Massacre de 13 de Novembro em Paris: Cui Bono ?

Pepe Escobar    17.Nov.15    Outros autores

Os antecedentes de grandes ataques terroristas no continente europeu ou norte-americano justificam que não se confinem as análises às hipóteses (e às «certezas») oficiais. Não é necessário para isso enveredar por elaboradas teorias da conspiração. É o que já é conhecido sobre a articulação entre os diferentes serviços secretos do imperialismo e os grupos terroristas que o aconselha.

Ontem à noite as coisas mudaram de repente em Paris . A evidência disponível sugere que os assaltos foram executados por um grupo de assassinos profissional que, entre outras armas, utilizou bombas vivas. A mensagem de hoje de Pepe Escobar na sua página do Facebook lança alguma luz sobre o simbolismo e o momento do massacre.

Examinando uma tonelada de reportagens descobri um cidadão dinamarquês que descrevia um dos atacantes: ultraprofissional, de negro da cabeça aos pés, AK-47, muito bem treinado. Este não fazia parte dos habituais bombistas camuflados de al-Zawahiri; era um assassino de precisão. Abandonou a cena sem ser perturbado e, ao contrário do que diz a polícia francesa, pode não ter sido capturado: Não usava colete de suicida. 

Os serviços de informação franceses juram que está a monitorar pelo menos 200 cidadãos nacionais que voltaram do “Siraque”. Conversa acerca de um trabalho péssimo. Paris é hiper-policiada. Considere a ideia admirável de pelo menos oito jihadistas a passear à vontade numa sexta-feira à noite vestidos como assassinos profissionais. 

Eles escolheram um conjunto de locais fortemente simbólicos. Há um desafio franco-alemão assistido pelo Presidente num estádio onde todas as barreiras – étnicas, religiosas – se dissolvem, um verdadeiro símbolo de multiculturalismo. Há um concerto de uma banda americana num salão cheio de jovens. Há os cafés da vizinhança no 10º e 11º bairro, com jovens, modernos, laicos. 

Isto aponta para um espectro conceptual calibrado – cuidadosamente mapeado por gente francesa, talvez aqueles retornados do “Siraque”. Isto também aponta para uma falha monumental dos serviços de informações franceses e do Ministério do Interior. 

O momento: crucial. Exactamente quando estado-unidenses/britânicos anunciam que “podem” ter eliminado o “Jihad John”. E poucas horas antes das conversações de Viena que supostamente produzirão uma lista oficial dos Dez Principais terroristas na Síria. 

Como sempre, a resposta honesta à pergunta cui bono  (a quem aproveita) pode ser a última vítima (e talvez a maior) da tragédia de 13/Nov. em Paris. 

Já apareceram várias vozes de peso a favor da versão da falsa bandeira interna (internal false flag), enquanto o fraco governo francês e serviços secretos que dependem totalmente de “parceiros americanos” dificilmente possuem recursos suficientes para orquestrar o drama numa tal escala. 

A leitura nas entrelinhas do relatório recém-publicado do Stratfor sobre os ataques de Paris (presumindo certamente que não há dúvida do envolvimento de todo o Estado Islâmico)  sugere que os neocons americanos querem ver uma maior bota francesa sobre o terreno no Siraque. (Mais elaboração sobre a mobilização da NATO em consequência do 13/Nov. é apresentada por Patrick Henningsen no 21st Century Wire .) Não ficaram satisfeitos com a resiliência francesa em cair completamente dentro da confusão pan-europeia dos refugiados nem com a indiferença pública para com os provocadores anti-islâmicos do Charlie Hebdo . O único efeito colateral que incomoda os analistas do Stratfor é a aparente ascensão de Marine Le Pen a qual, segundo eles, deveria ser beliscada estabelecendo Nikolas Sarkozy no mesmo campo eleitoral. 

Como matéria de facto, a noite sangrenta em Paris foi lançada para enterrar definitivamente o projecto europeu tal como era visto originalmente em Paris e Berlim – harmonia de nações economicamente poderosas e politicamente soberanas. O simbolismo de iniciar os ataques próximo do estádio durante o jogo amistoso franco-alemão é óbvio. Não seria surpresa se a investigação francesa do ataque descobrisse um claro indício alemão dos perpetradores. As regras do género exigem tal enredo. 

Muito poucos na Europa ainda consideram seriamente o facto imutável de que a União Europeia aliada à base de recursos euro-asiática é ainda o maior pesadelo para os donos da Wall Street que estabeleceram a aliança Rússia-China (favor ler mais sobre a questão na actualização de ontem, Grandmaster Putin’s Trap-2 ). A burocracia da UE controlada pela Wall Street está rapidamente a perder não só apoio do público em países europeus (é de mau gosto em Bruxelas desde há muito tempo), como também das elites locais de negócios e de outros grupos de poder. Substituir a velha burocracia da UE por novos representantes que tomariam o caminho da soberanização da Europa era a exigência pública no continente e desafiava gravemente a parceria transatlântica (esqueceu de que no mês passado o ministro francês do Comércio, Matthias Fekl, ameaçou abandonar as conversações TPP  [Parceria Trans-Pacífico]?) Reforçar esta última era a tarefa urgente dos sequazes da Wall Street de ambos os lados do oceano. Uma vez que o projecto ucraniano realmente falhou e devido à notável mudança francesa na abordagem da política europeia para o Leste, um fundamento para o novo consenso transatlântico era desesperadamente necessário. Uma bandeira negra nas proximidades da torre Eiffel foi hasteada virtualmente nos écrans para desviar o povo de questões muito mais candentes: qual é a agenda real por trás da desestabilização do Médio Oriente e onde estão os interesses europeus nesse aspecto? 

Então quem se aproveita deste ataque? Para proveito de quem, França?

15/Novembro/2015
O original encontra-se em www.globalresearch.ca/1311-paris-massacre-cui-bono/5489112 

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos