Trump e UE*

Jorge Cadima    24.Oct.20    Outros autores

O directório que manda na UE finge por vezes pretender ter uma política externa autónoma. Mas a realidade é que não passa de um servil vassalo do imperialismo EUA. Participou e participa na destruição e ocupação de países soberanos, participa agora na escalada de provocações contra a Rússia e a China. Uma escalada que pode conduzir o mundo a uma tragédia sem precedentes.

A pandemia faz estragos, mas o imperialismo não dá tréguas. O primeiro Director-Geral da Organização para a Proibição das Armas Químicas, OPAQ, foi impedido de testemunhar no Conselho de Segurança da ONU por EUA, Inglaterra e França (abrilabril.pt, 15.10.20). O brasileiro Bustani ia defender os inspectores dissidentes da OPAQ que acusam a respectiva chefia de ignorar as suas inspecções no local do alegado ataque com armas químicas em Douma, na Síria, em 2018, e de optar por publicar conclusões diferentes, com a versão politicamente correcta dos países que usaram o pretexto para um ataque missilístico à Síria.

Não é a primeira vez que Bustani enfrenta as mentiras belicistas.    Em 2002 foi afastado da OPAQ sob pressão dos EUA, por enfrentar a cabala das inexistentes armas de destruição em massa de Saddam Hussein. Desta vez, a França de Macron alinha com Trump. E a Alemanha de Merkel também. A versão alemã do caso Skripal, que também envolve a OPAQ, ultrapassa o limite do ridículo. Mesmo admitindo que o governo russo quisesse envenenar Navalny e que para tal tivesse usado um agente nervino «oito vezes mais mortífero do que o gás VX» (Telegraph, 2.9.20), custa a acreditar que de novo a vítima milagrosamente sobreviva. E nem uma criança acredita que, estando Navalny no seu território, os maléficos russos não acabassem o que alegadamente começaram. Mas o governo russo deixou Navalny sair vivo do país. E como sublinha o MNE russo Lavrov falando para homens de negócios europeus (5.10.20), a «clínica [alemã, civil] Charité também não encontrou quaisquer agentes tóxicos do chamado grupo Novichok nas amostras de Navalny. Foi a clínica da Bundeswehr [militar] que anunciou o achado».    Nenhum perfume consegue esconder o cheiro a provocação e mentira. Mais uma.

Não se deve subestimar a gravidade da opção dos países que mandam na UE em alinhar com as provocações dos EUA à Rússia e à China. Face às sanções impostas pela UE, diz Lavrov: «talvez já não haja bases que permitam lidar com a Europa a longo prazo e não podemos estar certos que os nossos parceiros europeus respeitem os seus compromissos. […] No meio da estagnação mental em Bruxelas, estes processos ganham ímpeto sobretudo na Alemanha. […] a Alemanha está-se a tornar o actor mais destacado em concretizar uma forte e duradoira viragem anti-russa em todos os processos em curso na UE».

Que a UE decida afundar-nos juntamente com os EUA, país à beira da implosão social, política e sanitária, não é coisa pequena. Diz o General Carlos Branco, no seu mais recente livro (p.49): «Num quadro em que a potência dominante vê a sua liderança ameaçada, não é mera figura de retórica equacionar a possibilidade dos EUA travarem de forma violenta a ascensão do competidor. São vários os indícios que credibilizam essa hipótese. A concretização da supremacia nuclear americana e o fim da MAD, associada ao emprego alargado de armas nucleares tácticas, são ameaças objetivas à segurança internacional, que podem assumir rapidamente contornos dramáticos. São projectos reais e verosímeis. Estranha-se o silêncio dos críticos de Trump sobre este tema central». O anunciado novo normal pandémico é, afinal, muito velho e anormal.

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº 2447, 22.10.2020

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos