«Mudanças de regime» EUA: O Registo Histórico

James Petras    13.Feb.19    Colaboradores

As tentativas EUA de “mudança de regime” na América Latina têm um registo histórico contraditório. Mas existe uma constante: em todos os casos em que tiveram sucesso, os fantoches instalados no poder formaram brutais ditaduras antipopulares e antinacionais.

Enquanto os EUA se esforçam por derrubar o democrático e independente governo venezuelano, o registo histórico das consequências de curto, médio e longo prazo das tentativas de mudança de regime orquestradas pelos EUA é misto.

Procederemos a examinar as consequências e o impacto da intervenção dos EUA na Venezuela no último meio século.

Em seguida, analisaremos o sucesso e o fracasso das “mudanças de regime” EUA em toda a América Latina e o Caribe.

Venezuela: Resultados e Perspectivas 1950-2019

Durante a década pós-Segunda Guerra Mundial os EUA, trabalhando através da CIA e do Pentágono, colocaram no poder regimes autoritários clientelares na Venezuela, Cuba, Peru, Chile, Guatemala, Brasil e vários outros países. No caso da Venezuela, os EUA apoiaram uma ditadura militar de quase uma década (Perez Jimenez) praticamente entre 1951 e 1958. A ditadura foi derrubada em 1958 e substituída por uma coligação de centro-esquerda durante um breve período interino. Posteriormente, os EUA baralharam de novo as cartas da sua política e adoptaram e promoveram regimes de centro-direita liderados por social-democratas e democratas-cristãos que se alternaram o governo durante quase quarenta anos.

Nos anos 90, os regimes clientelares dos EUA, repletos de corrupção e enfrentando crises socioeconómicas cada vez mais profundas, foram eliminados do poder pelo voto e substituídos pelo governo anti-imperialista e independente liderado pelo presidente Chávez. A eleição livre e democrática do presidente Chávez resistiu e derrotou várias “mudanças de regime” lideradas pelos EUA nas duas décadas seguintes.

Após a eleição do presidente Maduro, Washington montou sob a direção dos EUA a engrenagem política para uma nova mudança de regime. No inverno de 2019 Washington lançou um golpe a todo o vapor.

O registo da intervenção dos EUA na Venezuela é misto: um golpe militar de médio prazo durou menos de uma década; regimes de base eleitoral sob direcção dos EUA estiveram no poder durante quarenta anos; a sua substituição por um governo populista anti-imperialista eleito está no poder há quase 20 anos. Um virulento golpe dirigido pelos EUA está agora em andamento.

A experiência venezuelana de “mudança de regime” dá conta da capacidade dos EUA de consumar um controlo de longo prazo se puder reorganizar a sua base de poder de uma ditadura militar para um regime eleitoral, financiado pela pilhagem do petróleo, apoiado por militares de confiança e “legitimado” pela alternância entre partidos políticos clientelares que aceitam a submissão a Washington.

Os regimes clientelares norte-americanos são governados por elites oligárquicas, com pouca capacidade empreendedora, vivendo de rendas estatais (receitas do petróleo).

Intimamente associadas aos EUA, as elites dominantes são incapazes de garantir lealdade popular. Os regimes clientelares dependem da força militar do Pentágono - mas essa é também a sua fraqueza.

Mudança de regime na perspectiva histórico-regional

A construção de fantoches é um objectivo estratégico essencial do estado imperial dos EUA. Os resultados variam ao longo do tempo, dependendo da capacidade de governos independentes em obter sucesso na construção da nação.

A construção de fantoches a longo prazo dos EUA tem sido mais bem-sucedida em pequenos países com economias vulneráveis.

O golpe dirigido pelos EUA na Guatemala durou mais de sessenta anos - de 1954 a 2019. As principais insurgências indígenas populares foram reprimidas por meio de assessores militares dos EUA.

Construções de fantoches semelhantes bem sucedidas pelos Estados Unidos ocorreram no Panamá, Granada, República Dominicana e Haiti. Sendo pequenos e pobres e tendo fracas forças militares, os EUA dispõem-se a invadir e ocupar directamente os países, em pouco tempo e com baixos custos económicos e em vidas de militares.

Nos países acima referidos Washington conseguiu impor e manter regimes fantoches por períodos prolongados de tempo.

Os EUA dirigiram golpes militares ao longo do último meio século com resultados contraditórios.

No caso de Honduras, o Pentágono conseguiu derrubar um governo democrático liberal progressivo de duração muito curta. O exército hondurenho estava sob a direção dos EUA, e o Presidente eleito Manuel Zelaya sustentava-se sobre uma maioria eleitoral popular desarmada. No seguimento do sucesso do golpe, o regime fantoche hondurenho permaneceu sob o domínio dos EUA no decurso da década seguinte e provavelmente irá pera além disso.

O Chile tem estado sob a tutela dos EUA durante a maior parte do século XX, com uma breve pausa durante um governo de Frente Popular entre 1937-41 e um governo democrático socialista entre 1970-73. O golpe militar dirigido pelos EUA em 1973 impôs a ditadura de Pinochet, que durou dezassete anos. Seguiu-se um regime eleitoral que deu continuidade à agenda neoliberal Pinochet-EUA, incluindo a reversão de todas as reformas populares nacionais e sociais. Numa palavra, o Chile permaneceu dentro da órbita política dos EUA durante a maior parte de meio século.

O regime democrático-socialista do Chile (1970-1973) nunca armou seu povo nem estabeleceu ligações económicas com o exterior que sustentassem uma política externa independente.

Não é de surpreender que, nos últimos tempos, o Chile tenha seguido o apelo dos EUA no sentido do derrube do Presidente da Venezuela, Maduro.

Construção de Marionetes Contraditória

Vários golpes americanos foram revertidos, por períodos de maior ou menor duração.

O caso clássico da bem sucedida derrota de um regime clientelar é Cuba, que derrubou um cliente norte-americano com dez anos de duração, a ditadura de Batista, e resistiu com sucesso a uma invasão dirigida pela CIA e ao bloqueio econômico de quase meio século (até aos dias de hoje).

A derrota por Cuba da política de restauração de fantoches resultado da decisão da liderança de Castro de armar o povo, expropriar e assumir o controle de empresas americanas e multinacionais hostis e estabelecer aliados estratégicos no exterior - URSS, China e mais recentemente Venezuela.

Em contraste, um golpe militar apoiado pelos EUA no Brasil (1964) durou mais de duas décadas, antes que as políticas eleitorais fossem parcialmente restauradas mas sob a liderança da elite.

Vinte anos de políticas econômicas neoliberais fracassadas levaram à eleição do social-reformista Partido dos Trabalhadores (PT), que implementou extensos programas anti pobreza dentro do contexto de políticas neoliberais.

Depois de uma década e meia de reformas sociais e uma política externa relativamente independente, o PT sucumbiu à desaceleração de uma economia dependente de commodities e a um Estado hostil (principalmente o judiciário e o militar) e foi substituído por um par de regimes de clientes de extrema-direita dos EUA que funcionaram sob a direção de Wall Street e do Pentágono.

Os EUA intervieram frequentemente na Bolívia, apoiando golpes militares e regimes de clientela contra regimes populistas nacionais de curto prazo (1954, 1970 e 2001).

Em 2005, uma revolta popular levou a eleições livres e à eleição de Evo Morales, o líder dos movimentos de plantadores de coca. Entre 2005 e 2019 (o período actual), o presidente Morales liderou um governo anti-imperialista moderado de centro-esquerda.

Esforços fracassados ​​dos EUA para derrubar o governo de Morales foram resultado de vários factores: Morales organizou e mobilizou uma coligação de camponeses e trabalhadores (especialmente mineiros e plantadores de coca). Garantiu a lealdade dos militares, expulsou os Cavalos de Troia das “agências de ajuda” dos EUA e ampliou o controle sobre o petróleo e o gás e promoveu laços com o agronegócio.

A combinação de uma política externa independente, uma economia mista, um crescimento elevado e reformas moderadas neutralizou a construção de fantoches por parte dos EUA.

Não assim na Argentina. Depois de um golpe sangrento (1976) no qual os EUA apoiaram militares que assassinaram 30.000 cidadãos, os militares foram derrotados pelo exército britânico na guerra das Malvinas e retiraram-se após sete anos no poder.

O regime fantoche pós-militar governou e saqueou durante uma década antes de entrar em colapso em 2001. Foi derrubado por uma insurreição popular. No entanto, a carente de coesão esquerda radical foi substituída por regimes de centro-esquerda (Kirchner-Fernandez) que governaram durante a maior parte de uma década (2003 - 15).

Os regimes neoliberais progressivo progressivos de bem-estar social entraram em crise e foram derrubados por um regime fantoche apoiado pelos EUA (Macri) em 2015, regime que procedeu à reversão das reformas, privatizou a economia e subordinou o Estado a banqueiros e especuladores americanos.
Após dois anos no poder, o regime fantoche vacilou, a economia entrou em queda e emergiu outro ciclo de repressão e protestos de massa. O regime do governo fantoche dos EUA é tênue, a população enche as ruas, enquanto o Pentágono afia as facas e prepara fantoches para substituir os clientes do seu actual regime.

Conclusão

Os EUA não conseguiram consolidar mudanças de regime entre os grandes países com organizações de massa e apoios militares.

Washington conseguiu derrubar regimes populares-nacionais no Brasil e na Argentina. No entanto, com o tempo, regimes fantoches têm sido revertidos.
Enquanto os Estados Unidos recorrem em grande parte a uma única “via” (golpes militares e invasões) para derrubar governos populares menores e mais vulneráveis, em relação a países maiores e mais formidáveis baseia-se numa estratégia de “múltiplas vias”.

Nos primeiros casos, em geral basta um telefonema para os militares ou o envio dos fuzileiros navais para acabar com a democracia eleitoral.

Nos segundos casos, os EUA agem segundo uma estratégia de múltiplas vertentes que inclui uma barragem mediática massiva, rotulando democratas como ditaduras, extremistas, corruptos, ameaças à segurança, etc.

À medida que a tensão aumenta, os clientes regionais e os estados europeus são organizados para apoiar os fantoches locais.

Falsos “Presidentes” são coroados pelo presidente dos EUA, cujo dedo indicador contraria o voto de milhões de eleitores. Manifestações de rua e violência paga e organizada pela CIA desestabilizam a economia; as elites empresariais boicotam e paralisam a produção e a distribuição … São gastos milhões em subornar juízes e oficiais militares.

Se a mudança de regime pode ser realizada por sátrapas militares locais, os EUA abstêm-se de intervenção militar directa.

Mudanças de regime entre países maiores e mais ricos têm entre uma a duas décadas de duração. No entanto, a viragem para um regime fantoche eleitoral pode consolidar o poder imperial por um período mais longo - como foi o caso do Chile.

Onde houver apoio popular poderoso a um regime democrático, os EUA fornecerão o apoio ideológico e militar para um massacre em grande escala, como foi o caso da Argentina.

O confronto que se avizinha na Venezuela será um caso de sangrenta mudança de regime, já que os EUA terão que assassinar centenas de milhares para destruir os milhões que têm longos e profundos compromissos com as suas conquistas sociais, a sua lealdade à nação e a sua dignidade.
Em contrapartida, a burguesia e os seus seguidores entre os traidores políticos procurarão a vingança e recorrerão às mais vis formas de violência, a fim de despojar os pobres dos seus avanços sociais e das suas memórias de liberdade e dignidade.

Não é de admirar que as massas venezuelanas se estejam a preparar para uma prolongada e decisiva luta: tudo pode ser ganho ou perdido neste confronto final com o Império e seus fantoches.

Fonte: https://petras.lahaine.org/us-regime-changes-the-historical-record/

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos