:: Outros autores

Odiario

Breve História da NATO de 1991 aos dias de hoje (V, VI)

Manlio Dinucci    14.Nov.17

Com a guerra no Afeganistão a NATO concretiza o seu novo «conceito estratégico»: intervir em todo o lado em que os EUA e as outras potências imperialistas ocidentais considerarem estar em causa os seus interesses. Seguiu-se o Iraque. Em ambos os casos a NATO passa por cima e apropria-se de competências das missões da ONU. Na sequência da intervenção na Jugoslávia, prossegue e intensifica-se a destruição de estados soberanos e o massacre dos seus povos.

Odiario
Odiario

Em 9 meses de 2017 a EDP já tem maiores lucros do que em todo o ano de 2016

Eugénio Rosa    13.Nov.17

Os lucros obtidos pela EDP até Setembro de 2017 atingiram já 1.385,9 milhões € quando, em idêntico período de 2016, tinham sido 794,3 milhões €. Um aumento de 74,5% em 2017. Ninguém (governo, ERSE e Autoridade da Concorrência) tem coragem para pôr cobro a estes lucros escandalosos obtidos com preços impostos aos consumidores portugueses sistematicamente superiores aos preços médios da União Europeia. Aumento de lucros que é conseguido à custa do domínio do poder político pelo poder económico, ou seja, do governo pela EDP. E a maior fatia dos lucros vai para o estrangeiro, da China aos EUA, da Espanha ao Abu Dhabi, ou para empresas que os accionistas portugueses criam no estrangeiro para fugir aos impostos.

Odiario
Odiario

Outubro*

Jorge Cadima    11.Nov.17

A Revolução de Outubro mostrou que é possível uma sociedade diferente, que é mentira que tenha de ‘ser sempre assim’. Mostrou que a Humanidade não precisa de banqueiros, de grandes capitalistas ou latifundiários para viver e progredir. Mostrou que quando a sociedade humana deixa de alimentar os apetites insaciáveis das classes parasitárias, cai por terra a tese do ‘não há dinheiro’ para despesas sociais.

Odiario
Odiario

Clinton, Assange e a guerra contra a verdade

John Pilger    10.Nov.17

Hillary Clinton lançou um livro em que procura ajustar contas com a sua não-eleição. Tal como a personagem, o livro é intragável. Mas os grandes media fazem a sua promoção, proporcionando-lhe entrevistas em que, como é seu hábito, mente e oculta as criminosas responsabilidades reais que lhe cabem.

Odiario
Odiario
Entrevista de Miguel Marujo, publicada no DN, 5.11.2017

“Revolução de Outubro foi o maior acontecimento libertador da história da humanidade” - Albano Nunes

Miguel Marujo - DN    08.Nov.17

A classe dominante quer apagar da consciência dos trabalhadores a importância desta data histórica e a grande revolução que se celebra, para dificultar a sua organização e a sua luta por uma sociedade nova. E em particular a sua luta pelo derrube do capitalismo e a construção de uma sociedade socialista.

Odiario
Odiario

Viva a Grande Revolução Socialista de Outubro!

Os Editores    07.Nov.17

«Acontecimento capital na história da humanidade, a Revolução de Outubro teve uma influência determinante em toda a evolução social e política contemporânea. No que respeita a Portugal, provocou uma decisiva viragem no movimento operário. Em Janeiro de 1918, Lénine dizia que os proletários de todos os países “acolhem com simpatia cada notícia, cada migalha de informação sobre a nossa revolução, porque sabem que o que está a ser realizado na Rússia é a sua causa comum, a causa da insurreição proletária, da revolução socialista internacional”. Assim sucedeu também em Portugal. Apesar da feroz campanha que a imprensa burguesa conduzia contra o jovem Estado soviético, apesar das posições anti-soviéticas de dirigentes anarquistas e socialistas, os trabalhadores procuravam avidamente “cada migalha de informação” e, por instinto de classe, logo viram na revolução russa a sua própria causa».

Álvaro Cunhal, “O que devemos a Lénine”, Abril de 1970

Odiario
Odiario

Entrevista a João Pedro Stedile*

Correo del Alba    06.Nov.17

Nesta extensa entrevista a um jornal venezuelano, o principal dirigente do MST aborda a situação no seu país e na América Latina em geral. Retenhamos a importância central atribuída à mobilização e à intervenção directa das massas, à necessidade de romper com o espartilho da democracia burguesa, à necessidade de encontrar caminhos de desenvolvimento não capitalista.

Odiario