ST Louis, como matar a cotovia

António Santos*    24.Sep.17    Outros autores

O texto de António Santos que hoje publicamos o que nunca e demais repetir: a luta contra o racismo é uma das formas assumida pela luta de classes; os tribunais são um dos principais instrumentos de repressão do Estado ao serviço da classe dominante.
De facto, «onde não há justiça não pode haver paz», e não é pela submissão mas pela luta constante e crescente que os povos conquistarão a justiça e a paz.

«Nos nossos tribunais, quando é a palavra de um homem branco contra a palavra de um homem negro, o homem banco ganha sempre». Sessenta anos depois, um tribunal de St. Louis, no Missouri, confirma a sentença de Lee Harper em Mataram a Cotovia. De pouco valeu a gravação em que o agente Jason Stockley previne a esquadra da intenção de matar o suspeito. De pouco valeu o vídeo, em que se pode ver o polícia a colocar um revólver nas mãos inertes de Anthony Lamar Smith, 24 anos, desarmado e cravejado de balas. O tribunal absolveu o polícia branco. Mais uma vez.

Agora, as avenidas de St. Louis, Kansas City, Springfield, Columbia e muitas mais cidades do Missouri enchem-se de gente. Dezenas de protestos de gestação quase espontânea despontaram, desde o final da semana passada, quando foi conhecida a decisão do tribunal, em escolas secundárias, universidades, edifícios públicos e fábricas.

De quem são estas ruas?

Desempenhando o mesmo serviço à classe dominante que qualquer outra força policial em qualquer outro Estado capitalista, a polícia dos EUA assume características singulares. Perante uma manifestação pacífica de milhares de pessoas em St. Louis, no domingo, que gritavam «as vidas dos negros importam», a polícia de intervenção, militarizada com equipamento de guerra, respondia, em coro: «de quem são as ruas? As ruas são nossas». Poucas horas mais tarde, a polícia de choque, sob a protecção militar da Guarda Nacional, punha em marcha o kettling, uma táctica para cercar e deter grandes grupos de pessoas. Entre os quase 150 detidos, contam-se jornalistas, observadores legais e paramédicos.

As montras partidas na sequência da carga policial mereceram a condenação do partido bicéfalo democrato-republicano.

A uma só voz, o governador republicano Eric Greitens e a autarca democrata de St. Louis, Lyda Krewson, agradeceram à polícia «os serviços prestados à cidade», condenaram a «violência inaceitável» e pediram «paz para sarar as feridas».

Em St. Louis, o salário médio anual de um trabalhador afro-americano é, em média, metade do rendimento de um trabalhador branco. No ano passado, só nesta cidade, 36 negros foram mortos pela polícia: mais de um por mês.

É caso para perguntar: que paz é esta, em que alguns vivem enquanto outros morrem e que se perturba quando se pede justiça?

Onde não há justiça não pode haver paz.


Este texto foi publicado no Avante nº 2.286 de 21 de setembro de 2017.

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos