O efeito económico do coronavírus poderia ser revolucionário

Paul Craig Roberts    19.Mar.20    Outros autores

Em muitos lugares do mundo capitalista a actual crise está a provocar um fenómeno inestimável: o colocar em causa do que conduziu à situação de extrema vulnerabilidade económica e social de sociedades tidas como desenvolvidas. E o ressurgir de palavras há muito colocadas no index ideológico, como a palavra nacionalização. E é significativo que ressurjam também nos próprios EUA.

O coronavírus e o globalismo vão ensinar-nos lições vitais. A questão é se podemos aprender lições vitais que não servem os grupos de interesses e ideologias dominantes.
O coronavírus irá ensinar-nos que um país sem cuidados de saúde gratuitos no plano nacional é gravemente limitado. Milhões de norte-americanos vivem de salário em salário. Não podem pagar prémios de seguro de saúde, deduções e co-pagamentos. Milhões não têm seguro. Isso significa milhões de pessoas infectadas com coronavírus que não podem obter ajuda médica. A mortalidade resultante é intolerável em qualquer sociedade.

Os encerramentos associados aos esforços para conter a disseminação do coronavírus retirarão rendimento a milhões de norte-americanos que vivem de salário em salário. O que farão para obter comida, abrigo, transporte? Não é necessário pensar-se muito nisso para vislumbrar um cenário muito assustador.

O globalismo derrubou as escadas da mobilidade ascendente ao exportar para a Ásia empregos da classe média norte-americana. Uma população outrora capaz de poupar vive agora endividada, cujo serviço é interrompido pela recessão/depressão e pelo serviço da dívida a absorver toda o rendimento líquido disponível.

O globalismo reduziu também a capacidade de sobrevivência da nossa sociedade, tornando-a dependente de bens produzidos no exterior, cuja oferta pode ser interrompida por rupturas em outras sociedades, por divergências políticas que levam a sanções e pela incapacidade de exportar o suficiente para pagar as importações, que é o que a produção externalizada de empresas dos EUA é.

Os Estados Unidos têm uma população desprotegida e uma economia em dificuldades. Durante anos, os executivos corporativos administraram as empresas em benefício de seus bônus, que são amplamente dependentes do aumento do preço das acções da empresa. Consequentemente, lucros e empréstimos foram investidos na recompra das acções das empresas e não em novos investimentos no negócio. O endividamento corporativo é extremo e ameaçará muitas empresas e muitos empregos numa recessão. A Boeing é um exemplo disso.

O economista Michael Hudson tem há muitas décadas estudado o uso do perdão da dívida para relançar economias mortas pelos encargos da dívida. O perdão da dívida para as empresas tem uma implicação diferente do perdão da dívida para os indivíduos. Para as empresas, perdoar dívidas deixa quem financiou e endividou a economia e a população fora de controle. Para evitar recompensá-los pela catástrofe que produziram e para evitar protestos e desconfiança pública generalizada, a nacionalização para empresas e bancos insolventes é implícita.

A nacionalização seria limitada a empresas e instituições financeiras insolventes e não significa que não haveria empresas ou negócios privados. Nacionalização adicional poderia ser usada para impedir que empresas estratégicas substituíssem os seus interesses pelos interesses nacionais, que é o que fazem quando deslocam para o exterior empregos e fábricas norte-americanas. As empresas farmacêuticas poderiam ser nacionalizados juntamente com os cuidados de saúde. A energia, que geralmente sacrifica o meio ambiente aos seus lucros, pode ser considerada para nacionalização. Uma sociedade de sucesso tem de ter mais motivação do que o lucro privado.

Para a maioria dos norte-americanos nacionalização é um palavrão, mas tem muitos benefícios. Por exemplo, um sistema nacional de assistência médica reduz tremendamente os custos retirando do sistema os lucros. Além disso, as empresas farmacêuticas nacionalizadas poderiam concentrar-se mais em investigação e em curas do que nas vias do lucro. Toda a mundo sabe como a Big Pharma (“Grande Farmácia”) influencia que as escolas médicas e a prática médica sigam a abordagem da Big Pharma. Uma abordagem mais aberta à medicina seria benéfica.
Socialista é outro palavrão norte-americano, que vem sendo usado contra Bernie Sanders. Não me transformei em socialista da noite para o dia. Estou simplesmente a pensar em voz alta.

Como pode a economia recuperar quando a população e as empresas são sufocadas pela dívida? O perdão da dívida é a única maneira de sair dessa asfixia da dívida. Podem as dívidas ser perdoadas sem nacionalização? Não sem um enorme brinde oferta aos gestores financeiros e a Wall Street. São os membros do “um por cento” quem recebeu 95% do aumento de rendimento e da riqueza nos EUA desde 2008. Queremos recompensá-los por sufocarem a economia com dívida, resgatando-os ou sem os nacionalizar?

A combinação de uma economia coberta de dívidas e uma população desprotegida é claramente revolucionária. Teremos liderança capaz de romper com a política dos grupos de interesse e ideologias dominantes a fim de salvar nossa sociedade e colocá-la numa base mais sustentável?
Ou será que as dificuldades económicas serão atribuídas ao vírus, o catalisador que desencadeou a bomba-relógio da dívida?

Fonte: https://www.paulcraigroberts.org/2020/03/14/economic-effect-of-coronavirus-could-be-revolutionary/

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos