«Solidariedade» e «inimigo externo»

João Ferreira    26.Jun.20    Outros autores

João FerreiraA forma como a UE dos monopólios vem lidando com a pandemia e com o que virá a seguir é inteiramente elucidativa do que dali há a esperar: defesa dos interesses das potências centrais à custa de uma ainda maior vulnerabilização de países periféricos (sejam eles maiores ou menores). É isso a “solidariedade” UE. E também um ainda maior alinhamento com o imperialismo EUA e a NATO.

A estafada retórica da «solidariedade europeia», a cada novo sobressalto, volta irremediavelmente a tropeçar, uma e outra vez, na realidade do cada-um-por-si, marca de água da integração capitalista europeia.

Depois da péssima impressão deixada com a resposta inicial ao surto da COVID-19, quando a Itália se viu a braços com a falta de material e equipamento médico, que alguns «parceiros» retinham nas respectivas fronteiras, de súbito reerguidas; depois de aterrarem em solo italiano aviões oriundos da China, trazendo algum do equipamento que os «parceiros europeus» retinham arbitrariamente, mas também de Cuba, com pessoal médico, e da Rússia, com equipas de apoio a ações de desinfecção; depois de tudo isto, a Comissão Europeia veio assegurar, com solenidade, que a «descoordenação» inicial (assim lhe chamaram) era coisa do passado, sendo que o presente e o futuro seriam pautados pela acção coordenada dos 27 em todos os domínios de resposta ao surto e às suas consequências.

Até que chegou o desconfinamento e a hora de abrir fronteiras. A «coordenação», que nos juravam ir sobre carris, deu lugar, não tanto à descoordenação, que disso não se tratou, mas à pura perfídia de quem procura obter ganho próprio com o mal intencionalmente infligido ao outro, isto no dizer do insuspeito ministro Santos Silva, que acusou alguns dos países que fecharam portas ao restabelecimento das ligações aéreas com Portugal (foram oito no total, enquanto outros nove introduziram outro tipo de limitações) de quererem desviar fluxos turísticos em proveito próprio, num tempo em que estes consabidamente escasseiam.

Tão pouco habitual e desabrida acusação teve como fundamento a disparidade de critérios para decidir a reabertura de fronteiras, a par de decisões consideradas injustificadas, à luz da elementar razoabilidade na leitura dos dados sobre a situação de saúde pública.

Que viva, pois, a «solidariedade europeia» e a coordenação que lhe é inerente.

Entretanto, que ninguém diga que a Comissão Europeia nada aprende com Trump.

Na apresentação de uma comunicação intitulada Combater a desinformação sobre a COVID-19: repor a verdade dos factos, feita há dias, a comissária Jourová, responsável pela pasta «valores e transparência», num acto sem precedente, veio acusar a China de lançar campanhas de desinformação a respeito da COVID-19, «tanto na UE como na sua vizinhança e a nível mundial, procurando minar o debate democrático e exacerbar a polarização social». Jourová refere-se concretamente à «promoção exagerada do apoio da China à UE, com muita propaganda que indica que os Estados-Membros e as instituições democráticas europeias não foram capazes de lidar com a crise».

A gravidade da acusação, as suas possíveis consequências e as intenções que lhe subjazem não podem, em nenhum momento, ser desvalorizadas.

De caminho, Jourová defendeu o reforço da cooperação com a NATO, porque «a desinformação é uma ameaça híbrida e, por isso, uma questão de segurança». E aludindo aos «inimigos internos», que acusa de agirem ao serviço do «inimigo externo», deixou um aviso sibilino: «temos de limpar a nossa própria casa».

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº 2430, 25.06.2020

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos