanos”.

A maioria dos australianos raramente é confrontada com o segredo mais sujo da sua nação. Em 2009, o respeitado Relator Especial das Nações Unidas, Professor James Anaya, testemunhou condições semelhantes e descreveu as políticas de “intervenção” do governo como racistas. O então ministro para a Saúde Indígena, Tony Abbott, mandou-o “fazer algo útil” e parar de dar ouvidos “à brigada da vítima”. Abbott é agora o primeiro-ministro da Austrália.

Na Austrália Ocidental são escavados minérios da terra aborígene e embarcados para a China com um lucro de mil milhões de dólares por semana. Neste estado, o mais rico e o mais próspero, as prisões enchem-se com aborígenes esmagados, incluindo jovens cujas mães permanecem às portas da prisão, suplicando a sua libertação. Aqui o encarceramento de australianos negros é oito vezes superior ao dos negros sul-africanos durante a última década do apartheid.

Quando Nelson Mandela foi enterrado esta semana, a sua luta contra o apartheid foi devidamente celebrada na Austrália, embora a ironia de tal situação passasse despercebida. O apartheid foi derrotado em grande medida por uma campanha global da qual o regime sul-africano nunca recuperou. Um opróbrio semelhante raramente se fez sentir na Austrália, principalmente porque a população aborígene é tão pequena e porque os governos australianos têm conseguido dividir e cooptar uma liderança dispersa por meio de promessas e gestos vagos. Isso pode estar a mudar. Uma resistência está a crescer, apesar de tudo, nas terras centrais aborígenes, especialmente entre os jovens. Ao contrário dos EUA, Canadá e Nova Zelândia, que fizeram tratados com o seu povo original, a Austrália tem formulado gestos muitas vezes embrulhados em leis. Contudo, no século XXI o mundo exterior começa a prestar atenção. O espectro da África do Sul de Mandela é uma advertência.
19/Dezembro/2013

Pode assistir-se aqui ao trailer de Utopia, o novo filme de John Pilger,.

O original encontra-se no London Daily Mirror e em johnpilger.com/…

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos